Suspeito de se passar por falso agente para aplicar golpes é indiciado pela Polícia Federal - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Estelionato29/08/2019 | 18h30

Suspeito de se passar por falso agente para aplicar golpes é indiciado pela Polícia Federal

Daniel Lopes da Silveira, 38 anos, agia nos Estados de Santa Catarina, São Paulo e Rio Grande do Sul

Suspeito de se passar por falso agente para aplicar golpes é indiciado pela Polícia Federal Félix Zucco/Agencia RBS
Suspeito foi indiciado pelos crimes de estelionato, ameaça e falsificação de selo público Foto: Félix Zucco / Agencia RBS
Leticia Mendes

A Polícia Federal (PF) finalizou a o inquérito que investigava um gaúcho por se passar por falso agente federal. Daniel Lopes da Silveira, de 38 anos, foi indiciado pelos crimes de estelionato, ameaça e falsificação de selo público. Segundo a apuração, o homem, natural de Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, teria se passado por policial federal para aplicar golpes em vítimas de Estados como Rio Grande do Sul, São Paulo e Santa Catarina

O CASO
Mulheres enganadas desmascaram falso agente federal que conquistava vítimas para aplicar golpes
“Ele saía de casa todo dia como policial”, conta mulher que teve filha com homem investigado por se passar por agente federal

Cinco mulheres e cinco homens que alegam ter sido vítimas do suspeito foram ouvidos no inquérito. Por um ano e meio, uma assistente social e moradora da Grande Porto Alegre acreditou que convivia com um policial federal. A maior parte desse tempo, moraram juntos. Os dois chegaram a ter uma filha, hoje com quatro meses.

Por certo período, diariamente levava o companheiro até o Aeroporto Internacional Salgado Filho. Com a camiseta da PF, colete tático e arma (todos itens falsificados), ele desembarcava no início da manhã e só retornava no fim da tarde. Dan, como era chamado, contava detalhes da profissão. Ela foi uma das mulheres ouvidas ao longo da investigação. 

— Acredito que fiz a minha parte — afirmou a assistente social, ao saber do indiciamento.

A PF confirmou a finalização do inquérito, mas não divulgou maiores detalhes sobre a apuração. Silveira foi preso em 24 de julho em um shopping de São Paulo. Em depoimento, segundo a PF, ele confirmou que enganou mulheres. Um notebook e um celular apreendidos na data da prisão ainda estão sendo analisados. O suspeito continua detido de forma preventiva no Presídio Central, em Porto Alegre. 

Contraponto

Segundo a advogada Josiane Schambeck, responsável pela defesa de Silveira, "a investigação não trouxe elementos que pudessem afirmar que houve dano à administração pública federal". Ela afirma ainda que, por conta disso, "a PF sugeriu a declinação da competência à justiça estadual".

A advogada relatou também que aguarda o julgamento de habeas corpus. Com a declinação da competência, segundo Josiane, será mantida a mesma linha de defesa. A advogada pretende ingressar com novo pedido de liberdade. A PF informou que não se manifesta sobre detalhes da investigação, pelo fato do caso estar em sigilo. 




 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros