Dono de revenda de veículos em Porto Alegre é indiciado em 20 inquéritos e segue foragido - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Estelionato05/09/2019 | 21h46Atualizada em 05/09/2019 | 21h49

Dono de revenda de veículos em Porto Alegre é indiciado em 20 inquéritos e segue foragido

Com prisão preventiva decretada, Paulo Ricardo Barbiane Assunpção, 54 anos, continua sendo investigado pela Polícia Civil em mais seis casos

Dono de revenda de veículos em Porto Alegre é indiciado em 20 inquéritos e segue foragido Tadeu Vilani/Agencia RBS
Vítima, que afirma ter perdido R$ 26 mil, mostra recibo que recebeu da Truck Sul Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS
Leticia Mendes

A Polícia Civil indiciou o dono de uma revenda de Porto Alegre em 20 inquéritos nos quais é suspeito de estelionato.  Paulo Ricardo Barbiane Assunpção, 54 anos, ainda é investigado em outros casos, nos quais proprietários de veículos alegam que foram enganados. No total, até o momento, são 26 inquéritos para apurar o suposto golpe na negociação de automóveis. A loja Truck Sul, na Avenida Juca Batista, no bairro Hípica, na Zona Sul, foi fechada há dois meses.

ACOMPANHE
Golpe da revenda faz pelo menos 12 vítimas na zona sul de Porto Alegre
Dono de revenda de veículos é procurado por pelo menos 14 estelionatos em Porto Alegre
Homem perde veículode R$ 30 mil em golpe pela internet

O indiciado teve prisão preventiva decretada pela Justiça, a pedido da Polícia Civil. Os agentes fizeram buscas em endereços do suspeito. Mas Assunpção não foi encontrado e continua foragido. Uma das hipóteses, segundo a delegada Áurea Regina Hoeppel, da 6ª Delegacia de Polícia, é que ele esteja em algum município do Interior.

— Continuamos as buscas. Mas estamos fazendo a nossa parte, reunindo provas em 26 inquéritos. Já encaminhados 20 à Justiça. Ele será indiciado em todos por estelionato. Para nós está comprovado que ele enganou essas pessoas e tirou vantagem financeira delas — afirma a delegada.  

A polícia também indiciou em parte dos inquéritos um homem e uma mulher, que teriam participação no esquema. Os nomes deles não foram divulgados. Ainda conforme a delegada, as vítimas eram convencidas a assinar a documentação, que permitia ao empresário vender o veículo para uma terceira pessoa. De posse desse documento, Assunpção teria vendido os automóveis, sem repassar o pagamento para os donos. Os carros têm valores que vão de R$ 20 mil até cerca de R$ 100 mil.

Dono de revenda investigado por estelionato na zona sul da Capital
Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Depois da primeira ocorrência, registrada em junho na Polícia Civil, o proprietário da revenda chegou a ser ouvido. Na época, o caso não era tratado como estelionato. Conforme a delegada, no depoimento ele alegou que estava passando por dificuldades financeiras e se comprometeu a resolver a situação com o dono. Em junho e julho, o número de registros foi aumentando. Segundo a delegada, Assunpção não foi mais localizado para prestar esclarecimentos:

— Não havia, até então, outras ocorrências que pudessem desencadear investigação ou indiciamento por estelionato.

No fim de junho, quando era pressionado pelos proprietários dos veículos a fazer os pagamentos, Assunpção fechou a revenda e não foi mais encontrado. O pátio onde funcionava a loja foi esvaziado. GaúchaZH tentou contato com dois telefones (fixo e móvel) cadastrados em nome da empresa, mas estão desligados.

— Estamos tentando localizar alguns veículos ainda. As pessoas compraram na boa-fé, sem saber que era fruto de um golpe. Agora a propriedade desses automóveis precisará ser discutida na Justiça — afirmou a delegada.

O golpe

- O proprietário deixava o veículo na revenda. Logo após, algumas vezes até no mesmo dia, era informado de que o automóvel foi vendido.

- O dono era convencido a assinar o documento que autorizava a transferência de propriedade do veículo, mesmo antes de receber o valor pela venda. Com isso, o suposto golpista podia vender o carro para outra pessoa.

- Sem receber o pagamento pela venda, a vítima retornava até a revenda. Neste momento, descobria que a empresa não existia mais e se dava conta do golpe.

Cuidados para não cair

OUTROS CASOS
Mulheres enganadas desmascaram falso agente federal que conquistava vítimas para aplicar golpes
“Ele saía de casa todo dia como policial”, conta mulher que teve filha com homem investigado por se passar por agente federal
Golpe dos nudes: homem perde R$ 18 mil após ser extorquido por estelionatária

- Se deixar o carro em loja, pesquise antes o histórico da empresa, em sites de reclamações e defesa do consumidor.

- Exija assinatura de contrato para a venda consignada.

- Só entregue ou transfira o bem negociado depois da confirmação do pagamento.

- Não faça depósitos, transferências ou pagamentos para desconhecidos.

- Se for vítima de golpe ou de tentativa, procure a polícia e registre ocorrência.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros