Empresário admite ter lesado clientes ao não entregar casas pré-fabricadas em 10 cidades do RS - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Só no papel10/09/2019 | 13h47

Empresário admite ter lesado clientes ao não entregar casas pré-fabricadas em 10 cidades do RS

Pelo menos 15 pessoas afirmam ter sido vítimas da empresa, cujo nome que constava na fachada era Bella Vista

Empresário admite ter lesado clientes ao não entregar casas pré-fabricadas em 10 cidades do RS Robinson Estrásulas/Agencia RBS
Cenira Fagundes Aires, 53 anos, foi uma das vítimas da empresa Foto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

Problema na administração foi a justificativa dada pelo dono de empresa que vendia casas pré-fabricadas, mas não as entregava. Altemir Cardoso Lopes, 56 anos, é o proprietário da construtora que até cerca de cinco meses funcionava na Avenida Bento Gonçalves, no bairro Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre. Pelo menos 15 pessoas de todo o Estado afirmam ter sido vítimas da empresa, cujo nome que constava na fachada era Bella Vista.

Sentado no corredor da 15ª delegacia de polícia da Capital, onde esperava para prestar depoimento, o empresário conversou com a reportagem. Disse que nunca teve a intenção de lesar os compradores, mas admitiu que não cumpriu contratos. Quantas moradias deixou de entregar ele não sabe precisar.

Leia mais
Homem que se passava por agente da Polícia Federal e aplicava golpes é denunciado pelo MPF
Dono de revenda de veículos é procurado por pelo menos 14 estelionatos em Porto Alegre
Golpe dos nudes: homem perde R$ 18 mil após ser extorquido por estelionatária
Empresa da Capital é investigada por lesar 14 vítimas que compraram casas, mas não receberam

— São muitas. Mas nunca tive a intenção de lesar ninguém. Foi problema  de administração. O que eu quero é trabalhar para concluir as obras — afirma.

O caso foi divulgado por GaúchaZH nesse domingo (8). Conforme o delegado Cesar Carrion, há contratos de pessoas que fecharam negócio com a empresa em 2017 e, desde então, esperam pelas moradias. As quantias nas quais as vítimas foram lesadas variam de R$ 4,5 mil até R$ 30 mil. Somado, o prejuízo total causado pelos suspeitos é de R$ 205,9 mil.

Segundo Altemir, o dinheiro que ele recebia de um comprador, utilizava para construir casas que já havia sido vendidas:

— E virou uma bola de neve.

Uma das pessoas que procuraram a polícia é Cenira Fagundes Aires, 53 anos, moradora do bairro Cristal, na Capital. Ela pagou R$ 6,4 mil por uma casa em Magistério, no Litoral. O contrato foi fechado em fevereiro deste ano, mas a obra nunca teve início. 

— Ele (Altemir) marcava de ir para Magistério, a gente ia e ele não — desabafa.

No site da Receita Federal, o endereço no qual está cadastrado o CNPJ que aparece nos contratos das vítimas fica em Viamão e não no bairro Lomba do Pinheiro, onde as pessoas garantem ter fechado negócio. Segundo o investigado, o local seria sede de uma madeireira, que ele administrou até 2014. Três anos depois, alega ter usado o mesmo CNPJ para abrir a construtora, ainda que tenha mudado o local da sede e a natureza da atividade.

Além de Altemir, um casal é apontado pelas vítimas como responsáveis pela construtora. Os dois também foram ouvidos nesta segunda (9).  Eles alegam ter se apresentado à 15ª DP depois de ter lido a matéria em GaúchaZH.

— Não sou mal intencionado, tanto que vim sem advogado — afirma Altemir. 

 — Entregamos as intimações, nada de espontâneo — alega o delegado Carrion. 

O outro homem ouvido ontem disse que apenas trabalhava na Bella Vista. Já a mulher é proprietária de uma construtora, com sede em outro endereço de Viamão. Ela diz que empregou Altemir depois do fechamento da Bella Vista “para ajudá-lo”. 

A sede da Bella Vista, de acordo com Altemir, foi fechada porque ele não conseguia trabalhar sendo vítima de constantes ameaças:

— Como vou construir as casas se estiver preso? 

Questionado porque não devolve os valores às vítimas, alegou:

— Não temos como pagar — respondeu. 

 Suspeito diz ter sofrido agressões 

Além dos problemas administrativos, Altemir citou diversas vezes que vinha sofrendo ameaças. Disse que não procurou a polícia antes para registrar os casos porque entendia a raiva das vítimas. 

— As pessoas têm razão. Preciso terminar as obras. Quero resolver — garante. 

Ele contou ter decidido procurar a polícia no último dia 29. Altemir disse que estava sozinho na construtora em que trabalha, em Viamão, quando um homem teria se passado por cliente para, depois, agredi-lo. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 09/09/2019Altemir Cardoso Lopes, suspeito de fraudes com construtura de imóveis
Altemir mostra marcas no braçoFoto: Marco Favero / Agencia RBS

— Disse: “não vai mais lograr ninguém”, para depois começar a me bater. Fiquei dois dias no hospital — alega o suspeito. 

Aos policiais, Altemir e o casal apontado pelas vítimas como responsáveis pela Bella Vista contaram que, com medo das ameaças constantes, a empresa de Viamão teria fechado as portas. 

— Não quero deixar ninguém mal, mas preciso de prazo — afirmou. 

Altemir garante que a prova de que não estaria mal intencionado é que  tem comparecido às audiências na Justiça. Vítimas ouvidas pela reportagem contaram que ele não esteve no Judiciário.

— Não fui naquelas que não recebi intimação. A sede da construtora está fechada. Me procuram lá — alega.

Tome cuidado

  • Antes de fechar negócio, é importante consultar o Procon para saber se a empresa tem histórico de reclamações. 
  • Pesquisar pelo nome do estabelecimento em sites como Reclame Aqui e procurar as páginas da empresa nas redes sociais podem evitar que seja vítima de golpe. Clientes lesados costumam se manifestar nesses locais. 
  • Não pague integralmente. A orientação é dar uma entrada, e quitar o resto do valor apenas na entrega da casa. 
  • Caso se sinta lesado, procure a Polícia Civil.
 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros