Mensagens importunas, ameaças e agressões: como identificar um caso de stalking  - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Perseguição05/09/2019 | 21h48Atualizada em 05/09/2019 | 21h48

Mensagens importunas, ameaças e agressões: como identificar um caso de stalking 

Secretaria da Segurança Pública (SSP) promoveu seminário para capacitar servidores

Mensagens importunas, ameaças e agressões: como identificar um caso de stalking  Omar Freitas/Agencia RBS
Uma estudante de 19 anos precisou procurar a polícia para pedir ajuda Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Receber mensagens importunas, ser perseguido e vigiado, receber ameaças e sofrer agressões. Essas etapas fazem parte da escalada da violência do stalking, termo que pode ser traduzido de forma literal do inglês como "perseguição".  Moradora de Porto Alegre, Joana*, 19 anos, passou por algumas dessas situações há dois anos quando resolveu terminar um relacionamento que durava quase cinco meses. E o ex-namorado, que nunca havia dado qualquer traço de ciúme mais intenso, se transformou. 

Leia mais
Operação de combate à violência contra mulher cumpre mais de 100 mandados no RS
Projeto de estudantes de Sapiranga sobre violência contra a mulher será apresentado em Roma
Polícia Civil recebe imóvel onde será instalada delegacia para vítimas de crimes de intolerância em Porto Alegre
Casada, mãe e alvo de violência doméstica: o perfil das vítimas de feminicídio no RS

Durante um mês, a estudante recebeu mensagens do tipo "te amo, mas se tu não responder, te odeio". Depois, passou a ser perseguida e chegou a ter fotos íntimas expostas. Essas ações  levaram a adolescente, na época, a procurar ajuda. Ela contou o que vinha acontecendo para os pais, que a levaram ao Palácio da Polícia e registraram boletim de ocorrência contra o ex-namorado. Joana recebeu uma medida protetiva.

— Meus pais me aconselharam a prestar queixa contra ele. A delegada solicitou uma medida protetiva, pois entendeu que ele estava perturbando a minha tranquilidade — conta Joana.

Durante 30 dias, a estudante teve de parar de frequentar locais e chegou a abrir mão de uma viagem.

— Minha vida era casa, estudo e trabalho. De um lugar, para o outro. Meus pais me ligavam de hora em hora para saber onde eu estava. Eu me privei por um bom tempo em virtude do medo.

Após a medida protetiva ter sido concedida, o ex-namorado mandou mensagens, nas quais xingava a jovem e a mãe dela. Desde então, a vítima e o homem não tiveram mais contato, exceto pelas vezes em que se cruzaram na rua. Apesar disso, a estudante continua tomando alguns cuidados.

— É uma preocupação a mais que a gente tem. Tu não sabe o que uma pessoa dessas pode fazer. Se já fez comigo, pode fazer com a minha família também. Precisamos redobrar a nossa atenção — conta.

Tema abstrato

Por ser uma questão subjetiva, o stalking muitas vezes passa despercebido entre as vítimas. Conforme a delegada Viviane Viegas, diretora da Divisão de Políticas Públicas de Segurança Pública e diretora adjunta do Departamento de Planejamento e Integração (DPI), muitas pessoas não fazem o registro da ocorrência nas delegacias especializadas. Segundo ela, o limite entre um fato cotidiano e um que mereça ser intercedido por ação penal ou civil é tênue.

— O limite é baseado em quatros pontos: o risco, a reincidência, a persistência e o elemento fundamental que é o medo e a insegurança, que podem gerar danos psicológicos. O último elemento pode mudar de forma brusca a vida da pessoa. Seja com uma mudança de rota para voltar para casa ou então fazer a pessoa deixar de frequentar certos lugares em virtude do pavor.

Como é um tema abstrato, o combate ao stalking também não é fácil. Segundo a delegada Viviane Viegas, a vítima tem de criar mecanismos para proteger a própria privacidade. 

Leia mais
"Para mim, foi um herói", diz Bárbara Penna sobre idoso morto ao tentar salvar crianças de incêndio 
Homem condenado por morte dos filhos poderá pedir progressão da pena em cerca de cinco anos
Justiça condena a 28 anos de prisão homem que matou filhos e tentou assassinar a ex em incêndio em Porto Alegre

— Esse tipo de coisa não se aplica apenas a quem é "stalkeado", mas também a qualquer tipo de pessoa. Temos de ter esse cuidado.

A recomendação da Polícia Civil é que sempre haja a documentação da ocorrência baseada em uma ameaça crível, ou seja, que cause dano a pessoa, seja físico ou psicológico. Baseados nesses registros, algumas medidas protetivas já estão sendo concedidas em virtude da perseguição obsessiva. A delegada Tatiana Bastos, diretora da Divisão de Proteção e Atendimento à Mulher, afirma que os problemas são as penas:

— O fato de não ter tipificação penal não prejudica o atendimento e a investigação dos fatos. O que prejudica é a punição, pois as penalidades que temos previstas são muito brandas para, muitas vezes, a gravidade dessas condutas.

A Delegacia da Mulher vem elaborando um estudo sobre os casos de stalking em Porto Alegre. Estima-se que, na Capital, exista de 9 mil a 10 mil ocorrências por ano, mas os dados oficiais devem demorar a ser divulgados, pois é preciso fazer uma análise qualitativa e manual.

— Precisamos olhar cada ocorrência e ver o que configura o stalking e o que não. É uma análise qualitativa e manual, praticamente um trabalho artesanal — conforme a delegada Tatiana.

Ainda não existe a criminalização da ação no Brasil. Por isso, os episódios de stalking são tipificados como delito de perturbação da tranquilidade. A pena varia de prisão entre 15 dias a dois meses, ou multa. Em alguns casos, as condutas também podem ser enquadradas como ameaça ou injúria, mas a legislação ainda não prevê crime específico para abarcar estas situações. Os casos podem atingir qualquer tipo de pessoa, mas a maioria das vítimas é de mulheres jovens. Esses tipos de ataques podem se caracterizar como delitos abrangidos pela Lei Maria da Penha, por conta da vulnerabilidade em razão do gênero. 

— Como delegada que despacha há quase 10 anos na Deam, posso te garantir que o stalking é uma das condutas que mais antecede o feminicídio. Isso mostra a gravidade e mostra o perfil do agressor, que dedica a sua vida para perseguir a vítima — salienta a delegada Tatiana.

Um procedimento introduzido em dezembro foi a implementação de um questionário de avaliação de riscos para as mulheres. A partir disso, a polícia consegue mensurar quais atitudes tomar a partir da narrativa contada pela vítima. Desde então, conforme Tatiana, nenhum feminicídio íntimo — quando a morte acontece em ambiente doméstico — foi registrado em Porto Alegre. Até a implantação da enquete, em 17 de dezembro do ano passado, o número era de 17 mortes de mulheres por questões de gênero na Capital. 

Pensando na introdução do questionário em outras delegacias, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) promoveu um seminário, que aconteceu na última semana, e teve a participação de 120 agentes das Polícias Civil e Militar, técnicos do Instituto-Geral de Perícias (IGP) e da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), além de Guardas Municipais de Viamão, Alvorada e Porto Alegre, para mostrar e explicar as questões.  

Além disso, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou, no último dia 14, projetos que endurecem a punição para a prática do stalking. Se não houver recurso, os textos serão remetidos para apreciação da Câmara dos Deputados. Fora do Brasil, a prática já foi criminalizada por pelo menos seis países. A Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) recomenda que os países adotem medidas para criminalizar as condutas que configurem ameaças repetidas a outras pessoas, podendo lhes causar medo ou insegurança. 

* O nome é fictício

Países que criminalizaram o stalking

Estados Unidos (1991)
Reino Unido e Irlanda (1997)
Bélgica (1998)
Holanda (2000)
Áustria (2006)
Portugal (2015)

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros