Operação da polícia mira facção que extorque comerciantes em Porto Alegre - Polícia

Versão mobile

 
 

Crime organizado06/09/2019 | 17h32

Operação da polícia mira facção que extorque comerciantes em Porto Alegre

Mais de 250 agentes realizam buscas em 58 locais e tentam capturar 18 pessoas

A 17ª Delegacia de Polícia Civil de Porto Alegre desencadeou na manhã desta sexta-feira (6) uma das maiores ações contra o crime organizado este ano. Os alvos são autores de extorsões sistemáticas realizadas contra comerciantes no centro da Capital.

Mais de 250 agentes realizam buscas em 58 locais de Porto Alegre e da Região Metropolitana e tentam capturar 18 pessoas, que tiveram as prisões temporárias deferidas pela Justiça. Todos são suspeitos de ligação com a facção criminosa Bala na Cara — alguns, inclusive, já estão em presídios e serão notificados, na cadeia, do novo mandado a cumprir.

Um dos chefes da facção, com mandado de prisão emitido agora, foi capturado há poucos anos no Paraguai e está recluso numa cela na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc). Mesmo assim, teria centralizado cobrança de "pedágio" ao comércio porto-alegrense.

Leia mais
Comerciantes do centro de Porto Alegre relatam extorsões de até R$ 400 por semana
VÍDEO: incêndio em galeria no centro de Porto Alegre foi represália de facção

Os mandados são cumpridos na Grande Porto Alegre. São procurados criminosos e também locais de armazenamento de armas, drogas e produtos contrabandeados. Há relatos inclusive de que alguns locais revistados são utilizados para tortura de desafetos da facção.

A operação é comandada pelo delegado Juliano Ferreira, da 17ª DP, com apoio do Grupamento de Operações Especiais (GOE) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil. A ação é uma resposta à queixa de ambulantes, vendedores de frutas e lojistas do Centro contra achaques sofridos por parte da facção, que exige monopólio na arrecadação de propina.

Investigação

A investigação confirmou que as extorsões começaram há mais de três anos, inicialmente a prostitutas, flanelinhas e ladrões que atuavam na região. Todos eram obrigados a pagar "pedágio" ao grupo criminoso.

Depois, os bandidos começaram a cobrar de ambulantes e, no ano passado, passaram a extorquir lojistas. O delegado conseguiu confirmar 10 casos, mas acredita que são centenas de comerciantes ameaçados semanalmente.

— Não existe extorsão sem vítima, e peço que elas sigam até a 17ª DP para registrar ocorrência. Só assim vamos coibir esse crime — disse Ferreira, que estima que o grupo tenha lucrado mais de R$ 80 mil por mês com as extorsões no último ano (ouça abaixo).

Até as 10h, oito pessoas haviam sido presas, além de sete que foram detidas durante a investigação. Os mandados foram cumpridos na Capital e em Viamão, onde uma pessoa foi localizada portando um fuzil e uma pistola.

Em um dos locais, no centro de Porto Alegre, a polícia fechou a calçada e isolou a Voluntários da Pátria por alguns minutos para arrebentar a porta e uma galeria utilizando um carro e um cabo de aço. O delegado diz que o prédio é usado pela facção para guardar armas e produtos roubados.

Ouça a entrevista do delegado:


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros