Advogado é preso pela BM por resistir à prisão e oferecer propina a policiais em Porto Alegre - Polícia

Vers?o mobile

 
 

Desacato25/11/2019 | 08h08

Advogado é preso pela BM por resistir à prisão e oferecer propina a policiais em Porto Alegre

Homem, abordado em ação na orla de Ipanema, é diretor de futebol feminino do Inter e teria se apresentando como conselheiro do clube aos PMs, conforme registro em ocorrência

O advogado Cesar Martins Schunemann, 38 anos, que é diretor de futebol feminino do Inter, foi preso na noite de sábado (23), na zona sul de Porto Alegre, depois de supostamente ter chamado policiais militares de "filhos da puta" durante uma abordagem e oferecido dinheiro para não ser preso.

Conforme registro em ocorrência da Brigada Militar (BM), o homem aparentava "sinais de embriaguez" e, no trajeto para o plantão da Polícia Civil, teria oferecido dinheiro aos PMs para ser solto. Acabou preso em flagrante por corrupção ativa, desobediência, resistência à prisão e desacato, e foi levado ao Presídio Central de Porto Alegre por não ter pago a fiança de R$ 10 mil. 

O flagrante feito pela Polícia Civil ainda será analisado pela Justiça. Ele pode ser homologado ou não. 

O incidente ocorreu durante uma operação da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE) na Orla de Ipanema, com apoio da BM. Schunemann estaria com sinais aparentes de embriaguez e, ao ser abordado, teria tentado morder um PM, conforme consta em ocorrência. Ele teria se negado a se identificar e então recebeu voz de prisão. A caminho da delegacia, conforme consta da ocorrência, teria se identificado como conselheiro do Inter e dito que "podia acertar ali mesmo", pois tinha dinheiro. 

Na 6ª Delegacia da Polícia Civil, teria xingado também o policial plantonista, segundo está registrado. O caso foi levado para a 2ª Delegacia de Polícia de Pronto-Atendimento, onde a delegada Andrea Nicotti fez o flagrante.

Conforme registro da BM, enquanto era levado para exame de corpo de delito no Departamento Médico Legal, ele "ameaçou os policiais dizendo que iria tirar eles da Brigada Militar, pois tem contatos e influência para isso. Indivíduo se manteve alterado durante toda apresentação da ocorrência, chutando as portas e dando socos nas janelas da DPPA".

GaúchaZH apurou que Schunemann teria alegado que foi agredido por PMs. Na manhã deste domingo (24), ele permanecia no Presídio Central, conforme informação da Superintendência dos Serviços Penitenciários.

O flagrante foi acompanhado por um representante da Defensoria Pública, conforme a polícia, e pela mulher de Schunemann, que não quis falar com GaúchaZH. Em nota, a Defensoria afirma que prestou atendimento a Schunemann "e realizou o pedido de liberdade, que deferido pela juíza de plantão horas mais tarde. O assistido responderá em liberdade."

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros