Brenda estava empolgada com matrícula em nova escola, diz tia de jovem que morreu atropelada em Porto Alegre - Polícia

Versão mobile

 
 

Sonho interrompido15/01/2020 | 10h33

Brenda estava empolgada com matrícula em nova escola, diz tia de jovem que morreu atropelada em Porto Alegre

Estudante, de 19 anos, estava com a mãe quando as duas foram atingidas por um veículo na Avenida Aparício Borges

Uma menina reservada e que estava empolgada com a bolsa de estudos que ganhou para cursar o Ensino Médio em uma escola particular de Porto Alegre. Assim é descrita Brenda Gabriele Vargas Carrales, 19 anos, que morreu após ser atingida por um carro na Avenida Aparício Borges, no bairro Glória, na noite desta segunda-feira (13).

A jovem e a mãe, que também foi atropelada e está hospitalizada com fratura nas duas pernas, saíram do Vettorello, colégio social da Rede Marista totalmente gratuito para quem comprova renda familiar mensal máxima de um salário mínimo e meio por pessoa, logo após fazerem a matrícula de Brenda. A vítima, segundo a polícia, foi projetada a quase 40 metros devido ao impacto. O motorista fugiu do local sem prestar socorro.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL,14/01/2020- Acidente: Brenda e sua mãe Cátia foram atingidas por um carro na Avenida Aparício Borges e o condutor fugiu sem prestar socorro. Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal<!-- NICAID(14386366) -->
Brenda tinha 19 anos e morava com a mãe e os irmãos no bairro NonoaiFoto: Elis Regina Vargas Figueira / Arquivo Pessoal

A tia da jovem, Elis Regina Vargas Figueira, 40 anos, diz que Brenda não costumava falar muito, conversava mais com a mãe, Cátia Silene Vargas Moreira, 42 anos, e que estava focada em encontrar uma profissão. As duas saíam do colégio, onde a estudante havia se matriculado a partir de um projeto social que abre espaço para formação pessoal e profissional de pessoas de baixa renda.

Brenda havia cursado o Ensino Fundamental no Colégio Estadual Elpídio Ferreira Paes, no bairro Cristal, na Zona Sul. A jovem, que morava com a mãe e os três irmãos no bairro Nonoai, não trabalhava e ajudava a tia a cuidar das primas pequenas.

— Ela cuidava das minhas filhas, de dois e seis anos. A de dois anos não dormia sem a presença da Brenda. Elas eram muito apegadas — lembra Elis.

A mãe da jovem está internada no Hospital de Pronto Socorro (HPS) e deve ficar ao menos 15 dias no local. Segundo a irmã, ela teve três fraturas em uma das pernas e fratura exposta na outra. A mulher passou por cirurgia e colocará placas e pinos.


O acidente

O acidente aconteceu por volta das 22h, quando um veículo trafegando no sentido Sul-Norte subia a Avenida Aparício Borges e atingiu mãe e filha, que atravessavam a faixa de segurança, próximo à esquina com a Avenida Oscar Pereira. Conforme as primeiras informações da polícia, o sinal de pedestres estava fechado no momento do atropelamento.

— A Cátia ficou sentada no chão, com as pernas quebradas, em cima da faixa de segurança, e a minha sobrinha foi projetada para vários metros em direção à (Avenida) Oscar Pereira — conta Elis.

Ainda segundo informações iniciais, após o motorista fugir sem prestar socorro, um grupo de motoboys perseguiu o carro e anotou a placa, repassando-a à Brigada Militar. Moradores auxiliaram Cátia Silene e tentaram socorrer Brenda, mas ela morreu no local.

De acordo com duas testemunhas, o veículo que atingiu mãe e filha era um Chevrolet Onix, de cor prata.

Conforme o titular da Delegacia de Homicídios de Trânsito, delegado Carlo Butarelli, a perícia inicial calculou que Brenda foi projetada a uma distância de 39 metros e, com isso, será possível ter uma ideia aproximada da velocidade do automóvel. Não se descarta que o veículo estivesse a pelo menos 80 km/h.

— Estamos focando agora em ouvir testemunhas, ouvir a mãe da menina, e na análise de imagens. Nós já conseguimos uma câmera que flagrou o acidente, no mínimo o veículo, que seria um Onix, e vamos apurar agora — afirma Butarelli.

Dependendo da análise, o motorista pode ser enquadrado por homicídio culposo, sem intenção, com agravante da fuga, ou homicídio com dolo eventual, ao assumir o risco, por exemplo, de dirigir em alta velocidade, embriagado ou sem licença, além da fuga.

Nota de pesar do Colégio Marista Vettorello

"É com profundo pesar que a comunidade pedagógica do Colégio Marista Vetorello comunica o falecimento de Brenda Carrales, jovem que estava em processo de matrícula e foi vítima de um acidente de trânsito ocorrido na noite de 13 de janeiro, quando fazia o trajeto entre a escola e sua casa com a mãe, Cátia Moreira. O Colégio se mantém à disposição para auxiliar as autoridades com informações que possivelmente sejam necessárias para apurar o caso. Acima de tudo, nos solidarizamos com familiares e amigos da Brenda neste momento de profunda dor e nos unimos em oração pela recuperação da Cátia, que está internada no hospital".

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros