Estelionatários se passam por atendentes de agências bancárias e aplicam golpe por telefone em São Leopoldo - Polícia

Versão mobile

 
 

Vale do Sinos31/03/2021 | 07h00Atualizada em 31/03/2021 | 07h00

 Estelionatários se passam por atendentes de agências bancárias e aplicam golpe por telefone em São Leopoldo

Principais vítimas são idosos que estão em isolamento social  

GZH
GZH

A Polícia Civil investiga o aumento no número de ocorrências de um golpe contra idosos em São Leopoldo, na Região Metropolitana. Estelionatários estariam ligando para a casa das vítimas afirmando serem atendentes de agências bancárias. Após ganhar a confiança dos idosos, um falso funcionário de banco retira o cartão bancário na casa da vítima. Até o momento, seis investigações estão em andamento pela 1ª Delegacia de Polícia da cidade. 

Uma idosa de 66 anos, moradora de São Leopoldo, foi vítima dos golpistas no dia 16 de março. Eles entraram em contato afirmando que havia sido realizada uma compra no valor de R$ 2,7 mil e que possivelmente o cartão teria sido clonado: 

Leia mais
Presa mulher que se passou por integrante de equipe de vacinação para assaltar idosa dentro de casa em Porto Alegre
Trio é preso por aplicar golpes para furtar cartões bancários em Bento Gonçalves
Perfil falso e digitais verdadeiras: como a polícia desvendou assalto de entregador de app a casa na zona sul de Porto Alegre

— Na hora eu fiquei apavorada porque realmente havia aquele valor na conta. Me disseram que para cancelar a compra seria necessário que eu passasse os dados do meu marido, que é o titular. Então eu passei o CPF, o número do cartão e a senha. Depois, me instruíram a cortar o cartão ao meio, colocar em um envelope e entregar a uma funcionária do banco, que retiraria o cartão na minha casa. Na hora eu fiquei tão nervosa que acreditei que tinham clonado o cartão. Foi como se a conversa deles tivesse me hipnotizado — contou a aposentada, que preferiu não se identificar.  

De acordo com a vítima, ela chegou a questionar por telefone se não seria necessário cortar a parte do chip no cartão, mas os golpistas afirmaram que o chip precisava ficar intacto: 

— A atendente que estava falando comigo disse que o chip precisava estar inteiro para que a polícia conseguisse identificar onde a compra foi feito e realizar o estorno. Quando eu me dei conta de que havia caído em um golpe, eles já tinham sacado R$ 3 mil que estavam na conta do meu esposo. Aqui na minha rua, eu soube de outras três pessoas que foram vítimas do mesmo golpe. 

De acordo com a delegada Cibelle Savi, titular da 1ª Delegacia de Polícia de São Leopoldo, pelo menos uma vez por dia um caso desse tipo tem sido registrado. Segundo a polícia, a organização dos golpistas chama atenção:

Leia mais
Coronel Mohr deixa comando-geral da BM nesta semana; atual subcomandante assumirá o cargo
Como o retorno de três líderes de facções de prisões federais tem impactado na criminalidade de Porto Alegre
Suspeito preso por esquartejar mulher em Canoas teve progressão de regime por falta de vagas em presídios

— Eles fazem questão de escolher pessoas que estão em isolamento social e que tem evitado ir até as agências bancárias. Além disso, eles têm cuidados como não parar com os carros próximos das casas das vítimas, usam nomes falsos nos crachás e os carros utilizados são alugados — explicou a delegada.  

De acordo com a delegada, a polícia está analisando imagens de câmeras de segurança e tentando identificar suspeitos a partir das informações que são repassadas pelas vítimas. 

Dicas para não cair em golpes

  • Não forneça seus dados pessoais para desconhecidos na internet ou por telefone.   
  • Caso você receba alguma ligação de qualquer loja, instituição financeira ou administradora de cartão de crédito, dizendo que seu cartão foi clonado, ou querendo que você confirme alguma compra que você não tenha feito, procure a sua agência bancária ou faça contato com o seu gerente de conta.  
  • Jamais entregue o seu cartão a alguém.  
  • Nenhuma Instituição Financeira ou administradora de cartões de crédito envia pessoas nas residências dos clientes para recolher cartões clonados. 
  • Se for vítima, registre o caso na polícia. É possível fazer isso por meio da Delegacia Online.    
  • Baixe o aplicativo PC alerta da Polícia Civil, onde pode conferir os principais golpes aplicados no RS e como se proteger deles.    
  • Alerte seus familiares sobre os principais golpes aplicados.    

Fonte: Polícia Civil do RS 

*Colaborou Kenia Fialho

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros