Polícia prende pai de santo suspeito de abusar sexualmente de mulheres em rituais em Porto Alegre - Polícia

Versão mobile

 
 

Região Metropolitana11/03/2021 | 11h50

Polícia prende pai de santo suspeito de abusar sexualmente de mulheres em rituais em Porto Alegre

O suspeito, que não teve a identidade divulgada, tem 51 anos e é morador da Zona Norte

Polícia prende pai de santo suspeito de abusar sexualmente de mulheres em rituais em Porto Alegre Divulgação / Polícia Civil/Polícia Civil
Homem foi preso nesta noite em Cachoeirinha Foto: Divulgação / Polícia Civil / Polícia Civil

A Polícia Civil prendeu, na noite desta quarta-feira (10), um pai de santo que teria abusado sexualmente de mulheres durante rituais religiosos que praticava em Porto Alegre. Conforme a polícia, pelo menos três mulheres procuraram as autoridades em momentos diferentes e relataram ter sido vítimas de abusos. Segundo elas, o homem usava uma substância que as deixava sonolentas, e então cometia os crimes.

O suspeito, que não teve a identidade divulgada, tem 51 anos e é morador da zona norte da Capital.

De acordo com a delegada Jeiselaure Rocha de Souza, da 1ª Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher da Capital, o agressor foi localizado no bairro Jardim do Bosque, em Cachoeirinha, onde estava escondido. No momento da prisão, ele teria resistido e tentado fugir. O mandado de prisão preventiva havia sido concedido pela Justiça na segunda-feira (8), e o homem estava foragido desde então.

A investigação começou no fim do ano passado. As mulheres têm idades entre 24 e 46 anos, e afirmam que os casos relatados ocorreram nos anos de 2019 e 2020. Conforme o inquérito policial, o homem afirmava que poderia curar doenças durante os rituais. No decorrer das sessões, as vítimas afirmam que o pai de santo lhes oferecia um copo de água com ervas. A bebida as deixava sonolentas, e o homem praticava os abusos, segundo a polícia. O suspeito trazia a infusão pronta de casa.

A delegada afirma que as  investigações seguem em andamento, e que a polícia tenta identificar outras possíveis vítimas que não tenham procurado ajuda por medo ou vergonha.  

— Com as investigações, nós constatamos que ele tinha consciência do que fazia. Algumas vítimas já haviam reclamado para ele das ações e ele seguia os abusos, atribuindo os atos a entidades espirituais. Então, se alguma mulher foi vítima dele, pedimos que procure a delegacia e registre ocorrência para que ele possa responder por todos os crimes que cometeu — disse a delegada.

Qualquer vítima ou pessoa que tiver conhecimento sobre fatos semelhantes pode procurar as equipes, de forma presencial ou pelo WhatsApp (51) 98444-0606.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros