Farmácia clandestina fechada pela polícia em São Leopoldo vendia kits covid - Polícia

Versão mobile

 
 

Vale do Sinos27/04/2021 | 07h00Atualizada em 27/04/2021 | 07h00

 Farmácia clandestina fechada pela polícia em São Leopoldo vendia kits covid

Casal foi preso em flagrante por vender irregularmente medicamentos, alguns deles controlados

 Farmácia clandestina fechada pela polícia em São Leopoldo vendia kits covid Polícia Civil / Divulgação/Divulgação
Ponto de venda de medicamentos sem procedência funcionava em uma casa no bairro Rio dos Sinos Foto: Polícia Civil / Divulgação / Divulgação

A Polícia Civil, com apoio da Vigilância Sanitária, fechou nesta segunda-feira (26) uma farmácia clandestina que funcionava em uma residência no bairro Rio dos Sinos, em São Leopoldo. Um casal foi preso em flagrante. 

Além do local inapropriado para venda e armazenamento dos produtos, bem como sem permissão, os dois detidos não possuem formação na área farmacêutica e vendiam remédios que integram o chamado kit covid-19, um coquetel de medicamentos sem eficácia comprovada contra o coronavírus.

A ação foi coordenada pelo delegado Joel Wagner, da Delegacia do Consumidor do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic). Segundo ele, foram apreendidos pelo menos três kits já montados e dezenas de medicamentos como ivermectina, sulfato de hidroxicloroquina e azitromicina.

Leia mais
Kit covid atrasa ida a hospital e resulta em danos no fígado, alertam especialistas
Vendas de ivermectina crescem 534% e de cloroquina, 119% no RS em 2020
Associação Médica Brasileira volta atrás e condena uso de cloroquina

— Havia kits prontos, mas dezenas desses outros remédios com eficácia não comprovada contra o vírus, acredito que poderia chegar a cem kits se juntassem tudo em coquetéis — explica.

Os responsáveis vão ser autuados por crimes contra relações de consumo, mas Wagner vai autuá-los também por tráfico e associação ao tráfico de drogas devido a vários remédios encontrados no local exigirem prescrição médica por serem psicotrópicos, controlados ou entorpecentes. Havia também vários medicamentos sem procedência, já que em muitos casos não havia nota fiscal.  

O homem de 41 anos e a mulher de 51 anos não tiveram os nomes divulgados. Tráfico de drogas tem pena de prisão de cinco a 15 anos, associação para o tráfico de três a 10 anos e crime contra as relações de consumo, com detenção prevista de dois a cinco anos.   

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros