Operação mira esquema de telentrega de drogas em Gravataí e Cachoeirinha gerenciado a partir do Presídio Central - Polícia

Versão mobile

 
 

Região Metropolitana30/04/2021 | 07h00Atualizada em 30/04/2021 | 07h00

Operação mira esquema de telentrega de drogas em Gravataí e Cachoeirinha gerenciado a partir do Presídio Central

Agentes cumpriram oito mandados de busca e apreensão e cinco de prisão

Um esquema de telentrega de drogas em Gravataí e Cachoeirinha, na Região Metropolitana, foi alvo de uma operação da Polícia Civil no começo da manhã desta quinta-feira (28). Os agentes cumpriram oito mandados de busca e apreensão e cinco de prisão. Três pessoas foram detidas. A investigação aponta que a venda de maconha e cocaína era gerenciada por um homem preso por tráfico de drogas no Presídio Central, integrante de um facção com berço no bairro Bom Jesus, em Porto Alegre.

A apuração iniciou em fevereiro deste ano a partir da apreensão de 58 quilos de maconha e cocaína em Gravataí e do flagrante de um homem fazendo telentrega de drogas. Os agentes descobriram que as duas ocorrências estavam relacionadas ao mesmo esquema criminoso que funcionava nos bairros que fazem limite entre Gravataí e Cachoeirinha.

Segundo o titular da 2ª Delegacia de Polícia de Gravataí, delegado Guilherme Calderipe, os suspeitos escondiam a droga na casa da avó de um dos envolvidos sem ela saber.

Leia mais
"Policiais com desvio de conduta não serão perdoados", afirma novo comandante-geral da BM
Polícia investiga desaparecimento de jovem de 23 anos em Viamão

— É um lugar que não levanta suspeita da polícia e com pessoas que, em tese, não tem nenhuma ligação com o tráfico — explica o policial.

Os usuários solicitavam os entorpecentes por WhatsApp, e a entrega era feita por carros alugados.

— Cada um tinha função bem específica no grupo: o entregador da droga, o que era encarregado de armazenar e o gerente que está preso no Central, onde também cumprimos mandado de prisão. Temos todo o esquema desenhado e isso resultou nessas prisões —detalha o delegado.

A telentrega foi uma modalidade de tráfico que cresceu especialmente durante a pandemia. Conforme o policial, 90% dos flagrantes de venda de entorpecentes em Gravataí e Cachoeirinha envolvem telentrega:

— É raro pegar ponto de tráfico. Muitas vendas são feitas com motocicleta mas principalmente com carro alugado, que chama menos atenção. 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros