Como agia homem preso que se passava por motorista de aplicativo para estuprar passageiras - Polícia

Versão mobile

 
 

Porto Alegre e Região Metropolitana14/05/2021 | 07h00Atualizada em 14/05/2021 | 07h01

 Como agia homem preso que se passava por motorista de aplicativo para estuprar passageiras

Morador da Capital, que usava perfil de outra pessoa no app e já foi reconhecido por três mulheres em Porto Alegre e Alvorada, foi alvo de mais duas investigações em 2019

 Como agia homem preso que se passava por motorista de aplicativo para estuprar passageiras Polícia Civil / Divulgação/Divulgação
Veículo estaciona (na imagem atrás do poste) e agressor e vítima saem do carro no bairro Rubem Berta em Porto Alegre Foto: Polícia Civil / Divulgação / Divulgação

Um homem de 30 anos é investigado por se passar por motorista de aplicativo para estuprar, agredir e roubar uma mulher em Porto Alegre. Ele foi preso preventivamente na segunda-feira (10). O mandado foi cumprido na Penitenciária Estadual de Canoas (Pecan), onde estava detido desde 8 de março por outros dois estupros em Alvorada, na Região Metropolitana.

O morador da Capital, que não teve a identidade revelada, é citado em cinco inquéritos da Polícia Civil – um em Porto Alegre e outros quatro em Alvorada. Em três deles, foi indiciado por estupro. A investigação da Capital está em andamento e, em outro, o procedimento foi arquivado por falta de provas.

Leia mais
Polícia investiga homem por suspeita de abuso sexual de amigas da filha em Cachoeirinha
Gaúchas estão entre mulheres que afirmam ter sido vítimas de empresário em suposto esquema de aliciamento
Saiba como pedir ajuda e denunciar casos de violência contra a mulher

A vítima de Porto Alegre solicitou uma corrida em um aplicativo no começo da manhã de 27 de fevereiro. Assim que ela embarcou no veículo, no bairro Alto Petrópolis, na Zona Norte, percebeu diversas bolsas de mulheres no carro. O homem estava armado, trocou o trajeto da viagem e a levou para o Rubem Berta, onde foi estuprada em um terreno com mato. A mulher sofreu agressões físicas e teve o celular roubado. Após o crime, foi deixada no estacionamento de um supermercado em Alvorada.

— Precisamos cumprir o mandado de prisão, mesmo ele já estando preso. Pois se ele for solto por um dos casos, será mantido na cadeia devido aos outros — explica a titular Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (Deam) de Porto Alegre, Jeiselaure de Souza.

Além da vítima ter reconhecido o homem, a polícia aguarda confronto do material genético da mulher com o do suspeito para formar prova técnica que sustentará o quarto indiciamento. O celular roubado durante o crime foi habilitado pela namorada do investigado.

Por isso é importante jamais fazer corridas fora do aplicativo. E quando fizer no aplicativo, mandar print do trajeto e de informações do motorista para conhecidos. Se aparecerem novos casos, vamos representar pela prisão.

SAMIEH BAHJAT SALEH

Titular da Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (Deam) de Alvorada

— Por enquanto, não sabemos se ela sabe da procedência criminosa do aparelho. É necessário tomar o cuidado de verificar se o motorista está cadastrado antes de embarcar, e gravar a corrida. A vítima sofreu o estupro, violência física e teve seus pertences levados. Como haviam várias bolsas no carro dele, não descartamos que existam outras vítimas em Porto Alegre e em cidades da Região Metropolitana. É importante que as elas procurem a polícia e falem — afirma a delegada.

Em paralelo ao inquérito de Porto Alegre, o homem também foi investigado e responsabilizado pela Deam de Alvorada. Na cidade, foram registradas ocorrências de estupro no final de fevereiro e no começo de março. No primeiro caso, a mulher relatou que foi abusada durante uma corrida fora do aplicativo, o que dificultou a identificação do investigado. Em outro episódio, durante uma viagem feito pelo app, a segunda vítima fez print da tela do celular com as informações do motorista. Foi a partir daí que a polícia descobriu que o homem usava o perfil do tio da namorada no aplicativo para rodar como motorista e sequer tinha Carteira Nacional de Habilitação (CNH). 

Como haviam várias bolsas no carro dele, não descartamos que existam outras vítimas em Porto Alegre e em cidades da Região Metropolitana. É importante que as elas procurem a polícia e falem.

JEISELAURE DE SOUZA

Titular Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (Deam) de Porto Alegre

Ao ser informado, o app excluiu o tio da relação de condutores cadastrados. Se for estabelecido vínculo desse familiar com os crimes, ele também poderá ser responsabilizado. A delegada Samieh Bahjat Saleh, titular da Deam de Alvorada, indiciou o homem, reconhecido pelas duas vítimas, nos dois inquéritos pelo crime de estupro.

— Por isso é importante jamais fazer corridas fora do aplicativo. E quando fizer no aplicativo, mandar print do trajeto e de informações do motorista para conhecidos. Se aparecerem novos casos, vamos representar pela prisão — reforça a titular da Deam de Alvorada.

Em 2019, o homem, que também tem antecedentes por receptação de veículo, foi alvo de outros dois inquéritos em Alvorada. Um deles envolvia uma ex-namorada, e o outro, uma amiga. Em uma das investigações, foi indiciado por estupro, com pedido de prisão enviado ao judiciário, mas ele acabou não sendo detido. O outro procedimento foi encerrado por falta de provas. Em ambos os casos, também foi reconhecido pelas vítimas.

Cuidados ao solicitar corridas por aplicativo:

  • Verifique se o motorista é mesmo que aparece na imagem do aplicativo.
  •  Compartilhe o trajeto com amigos.
  • Faça prints da tela do celular mostrando informações do motorista e do trajeto.
  • Não faça viagens fora de aplicativo com desconhecidos.
  • Se for vítima de estupro, procure imediatamente a Polícia Civil para registro de ocorrência e coleta de prova técnica.
  • Caso conheça alguma vítima de estupro, incentive-a a denunciar.

Fonte: Polícia Civil

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros