Golpistas se passam por dirigente do FC Santa Cruz e pedem dinheiro a jogadores - Polícia

Versão mobile

 
 

Vale do Rio Pardo12/05/2021 | 09h23Atualizada em 12/05/2021 | 09h23

Golpistas se passam por dirigente do FC Santa Cruz e pedem dinheiro a jogadores

Um atleta chegou a depositar R$ 1,3 mil na expectativa de jogar pelo clube

Golpistas se passam por dirigente do FC Santa Cruz e pedem dinheiro a jogadores Reprodução / ResourceSpace/ResourceSpace
Indivíduo promete contrato até dezembro e pede pagamento adiantado da transferência entre federações Foto: Reprodução / ResourceSpace / ResourceSpace

Golpistas estavam se passando por dirigentes do Futebol Clube Santa Cruz, do Vale do Rio Pardo, para realizar falsas negociações com jogadores. Um atleta chegou a depositar R$ 1,3 mil para um indivíduo que se apresentava como "gerente" do clube.

Nas conversas, a pessoa pede para que o jogador envie o DVD com as melhores jogadas e solicita mais detalhes sobre contratos atuais. O golpista convence o atleta sobre as vantagens de jogar pelo Santa Cruz, falando da visibilidade que disputar a Segunda Divisão do Campeonato Gaúcho trará.

O indivíduo, que se apresenta como Serginho, promete contrato até dezembro, cita números de treinos e refeições diárias, negocia passagens aéreas e pede o pagamento adiantado da transferência entre federações. As mensagens partem de um número de DDD 71.

O presidente do Santa Cruz, Tiago Rech, conta que ficou sabendo por um empresário que o nome do clube estava sendo usado para golpes.

— Um empresário me ligou perguntando se nós estávamos contratando, pois alguém havia feito contato direto com dois jogadores dele. Acredito que o golpista seja ligado ao futebol e que pega na Internet fotos e nomes, pois, de fato, nós temos um Serginho (Sérgio Luis Lima Vieira), que é o nosso gerente de futebol — explica.

Assim que o clube publicou o alerta nas redes sociais, o atleta que havia depositado o valor para o falso dirigente entrou em contato e mostrou as conversas.

— Uma tristeza ver pessoas se aproveitando de um sonho dos atletas para se favorecerem assim — diz Rech.

De acordo com o presidente, o funcionário e o jogador que chegou a realizar o pagamento registraram boletins de ocorrência.

Em 2020, houve relatos de golpes semelhantes nos quais os criminosos se passavam por dirigentes e treinadores de Lajeadense, Tupi e Guarany, de Bagé.

Cuidados

Segundo a Polícia Civil, a maioria desses golpes visa, de maneira geral, a capturar informações pessoais das vítimas e, com isso, cometer outros delitos ou conseguir valores em dinheiro. Para isso, os golpistas podem pedir até mesmo informações sobre contas bancárias e cartões de crédito. A orientação é ficar atento e não repassar dados por telefone ou internet. Outra dica importante é alertar os conhecidos sobre os golpes existentes. Caso a pessoa seja vítima, é preciso registrar o crime. Para isso, pode ser usada a Delegacia Online da Polícia Civil.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros