Preso confessa que matou merendeira porque ela chorou e se encolheu, dificultando roubo de celular - Polícia

Versão mobile

 
 

 Polícia Civil19/05/2021 | 07h00Atualizada em 19/05/2021 | 07h00

Preso confessa que matou merendeira porque ela chorou e se encolheu, dificultando roubo de celular

Criminoso foi detido na zona sul de Porto Alegre. Comparsa do assalto ocorrido em parada de ônibus em abril foi localizado semana passada

Preso confessa que matou merendeira porque ela chorou e se encolheu, dificultando roubo de celular Eduardo Paganella / Agência RBS/Agência RBS
Latrocínio da merendeira, na frente do filho de 16 anos, ocorreu na Avenida Toledo Piza no dia 16 de abril deste ano Foto: Eduardo Paganella / Agência RBS / Agência RBS

A Polícia Civil divulgou nesta terça-feira (18) a prisão dos dois homens que confessaram envolvimento no latrocínio da merendeira Suzette Scheffer, 41 anos, ocorrido dia 16 de abril em uma parada de ônibus no bairro Sarandi, zona norte de Porto Alegre. A vítima estava acompanhada do filho, que não se feriu. Um dos ladrões foi detido semana passada, mas o fato não havia sido divulgado para não prejudicar a localização do autor do tiro. Ele, que foi preso no bairro Restinga, disse aos agentes que só atirou porque a vítima começou a chorar, encolhendo o corpo, o que dificultou a retirada do celular.

Leia mais
Polícia busca imagens de assassinos de merendeira no bairro Sarandi
"Sempre com um sorriso no rosto, ajudava os vizinhos e os alunos da escola", conta irmã de merendeira assassinada no bairro Sarandi
Mulher é morta a tiro na frente do filho de 16 anos durante assalto no bairro Sarandi, em Porto Alegre

O depoimento do criminoso foi confirmado pela delegada Laura Lopes, que está respondendo pela 12ª Delegacia da Capital. Segundo ela, o homem tem 19 anos, antecedentes por tráfico de drogas. Ele não teve o nome divulgado. A prisão é temporária, mas ela está solicitando à Justiça, pela segunda vez, a prisão preventiva do preso. Laura explica que, mesmo após a vítima ter iniciado a chorar, ela não reagiu e estava entregando o telefone até ser baleada.

— Ele contou tudo normalmente, agindo a sangue frio. Confessou que teve dificuldade de tirar o celular porque a vítima se desesperou, mas sem movimentos bruscos, apenas começou a chorar, encolhendo o corpo. Ele disse, simplesmente, que não conseguia pegar o aparelho, então atirou friamente — ressalta Laura.

Comparsa

Suzette Scheffer (foto) deixa três filhos e oito irmãos e irmãs
Suzette Scheffer, 41 anosFoto: Arquivo Pessoal / Divulgação

Laura destaca que o comparsa do criminoso foi detido por agentes da 9ª Delegacia de Polícia na sexta-feira da semana passada em uma investigação sobre outro roubo a pedestre na zona norte da cidade. Ele também confessou envolvimento no crime, mas apenas ressaltou que estava dirigindo. O nome do homem, que tem 25 anos, também não foi divulgado. Laura solicitou ao Poder Judiciário a prisão preventiva do comparsa. O outro autor, que teria sido o motorista no dia, foi preso na sexta-feira passada e também confessou participação no crime.

Suzette, que estava com o filho de 16 anos, foi morta perto de casa, quando se preparava para pegar um ônibus na Avenida Toledo Piza. Ela iria fazer compras na região. A merendeira levou um tiro na região do peito. 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros