Morador de Viamão afirma ter investido R$ 10 mil em piscina que não recebeu  - Polícia

Versão mobile

 
 

Região Metropolitana30/06/2021 | 10h37Atualizada em 30/06/2021 | 10h37

Morador de Viamão afirma ter investido R$ 10 mil em piscina que não recebeu 

Compra teria sido realizada em março deste ano com empresa do Vale do Sinos 

Morador de Viamão afirma ter investido R$ 10 mil em piscina que não recebeu  Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Clovis afirma ter investido quase R$ 4 mil para realizar mudanças no local em que piscina deveria estar Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal
GZH
GZH

Após a publicação da matéria na qual clientes de uma empresa afirmam não ter recebido piscinas que haviam comprado, outros clientes procuraram GZH. Clovis Luiz Santos Garrido, 52 anos, morador de Viamão, na Região Metropolitana, alega ter adquirido o produto em março deste ano, por R$ 10 mil, à vista, via Pix, mas afirma que a piscina nunca foi instalada. 

Clovis é deficiente físico devido a um acidente de trabalho e atualmente está afastado das suas atividades. Entre as sequelas do acidente, está a necessidade de realização de fisioterapia na água. Ele conta que, em razão da pandemia, não encontrou academias abertas para a prática da atividade:  

— Na época em que eu trabalhava como motorista sempre passava em frente à loja. Então, quando eu e minha esposa resolvemos realizar a compra da piscina entramos nas redes sociais para ver como era a reputação da empresa. Parecia tudo certo. Fomos até a loja e o homem que se apresentou como proprietário pareceu muito correto, o que aumentou nossa confiança na hora de realizar a compra. 

Leia mais
Piscinas de papel: clientes afirmam que compraram produtos e, mesmo após pagamento, não receberam
Brigada Militar prende 401 pessoas em segunda fase de operação
Como suposto golpe lesou dezenas de pecuaristas no interior do RS

Segundo Clovis, a promessa inicial era de que a instalação seria feita em até 30 dias após o pagamento. Além disso, de acordo com o cliente, a empresa também teria oferecido outros benefícios que seriam disponibilizados após a instalação, como a manutenção da piscina. No entanto, ele diz que essas promessas não teriam sido cumpridas pela Lazup Piscinas. 

— Precisei fazer diversas mudanças no meu pátio para a instalação da piscina. Providenciamos a retirada de uma árvore, a abertura do buraco em que a piscina seria colocada, a construção de um muro de pedra e também a mudança do relógio da água. Só com essas modificações foram quase R$ 4 mil— afirma o morador de Viamão.  

Assim como foi relatado por outros clientes, Clovis diz que a empresa se comprometeu a devolver o valor pago. Em um documento de rescisão de contrato de compra e venda, ao qual GZH teve acesso, a empresa se comprometeu a pagar o valor de R$ 10 mil, em duas parcelas datadas para 21 e 28 de maio de 2021. 

— Liguei diversas vezes e o proprietário cada vez me falava uma coisa diferente. Após algum tempo, procurei o Procon e assinei um documento em que ele se comprometia a nos devolver os R$ 10 mil, em duas parcelas. Estou  até agora esperando esse dinheiro. 

O cliente registrou um boletim de ocorrência por meio da delegacia online e o caso deve ser investigado pela 1ª Delegacia de Polícia de Viamão. 

Leia mais
Lázaro Barbosa morre após ser baleado em Goiás
Saiba qual cidade gaúcha teve uma das maiores reduções de homicídios no Brasil
Técnico de canoagem é preso por suspeita de abuso sexual em Guaíba

Contraponto 

A GZH, a Lazup Piscinas afirmou que vai completar seis anos no mercado e que a pandemia foi um momento difícil para a empresa. Segundo Anderson Kinas Machado, que se apresenta como o proprietário, a entrega de algumas piscinas estava realmente atrasada, mas, segundo ele, está trabalhando para realizar as entregas que faltam.  

— Nós não somos uma empresa grande. Trabalhamos eu, meu colega que cuida da loja quando eu preciso sair e os instaladores que também sobrevivem da empresa. Realmente, ano passado foi difícil e a gente veio vindo, foi sanando. Acredito que até esse verão a gente consiga resolver tudo — afirmou o Anderson.  

Machado afirmou que, no caso da compra realizada por Clovis, o acordo está sendo quitado de forma parcelada. Segundo ele, foi feito o pagamento de R$ 1, 5 mil em 23 de junho e R$ 500 no dia 25 do mesmo mês. O proprietário diz que na próxima semana pretende fazer o pagamento de mais valores.

Produção: Kênia Fialho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros