Técnico de canoagem é preso por suspeita de abuso sexual em Guaíba - Polícia

Versão mobile

 
 

Investigação29/06/2021 | 07h00Atualizada em 29/06/2021 | 07h00

 Técnico de canoagem é preso por suspeita de abuso sexual em Guaíba

Lucas Engel Vidal, 31 anos, já havia sido afastado das funções após denúncia do Comitê de Ética do COB

 Técnico de canoagem é preso por suspeita de abuso sexual em Guaíba Ronaldo Bernardi / Agencia RBS/Agencia RBS
Vidal foi preso em casa, na manhã desta segunda-feira Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS / Agencia RBS

O treinador de canoagem Lucas Engel Vidal, 31 anos, foi preso de forma temporária na manhã desta segunda-feira (28) em Guaíba, na Região Metropolitana, suspeito de abuso sexual contra uma atleta que tinha 12 anos na época do fato — que teria ocorrido há cerca de seis anos. A prisão e a investigação foram realizadas pela Delegacia de Polícia de Eldorado do Sul, município onde o detido treinava a adolescente.

Em abril deste ano, Vidal já havia sido afastado das funções após denúncia do Comitê de Ética do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). A Polícia Civil diz ter provas suficientes do crime, além de investigar mais um caso envolvendo outra menina, também de 12 anos à época.

O delegado de Eldorado do Sul, Guilherme Dill, afirma que foram cumpridos mandados de busca e de prisão na casa do investigado.

Leia mais
Técnico gaúcho foi suspenso por 10 anos pelo Comitê de Ética do COB, em abril

O caso que é alvo da apuração — por meio de inquérito policial — teria começado em 2015, quando a vítima, então com 11 anos, teria sido assediada. Logo depois, segundo o delegado, o investigado manteve relações sexuais com a adolescente, que estava com 12 anos. O crime teria ocorrido pelos quatro anos seguintes.

— Trata-se de um crime repugnante, no qual a vítima, além de ser criança, era mantida em relação de subordinação hierárquica com o treinador. Por tudo isso, na ação de hoje (segunda-feira), peritos estão nos acompanhando para qualquer tipo de análise inicial em documentos, imagens, áudios e trocas de mensagens suspeitas que possam ter ocorrido por celular ou computador. Tudo será apreendido e periciado — explica Dill.

Ainda conforme o delegado, inicialmente o suspeito alegou, quando tinha 25 anos, que mantinha um namoro com a menina. Para o policial, contudo, não é concebível um envolvimento deste tipo quando a vítima ainda era uma criança, sendo ainda — segundo provas que a polícia diz ter — consumado o ato sexual após os 12 anos de idade da atleta.

Denúncia ao COB

A denúncia de assédio moral e sexual foi feita em fevereiro deste ano ao COB, que, em abril, afastou o treinador de todas as funções olímpicas por 10 anos e encaminhou o caso para as autoridades do Rio Grande do Sul. A polícia diz ter investigado e comprovado, então, que houve abuso.

— Foi afastado pelo Comitê Olímpico por assédio moral e sexual, mas está sendo preso por nós por estupro de vulnerável e vamos averiguar todos os possíveis fatos de que temos indícios, inclusive mais uma atleta treinada por ele, de 12 anos — diz o diretor da 2ª Delegacia Regional Metropolitana, delegado Mario Souza.

Souza destaca que serão apuradas todas as denúncias — caso tenham ocorrido — nos locais onde o suspeito treinou canoagem com meninas. Segundo ele, Vidal atuava ultimamente como diretor-esportivo de uma associação em Eldorado do Sul.

A menina que teria sido abusada sexualmente pelo treinador está em segurança, com atendimento psicológico e sob sigilo, conforme determina o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Ainda sobre o caso, a polícia apura se houve conivência de outros adultos considerados responsáveis pela menina.

Contraponto

GZH falou com o advogado Douglas Rosa, que representa o suspeito. O defensor disse que soube da prisão no começo da manhã e que estava indo até a delegacia para se inteira dos fatos. Ele lembrou ainda que o caso é sigiloso, desde a época da denúncia ao COB.

 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros