Companheira de mãe de menino desaparecido em Imbé alega em depoimento que homem citado em mensagens é ¿voz imaginária¿ - Polícia

Versão mobile

 
 

Litoral Norte03/08/2021 | 07h00Atualizada em 03/08/2021 | 07h00

Companheira de mãe de menino desaparecido em Imbé alega em depoimento que homem citado em mensagens é ¿voz imaginária¿

As duas mulheres estão presas e caso segue sob investigação da Polícia Civil

Leticia Mendes

Ao longo de duas horas, Bruna Nathiele Porto da Rosa, 23 anos, narrou à Polícia Civil como teriam sido os últimos dias vividos pelo enteado, Miguel dos Santos Rodrigues, de apenas sete anos, desaparecido no Litoral Norte. Na semana passada, a mãe da criança, Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues, 26 anos, já havia confessado ter arremessado o filho no Rio Tramandaí.

As duas mulheres estão presas, suspeitas de terem torturado e assassinado o garoto. Buscas pelo corpo são realizadas na orla, numa área de cerca de 90 quilômetros.

Bruna foi ouvida novamente no domingo (1º), após a Polícia Civil acessar conteúdos do telefone celular dela, que havia sido apreendido. Na semana passada, somente Yasmin tinha sido presa. À época, a polícia não lavrou o flagrante por homicídio porque havia suspeitas de que Bruna pudesse sofrer de problemas mentais.

Bruna foi submetida a uma análise psiquiátrica e, conforme a polícia, a avaliação indicou que ela possui grau leve de autismo. Os vídeos e mensagens encontrados no aparelho levaram os agentes a concluírem que ela teve participação, no mínimo, nos maus-tratos ao garoto.

Um ponto que chamou a atenção da polícia é um nome masculino, citado em troca de mensagens. Na conversa, a madrasta comunica a mãe do menino que o garoto se soltou — as duas confessaram que mantinham a criança trancada em um guarda-roupas, e imagens obtidas no celular mostram o menino dentro do armário, sendo ameaçado.

Na mensagem, Bruna escreve o nome de um homem, dizendo que ele prendeu o menino de novo e deu comida para ele. "Ele mandou te dizer pra ti prender mais forte daí", escreveu a companheira. Quando confrontada pelos agentes, ela negou que outra pessoa tenha participado das torturas.

— Ela alega que esse nome é de uma voz imaginária. Que teria amigos imaginários, com quem conversa. É o que ela diz. Mas estamos investigando quem frequentava o apartamento — afirma o delegado Antônio Carlos Ractz Júnior, que se diz convencido de que Miguel está morto.

A polícia está buscando descobrir quais pessoas tinham contato com as mulheres e quem pode ser o homem apontado nas mensagens — caso isso se confirme, pode indicar a participação de uma terceira pessoa nos maus-tratos.

Leia mais
Polícia prende companheira de mãe de menino desaparecido no Litoral Norte
Vídeo e troca de mensagens entre suspeitas revelam que menino desaparecido no Litoral Norte sofria maus-tratos

As duas moravam há cerca de duas semanas com a criança em uma pousada, na área central de Imbé, onde mantinham o menino escondido. Miguel não saía para a rua para brincar com as outras crianças que moram no local e não era visto pelos demais moradores. Quando alugou o lugar, em 15 de julho, Yasmin afirmou à proprietária da pousada que o filho estava com a avó materna.

Azulejo quebrado

Ainda no domingo, os policiais retornaram à pousada para conferir alguns pontos do relato da madrasta. Quando ouvida, Bruna contou que na segunda-feira Yasmin empurrou o garoto com força, fazendo com que ele batesse a cabeça contra um azulejo. No mesmo dia, ela teria espancado a criança no banho — o menino teria morrido dois dias depois, ao anoitecer de quarta-feira. Os agentes constaram que realmente o azulejo estava partido, como se tivesse sido alvo de uma pancada forte.

Também no relato, Bruna disse que o menino passou a maior parte dos últimos dois dias de vida trancado no armário. O guarda-roupas teria sido desmontado por Yasmin após desaparecer com o corpo do filho. Em um dos vídeos obtidos pela polícia, a criança diz que tenta chamar a atenção da mãe para que possa ficar "solta". Na mesma gravação, Bruna ameaça espancar Miguel.

— Ela disse que a maior parte do tempo ele ficou preso ali em pé, sem coberta nem nada — afirma a escrivã Náthila Nascimento, que ouviu o depoimento da madrasta.

Leia mais
Bombeiros usam drone durante buscas no mar por menino desaparecido em Imbé

Ao longo da oitiva, segundo a policial, Bruna não demonstrou emoção com o relato, mas estava apavorada com a possibilidade de ser presa. Ela relatou que a mãe do menino teria ministrado comprimidos de antidepressivo e que o menino teria morrido na quarta-feira. A mulher alega que não participou da morte e que quem colocou o corpo do garoto na mala foi a mãe. Para que ele coubesse na mala, ela teria quebrado os membros do menino com as mãos.

— A mãe também inocenta a companheira do crime. Mas ela, no mínimo, viu uma criança sendo espancada e morta, e não fez nada — diz o delegado.

Buscas ao corpo

Sobre a possível localização do corpo, Bruna manteve o relato que já havia sido apresentado pela mãe do garoto, de que ele teria sido arremessado no Rio Tramandaí. Na manhã desta segunda-feira (2), um par de chinelos de tamanho 34 foi encontrado por um pescador em frente à guarita 134, em Imbé, próximo da ligação com o rio. Conforme o delegado, há possibilidade de que o calçado realmente pertença ao menino.

— As duas mantiveram esse mesmo relato, de que arremessaram o corpo dele no rio — afirma.

Para o policial, a localização do corpo do garoto é considerada fundamental para que a prova pericial possa indicar como se deu a morte e que tipo de maus-tratos sofria. Os celulares das mulheres serão analisados de forma mais detalhada para tentar encontrar novos materiais que ajudem a entender há quanto tempo o menino era submetido a torturas físicas e psicológicas. A polícia também pretende ouvir vizinhos e proprietários da primeira pousada onde elas residiram ao chegar a Imbé. As duas estão presas no Presídio Estadual de Torres.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros