Suspeito de participar de agressões, homem diz que fotografou menino amarrado em cama para obter provas contra a companheira - Polícia

Versão mobile

 
 

Depoimento20/08/2021 | 07h00Atualizada em 20/08/2021 | 07h00

Suspeito de participar de agressões, homem diz que fotografou menino amarrado em cama para obter provas contra a companheira

Casal foi preso nesta quarta-feira após denúncias de maus-tratos contra criança de seis anos

Suspeito de participar de agressões, homem diz que fotografou menino amarrado em cama para obter provas contra a companheira Policia Civil / Divulgação/Divulgação
Vítima revelou ter tido as mãos queimadas no fogão e ter permanecido por longas horas presa na cama Foto: Policia Civil / Divulgação / Divulgação

Homem detido por suspeita de tortura e agressões contra uma criança de seis anos, filho de sua companheira, prestou seu segundo depoimento à Polícia Civil, em Canoas, na Região Metropolitana. Ele confirmou a veracidade dos crimes, que foram relatadas pelo menino, e incriminou a namorada. O casal foi preso na manhã desta quarta-feira (18).

Conforme o titular da Delegacia da Criança e do Adolescente de Canoas, delegado Pablo Rocha, o suspeito disse que viu o menino sendo amarrado em mais de uma oportunidade. Afirmou ainda que chegou a intervir nas agressões, para evitar que o garoto fosse sufocado.

— Ele afirmou que chegou a interromper o namoro, mas retomou o relacionamento para produzir provas do que vinha acontecendo com a criança— afirmou o delegado, que coordena a investigação.  

Leia mais
Humberto Trezzi: sobre mães perversas
VÍDEO: imagens mostram mãe do menino Miguel carregando mala no dia do desaparecimento da criança

O homem disse que contou a familiares próximos sobre as agressões e que esses realizaram a denúncia anônima ao Conselho Tutelar, que acionou a Polícia Civil. A alegação para o crime, segundo o delegado, seria o suposto mau comportamento do garoto, que estaria atrapalhando o relacionamento do casal. 

Os agentes obtiveram o que consideram provas da tortura, como fotografias da criança amarrada na cama. Também ouviram o depoimento da própria vítima, que revela ter tido as mãos queimadas no fogão e ter permanecido por longas horas presa na cama, sem sequer poder ir ao banheiro. 

Na ação desta quarta-feira (18), que culminou na prisão da mãe da vítima e do namorado dela, a polícia apreendeu roupas do menino, remédios supostamente utilizados para dopar a criança, além de lenços usados para amarrar a vítima na cama.  

— A gente vê com grande preocupação o aumento de casos de agressão contra crianças. Acreditamos que a pandemia tenha piorado substancialmente o problema, já que as crianças estão sem contato com outras pessoas da família ou da escola. Gostaríamos de ter evitado a primeira agressão, mas chegamos antes da última, que poderia ter resultado na morte dessa criança — completa o delegado Pablo Rocha.  

Operação  

A mulher, de 28 anos, foi presa em casa, em Canoas, enquanto o namorado dela, de 24 anos, foi detido em Campo Bom, no Vale do Sinos. Em depoimento, os dois apresentaram versões opostas para os fatos. Por isso, segundo a polícia, novos depoimentos serão tomados. Por ora, somente o homem foi ouvido novamente.  

Ele segue detido na Delegacia de Pronto Atendimento de Canoas, por falta de vaga em presídio, enquanto a mulher foi levada para a Penitenciária Estadual Feminina de Guaíba. O garoto está sob os cuidados do avô, assim como outra filha da suspeita. Ela ainda teria um terceiro filho adolescente, que vive com o pai.   

A polícia obteve provas relativas a agressões cometidas nos últimos meses, através de depoimentos, fotos e conversas de WhatsApp entre o casal. Familiares e vizinhos serão intimados a depor nos próximos dias.  

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros