Jovem pegava ônibus todo dia na mesma parada e já havia sofrido tentativa de assalto - Polícia

Versão mobile

 
 

Latrocínio na Zona Sul 24/09/2021 | 13h58Atualizada em 24/09/2021 | 13h59

Jovem pegava ônibus todo dia na mesma parada e já havia sofrido tentativa de assalto

Cristiane da Costa dos Santos, 20 anos, estava no primeiro emprego e juntava dinheiro para voltar a cursar faculdade

Jovem pegava ônibus todo dia na mesma parada e já havia sofrido tentativa de assalto Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Jovem, moradora da zona sul, estava economizando dinheiro para retomar os estudos Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal
Leticia Mendes

Há seis meses, Cristiane da Costa dos Santos, 20 anos, fazia o mesmo trajeto para retornar para casa onde vivia com a mãe e o irmão, na zona sul de Porto Alegre. A jovem, assim como outros funcionários, pegava o ônibus na Avenida Chuí, ao lado do BarraShooppingSul, no bairro Cristal, para seguir até o bairro Tristeza, onde residia. Nesse período, já havia sido vítima de uma tentativa de assalto, na mesma parada, mas conseguiu escapar. Na noite de quinta-feira (23), em novo roubo, acabou baleada no peito e morreu.   

Cristiane estava realizada por ter conseguido o trabalho em uma loja do shopping. Era o primeiro emprego da jovem, que estava juntando dinheiro para retomar os estudos. No bairro Tristeza, estudou no Colégio Mãe de Deus, onde fez o Ensino Fundamental e Médio. Nesse período, era criada pela avó, Eloísa, falecida há dois anos.  

– Era uma menina muito meiga, carinhosa. Levava a avó para o médico, para fazer compras. Era uma guriazinha. A gente olhava para ela e nem parecia que tinha 20 anos, pequeninha. No primeiro emprego, feliz, realizada. É triste para a família, para os vizinhos, que foram todos para lá. A mãe dela está desesperada. É uma tristeza muito grande – desabafa o tio.  

O pai de Cristiane já é falecido. A família morava atualmente na mesma casa onde a garota cresceu, no Tristeza. A jovem tinha iniciado a faculdade de Jornalismo, segundo os familiares, mas precisou parar por questões financeiras. Com objetivo de retomar o curso, tinha começado a trabalhar.  

– Ela queria voltar a estudar. Sonhava com a faculdade de Jornalismo, queria ser colega de vocês. Estava juntando o dinheiro dela para isso – conta o tio.  

Há cerca de dois meses, segundo a família, Cristiane havia passado por uma tentativa de assalto na mesma parada de ônibus. Naquela noite, conseguiu escapar correndo para dentro da área do shopping. Depois, telefonou para o irmão e pediu que ele fosse buscá-la. Na noite em que foi morta, além dela, havia pelo menos mais duas pessoas na parada, que também foram assaltadas. A jovem teria ficado nervosa e se atrapalhado na hora de entregar o celular. O criminoso, sem esperar, atirou na direção dela, atingindo o peito de Cristiane.  

– Era a rotina dela pegar ônibus ali porque é onde passam para ir para a Otto (Niemeyer, avenida da Zona Sul). Não tinha outra opção de local para ela pegar. As colegas dela viviam se cuidando, porque as mulheres acabavam sendo mais alvo. Ela deve ter ficado nervosa, não conseguiu abrir a bolsa. O celular dela não estava na mão, deve ter feito gesto de abrir a bolsa e ele atirou – diz o tio.  

Os familiares aguardam a liberação do corpo de Cristiane, para que possam ser realizados os atos fúnebres. A previsão é de que o velório tenha início neste sábado, por volta das 7h, e o enterro ocorra às 11h30min, no Cemitério Jardim da Paz, na Capital. A avó de Cristiane foi sepultada no mesmo local, há dois anos.  

Em nota divulgada ainda na noite passada, o BarraShoppingSul informou que lamenta profundamente o ocorrido. Mesmo que o caso tenha acontecido fora de suas dependências, está à disposição das autoridades para colaborar com as investigações. O Colégio Mãe de Deus também emitiu uma nota, onde manifesta o pesar pela perda da ex-aluna e presta solidariedade aos familiares.  

A investigação 

A Polícia Civil diz que busca imagens de câmeras que possam auxiliar na elucidação do crime. Ainda durante a noite do crime, a Brigada Militar recuperou um Fiesta, no bairro Vila Nova, e prendeu um suspeito. Segundo a BM, os policiais aguardavam no local para recolher o veículo, quando um grupo se aproximou para pegar o carro. Um suspeito, com antecedentes por roubos, foi preso. A polícia investiga se há vínculo com o latrocínio.  

O caso é apurado pela 20ª Delegacia de Polícia, que fica nas proximidades de onde aconteceu o crime. Após o caso, outros passageiros e moradores da região também relataram que os assaltos ali são frequentes. A polícia diz que o objetivo desses roubos a pedestres é justamente levar os celulares. O 1º Batalhão de Polícia Militar informou nesta sexta-feira (24) que reforçou o policiamento na região.  

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros