Como Alvorada reduziu homicídios em quase 40% nos primeiros nove meses do ano - Polícia

Versão mobile

 
 

Região Metropolitana20/10/2021 | 08h30Atualizada em 20/10/2021 | 08h31

Como Alvorada reduziu homicídios em quase 40% nos primeiros nove meses do ano

Município tenta deixar para trás título de um dos mais violentos do país

Como Alvorada reduziu homicídios em quase 40% nos primeiros nove meses do ano Lauro Alves / Agencia RBS/Agencia RBS
Operação realizada em dezembro do ano passado teve como alvo facção criminosa por trás de parte das execuções Foto: Lauro Alves / Agencia RBS / Agencia RBS
Leticia Mendes

Com redução de quase 40% nos homicídios nos primeiros nove meses deste ano, Alvorada, na Grande Porto Alegre, consolida o caminho para se afastar do título que nunca se orgulhou de ostentar: o de cidade mais violenta do Estado e uma das mais perigosas do país. Em 2021, foram 56 assassinatos no município de 212 mil habitantes — no mesmo período do ano passado tinham sido 92. Embora ainda seja a terceira com mais crimes desse tipo no RS, ocupava até o ano passado a segunda posição, ficando atrás apenas de Porto Alegre.

A receita de Alvorada para conseguir frear a criminalidade passa por série de fatores e ainda enfrenta desafios. Em um cenário no qual o tráfico segue como responsável pela maioria dos assassinatos e o crime organizado se mantém enraizado, especialmente em comunidades vulneráveis, evitar que criminosos se digladiem, resultando em homicídios de envolvidos com o crime ou mesmo de inocentes, é uma das estratégias empregadas. Saber onde estão e como se comportam as facções, para coibir enfrentamentos entre rivais ou tentativas de dominação de territórios, está entre as formas de prevenção.

A Brigada Militar, segundo o comandante do 24º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Alvorada, tenente-coronel Paulo Eduardo Dutra dos Santos, segue a lógica de que onde a polícia ocupa espaço, o crime recua.

— Mapeamos as áreas de possível beligerância entre criminosos e mantemos o policiamento mais incisivo, mais contundente, nesses pontos. Sabemos que, neste meio do crime, a pena para quem fez algo de errado é a morte, a violência no grau mais exagerado. Essa ocupação, além de combater a facção que atua ali, evita que tentem tomar outros locais, e faz com que não ocorram esses conflitos, essa guerra, entre grupos opostos — detalha o comandante.

Enquanto no policiamento ostensivo a fórmula é dar visibilidade, com viaturas, policiamento a cavalo e aeronaves, a inteligência atua de forma discreta, analisando cada caso e tentando identificar quem são os responsáveis por eles, para evitar que novos ocorram. No mês de setembro, a BM fez 79 prisões e realizou 11,2 mil abordagens a veículos e pessoas.

— O crime organizado é uma espécie de “indústria”, a gente retira de circulação, e eles repõem. É um constante combater. É um trabalho de inteligência e aplicação dos recursos de forma cirúrgica na localidade. É assim que nossa repressão qualificada atua. Está dando certo, felizmente — analisa o comandante.

Da mesma forma, o delegado Edimar Machado de Souza, à frente da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de  Alvorada há quatro anos e meio,  viu a realidade se alterar ao longo do tempo. Em 2017, a cidade teve nos primeiros nove meses 159 homicídios, quase o triplo do registrado agora. Para o policial, o cenário é resultado de ações implantadas no período. O município está entre os que foram priorizados, por exemplo, no programa RS Seguro, implantado em 2019 pelo governo do Estado, para o combate à criminalidade. 

O delegado acredita, inclusive, que manter a mesma equipe na apuração dos crimes auxilia na compreensão do panorama das organizações criminosas, ou seja, de quem está por trás dos delitos. Neste ano, a DHPP realizou 146 prisões na cidade.

— Quando há um homicídio, já temos ideia de qual facção está envolvida e quem são os indivíduos que atuam como executores daquele grupo. Hoje não temos nenhum grande matador solto em Alvorada. Trabalhamos para retirar rápido de circulação os matadores que vão surgindo. Há uma hierarquia dentro da facção. Quando se começa a atuar como matador, se não prender logo, vai cometer diversos homicídios — explica.

Combate às lideranças

Outra ação empregada visa responsabilizar os líderes das facções pelos assassinatos. A intenção é fazer com que os chefes dos grupos criminosos, na maioria das vezes já presos, também sejam impactados pelas execuções que comandam de trás das grades. Em dezembro do ano passado, operação contra facção reuniu 850 policiais e cumpriu 279 ordens judiciais com foco no residencial Umbu II. O alvo é o grupo que se impõe pelo medo e, não raras vezes, toma casas e apartamentos de moradores de uma das áreas vulneráveis da cidade. A apuração se deu ao longo de 18 meses e, na ótica do titular da DHPP, também ajudou a derrubar os indicadores.


— Foi uma longa investigação dessa organização criminosa ligada a tráfico, homicídios e expulsão de moradores. Conseguimos vincular o líder a alguns homicídios. A partir dali, reduziu bastante. Outra estratégia é a transferência para penitenciárias federais. Hoje temos uma das lideranças que atua em Alvorada e Porto Alegre no regime federal — detalha o delegado.

Uma das mudanças percebidas ao longo dos anos é a redução das chacinas e dos conflitos entre grupos, o que também gerava diversos mortos e feridos. Em 2017, por exemplo, no ano todo foram 173 registros de homicídio, com resultado de 210 vítimas, o que indicava bem mais episódios com mais de uma morte. De janeiro a setembro deste ano, foram 54 registros para 56 vítimas. 

No mês passado, a DHPP cumpriu mandados contra envolvidos num atentado durante um pagode no bairro Umbu, em agosto de 2019. Naquele episódio, os atiradores chegaram ao local em dois veículos e começaram a disparar contra as pessoas que ali estavam. O ataque resultou na morte de dois adolescentes de 17 anos e em quatro pessoas feridas, inclusive um dos integrantes da banda que se apresentava.

A apuração, segundo o delegado, apontou que o alvo do grupo era o familiar de um integrante de uma facção rival. Cinco suspeitos de serem os atiradores foram identificados, quatro deles estão presos e um está morto. Apontado como mandante do crime, um detento já estava no sistema prisional na época. Quatro dos envolvidos, conforme a polícia, respondem juntos a um total de 27 inquéritos por participação em homicídios. Também foram denunciados pelo Ministério Público após a operação de dezembro no residencial.


— Essa foi uma investigação que demorou um pouco mais na produção de provas, que ainda é um desafio. Muitas testemunhas não querem falar, por envolver o tráfico. O combate ao tráfico é um desafio muito grande. Muitos são presos e dias depois estão soltos. Acreditam que o crime compensa. Em volta do tráfico giram vários crimes, como os roubos de veículos, não só homicídios. Tudo gira em torno do tráfico — afirma o delegado.

O que é jornalismo de soluções, presente nesta reportagem?

É uma prática jornalística que abre espaço para o debate de saídas para problemas relevantes, com diferentes visões e aprofundamento dos temas. A ideia é, mais do que apresentar o assunto, focar na resolução das questões, visando ao desenvolvimento da sociedade.

Olhar regional

Alvorada tem limite com Porto Alegre, Gravataí e Viamão, e o que acontece nas outras cidades impacta também na criminalidade local. Criminosos da Capital, segundo a polícia, são acionados para dar apoio em empreitadas dos grupos na cidade vizinha e também atuam no fornecimento de drogas. Em contrapartida, a polícia busca o olhar regionalizado. 

Há um ano, a DHPP de Alvorada, assim como outras cinco delegacias de homicídios da Grande Porto Alegre (Gravataí, Novo Hamburgo, São Leopoldo, Viamão e Canoas), integra a Divisão de Homicídios da Região Metropolitana. Desde então, segundo o delegado Cassiano Cabral, da DHPP, equipes especializadas passaram a fazer os atendimentos de locais de crimes nessas cidades, inclusive em Alvorada. 

Sempre que um homicídio acontece, esses policiais vão até o local, acompanham a perícia, coletam imagens de câmeras, buscam depoimentos e realizam prisões em flagrante, se for o caso. Depois, entregam o relatório detalhado às equipes da cidade. Isso, de certa forma, dá mais fôlego para que os agentes da DHPP local, que darão seguimento à investigação.

— Desde setembro de 2020, Alvorada é uma prioridade. Conseguimos aumentar o efetivo, além de manter o que estava lá, que já tem esse conhecimento, de todo o histórico. Foram criadas essas equipes especializadas na investigação preliminar, há auxílio da inteligência e integração com outros órgãos. Temos esse olhar da criminalidade como um todo. Não ficamos só no entendimento do município. Essas facções se comunicam além dos limites territoriais. É um trabalho constante, uma melhora gradual — avalia Cabral.

Integração e videomonitoramento

 Alvorada, RS, BRASIL, 06/11/2019: Especial - Alvorada - Cidade com maior redução de homicídios. (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)Indexador: Omar Freitas<!-- NICAID(14397519) -->
Central de monitoramento do município, que conta com total de 500 câmerasFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

A integração entre as forças da segurança é apontada tanto pela Polícia Civil quanto Brigada Militar e Guarda Municipal como fator essencial na luta contra o crime. A troca de informações, experiências e estratégias, além da atuação em conjunto em operações, é uma das fórmulas aplicadas constantemente no município.

— É graças aos esforços de todos os órgãos de segurança, unindo forças no mesmo objetivo, que conseguimos alcançar esses índices ao longo dos anos, cada vez diminuindo mais — comemora o secretário de Segurança e Mobilidade Urbana do município, Sérgio Coutinho.

O titular da pasta aponta ainda a estruturação da Guarda Municipal e investimento em videomonitoramento como alguns dos ingredientes fundamentais para o impacto sobre a criminalidade. Alvorada, atualmente, conta com 55 servidores na Guarda Municipal, 60 na Guarda Patrimonial e 25 no trânsito.

— Temos mais de 500 câmeras pelo município, em vias públicas, escolas, postos de saúde, em todos os prédios públicos e nas entradas e saídas da cidade. É uma ferramenta importantíssima na prevenção da violência, que permite antecipar situações de risco — afirma.  

Aproximação com a comunidade

Embora a queda no número de homicídios venha se mantendo em Alvorada, a taxa ainda é de 26,6 para cada 100 mil habitantes, o que representa mais do que o dobro da registrada no Estado (10,2). Por outro lado, é um avanço em relação ao mesmo período do ano passado, de 43,3. A tendência, até agora, é de que em outubro a redução se mantenha. No mês, foram registrados três homicídios no município, enquanto no mesmo período do ano passado foram 11 vítimas.

Um dos desafios para o futuro, além de reduzir ainda mais os números, é a prevenção. Na tentativa de manter a aproximação com a comunidade, a Brigada Militar disponibilizou o WhatsApp para receber informações e denúncias. Ao mesmo tempo, vem se envolvendo em atividades sociais. 

Evento Criança Feliz
No último sábado, BM participou do evento Criança FelizFoto: Brigada Militar / Divulgação

Foi assim no último sábado (16), quando foi realizada no Distrito Industrial a chamada Operação Criança Feliz. Com apoio de outras entidades, foram distribuídos brinquedos e alimentos, além de ofertados serviços, como corte de cabelos e atendimento odontológico. O Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd), voltado para crianças e adolescentes, também esteve presente.

— Alvorada já figurou como um dos municípios mais violentos do Brasil, e tem essa característica de vulnerabilidade. As crianças são os cidadãos de amanhã. Se conseguirem enxergar a polícia como amigo, como alguém que vai repreender, mas também ajudar, isso vai estreitar relações. Precisamos ter esse elo bem fortalecido. Quando crescer, o jovem vai carregar esses valores e passar para os outros. Isso enfraquece o crime organizado e, consequentemente, enfraquece a violência — projeta o tenente-coronel Paulo Eduardo.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros