Extorsão a donos de revendas está por trás de execução e ataque com tiros de fuzil no Vale do Paranhana    - Polícia

Versão mobile

 
 

Crime organizado  15/10/2021 | 07h00Atualizada em 15/10/2021 | 07h00

Extorsão a donos de revendas está por trás de execução e ataque com tiros de fuzil no Vale do Paranhana   

Morte de jovem de 18 anos é investigada pela Polícia Civil                

Extorsão a donos de revendas está por trás de execução e ataque com tiros de fuzil no Vale do Paranhana    Polícia Civil / Divulgação/Divulgação
Em setembro, polícia apreendeu armas, munição e dinheiro com suspeitos Foto: Polícia Civil / Divulgação / Divulgação
Leticia Mendes

De dentro de um veículo preto, descem três homens encapuzados, com fardas militares e pelo menos um fuzil. Um jovem também desembarca, e é empurrado na direção do portão de uma revenda de carros. De costas, antes de se dar conta do que está prestes a acontecer, é alvejado por uma sequência de disparos e tomba morto

Logo depois, os mesmos criminosos atiram dezenas de vezes em direção ao pátio, perfurando automóveis estacionados. Foram contabilizados pelo menos 40 disparos. A cena foi registrada na noite da última terça-feira (12), em Taquara, no Vale do Paranhana, e é o retrato da intimidação que criminosos vêm tentando impor a empresários da região.  

Embora o caso tenha acontecido nesta semana, esse tipo de tentativa de extorsão é monitorado pela Polícia Civil há mais tempo no município. Em setembro e outubro, agentes conseguiram prender seis suspeitos de fazerem ameaças aos comerciantes e empresários em nome uma facção criminosa. Os bandidos exigem quantias em dinheiro para realizar a segurança do local e cobrar dívidas. Os valores exigidos variam, mas há casos em que são cobrados R$ 500 semanais.  

Leia mais
Polícia investiga execução de jovem na frente de revenda de veículos em Taquara
Polícia Civil identifica suspeito de morte de taxista durante assalto na Capital

— O empresário dono dessa revenda já vinha sendo ameaçado por esses criminosos, que usam o telefone, se dizem da facção e oferecem proteção e auxílio para comerciantes, donos de revendas. O morto não tem qualquer vínculo com a revenda. Eles aproveitaram a oportunidade para intimidar – explica o delegado Heliomar Franco, responsável pela delegacia regional.  

Em setembro, durante investigação por suspeita de extorsão e formação de organização criminosa, foram apreendidos diversos armamentos na cidade e quatro suspeitos foram presos – dois com prisão preventiva, um com temporária e um em flagrante. 

A polícia já havia identificado casos de bandidos, vinculados a uma facção, que vinham fazendo ameaças a comerciantes e suas famílias. Foram apreendidos dois revólveres, cinco pistolas (duas de calibre 9 milímetros e três de calibre 380), um fuzil calibre 556 e uma espingarda calibre 12. Veículos também foram apreendidos e quase R$ 5 mil foi apreendido.  

Dias depois, um casal também foi preso na mesma investigação. Segundo a apuração da polícia, seriam os responsáveis por fazer o recolhimento do dinheiro de proprietários de revendas na cidade. Comerciantes, que se negaram a fazer o pagamento aos bandidos, procuraram a polícia e denunciaram o que estava acontecendo. 

Os presos, que estavam com uma quantia em dinheiro, foram reconhecidos pelas vítimas. A investigação apontou que o grupo criminoso ameaçava, inclusive, colocar fogo nos comércios caso os pagamentos não fossem realizados.  

O episódio da última terça-feira às margens da RS-239 demonstra que os criminosos seguem agindo na tentativa de intimidar os comerciantes. Para a polícia, a escolha do local onde se deu a execução não foi aleatória. O crime foi registrado por imagens de câmeras de segurança. Foram usadas três armas, sendo pelo menos um fuzil calibre 556 e uma pistola calibre .40.  

— Esse caso é prioridade na delegacia de Taquara. Na quarta-feira (15), nos reunimos para decidir ações. Estamos trabalhando com muita força para combater isso, integrados com a Brigada Militar, inclusive — afirma o delegado Franco.  

Após o episódio, a revenda permaneceu fechada na quarta-feira. Nesta quinta-feira (14), GZH fez contato com o local, mas não obteve retorno até o momento.   

Leia mais
Polícia Civil de Farroupilha prende dupla suspeita de planejar execução de membros de grupo rival

Estelionato 

Outra modalidade que também envolve extorsão de comerciantes e empresários já foi identificada na região, segundo o delegado. Nesse tipo de delito, estelionatários se aproveitam da presença do crime organizado nas comunidades para entrarem em contato com as vítimas, identificando-se como membros de uma facção, para exigir dinheiro. 

— Essas facções realmente migraram para o Interior e vêm diversificando os métodos. E esses golpistas aproveitam, pegam carona e começam a ligar indiscriminadamente para empresários para pedir dinheiro — detalha Franco.  

Nesses casos, conforme o delegado, a maioria dos autores é de fora do Estado.  

A investigação  

TAQUARA - Câmeras flagraram Kmorte de evin Alcides, 18 anos, na frente de uma revenda de veículos na RS-239.<!-- NICAID(14914049) -->
Execução na terça-feira foi registrada por câmera de segurançaFoto: Polícia Civil / Reprodução

A suspeita da Polícia Civil é de que Kevyn Alcides, 18 anos, tenha sido assassinado em razão de desavenças vinculadas ao tráfico de drogas. Quando chega no local da execução, o rapaz não parece se dar conta do que vai acontecer. Se aproxima do portão da revenda e faz menção de bater palmas, como se fosse chamar alguém, e então é alvejado.  

— Pelo que apuramos até agora, houve alguma diferença, desacerto entre eles, e acabou sendo executado neste local — diz o delegado.  

A investigação busca descobrir com quem ele manteve contatos nos últimos dias. O corpo do rapaz foi velado no Cemitério São João Batista, de Parobé, e sepultado na manhã desta quinta-feira, no Cemitério Morro do Pinhal.  

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros