Grupo criminoso faturava mais de R$ 100 mil com golpes em aplicativos de compra online - Polícia

Versão mobile

 
 

Região Metropolitana22/10/2021 | 07h00Atualizada em 22/10/2021 | 07h00

Grupo criminoso faturava mais de R$ 100 mil com golpes em aplicativos de compra online

Golpistas compravam equipamentos eletrônicos com notas falsas para serem revendidos com preço abaixo do mercado

Grupo criminoso faturava mais de R$ 100 mil com golpes em aplicativos de compra online Polícia Federal / Divulgação/Divulgação
Federais estiveram cumprindo mandados em Imbé, no Litoral Norte Foto: Polícia Federal / Divulgação / Divulgação

A Polícia Federal (PF) deflagrou operação nesta quinta-feira (21) contra um grupo criminoso que aplicava golpes utilizando moedas falsas em compras de produtos online. Seis pessoas foram presas, sendo quatro preventivamente e duas em flagrante. Os mandados foram cumpridos em Porto Alegre, Canoas, Cachoeirinha e Imbé.

Entre os detidos está o líder da organização. Conforme as investigações ele era responsável por criar perfis falsos, em sua maioria mulheres, e entrar em aplicativos de venda online. Entre os produtos mais procurados estavam televisores, videogamens e smartphones. Ao contatar a vítima pelo chat, pedia para ampliar as negociações em aplicativos de conversa. Nessa etapa, os golpistas colocavam fotos de perfis de mulheres e combinavam que o produto seria adquirido por dinheiro vivo. Mulheres que atuavam na quadrilha se passavam pelas clientes e, ao lado de um motorista contratado, se deslocavam ao local combinado e entregavam as cédulas falsas.

De acordo com a delegada Shirley Caselani Sitta responsável pelo caso, as mulheres buscavam apressar a troca com o comprador para que não corresse o risco dele verificar a irregularidade. Na maioria dos casos, a fraude era identificada dias depois.

Leia mais
Carro furtado amanhece parcialmente submerso na orla de Capão de Canoa
RS tem 55 meses com alta nos registros de estelionatos
Polícia de Farroupilha prende casal de idosos que aplicava golpe do bilhete premiado há 24 anos

—As vítimas só descobriam do golpe quando utilizavam as cédulas para efetuar outras compras. Os comerciantes não aceitavam as notas e era aí que o indivíduo se dava conta que havia sido enganado.

Sitta ainda explica que a escolha de perfis femininos era uma estratégia para passar mais confiança.

—As fotos escolhidas eram de mulheres com filhos ou com a família, para humanizar ainda mais as supostas clientes — explica.

Os agentes ainda investigam o que era feito com os equipamentos. Ao que tudo indica, o chefe do grupo possuía um site de anúncios onde eram feitas revendas com um preço abaixo do valor do mercado. A estimativa é que os criminosos faturaram de R$ 100 mil a R$ 150 mil com essa prática.

A estimativa é que R$ 150 mil em notas falsas circularam pela Região Metropolitana. Elas eram adquiridas por um dos maiores fornecedores do país, que foi preso há dois meses atrás. Esses golpes passaram a ser aplicados no início da pandemia. A PF já identificou ao menos 70 ocorrências. No entanto, acredita-se que mais de 150 pessoas foram afetadas por esse tipo de crime.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros