Escrivão é algemado e derrubado em abordagem da BM; caso acirra ânimos entre policiais civis e militares - Polícia

Versão mobile

 
 

Embate no Centro Histórico14/01/2022 | 14h50Atualizada em 14/01/2022 | 14h50

Escrivão é algemado e derrubado em abordagem da BM; caso acirra ânimos entre policiais civis e militares

Profissional foi imobilizado e desarmado em Porto Alegre por não portar identificação; associações ligadas à corporação repudiaram a ação

Escrivão é algemado e derrubado em abordagem da BM; caso acirra ânimos entre policiais civis e militares Reprodução / Reprodução/Reprodução
Foto: Reprodução / Reprodução / Reprodução
Jéssica Rebeca Weber
Jéssica Rebeca Weber

jessica.weber@zerohora.com.br

A abordagem feita a um escrivão na última terça-feira (11) no centro de Porto Alegre acirrou os ânimos entre as polícias Civil e Militar do Estado. Após resistir aos comandos de integrantes da Brigada Militar (BM) para ser desarmado, o policial civil foi imobilizado por pelo menos cinco PMs, algemado e levado para a delegacia, onde comprovou sua identidade e ofício.

Segundo informações da BM, uma equipe estava transitando pelo Centro Histórico quando foi alertada de que havia um homem armado na rua. Ao ser abordado, o escrivão se identificou como policial e alegou que seus documentos estavam no carro, solicitando que os buscassem. 

GZH teve acesso a duas gravações da abordagem, que somam mais de quatro minutos. O escrivão vai recuando pela calçada da Rua Fernando Machado, enquanto os brigadianos, com arma em punho, ordenam que ele coloque as mãos na cabeça. Mas não obedece ao comando e responde: 

Leia mais
Discordância sobre prisão de PM que matou colegaprovoca atrito entre entidades de delegados e oficiais da BM 
Vídeo mostra assalto em que policial militar foi baleado na Cidade Baixa

— Para vocês, não.

Mais de uma vez, os policiais militares pedem que ele “siga o procedimento”. Sem alterar o tom de voz, o escrivão continua repetindo que é policial e pedindo para buscarem seus documentos ou procurarem seu nome no sistema. 

— Não interessa se é da Civil — disse um policial. 

— Claro que interessa — respondeu. — Eu sou colega, eu também estou na rua, sou da investigação. Não estou fazendo nada errado. 

Depois de mais de três minutos, os policiais militares usaram a força para virá-lo de costas, algemam-no e derrubam no chão. 

O caso gerou forte repercussão entre policiais civis. Isaac Ortiz, presidente do Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia Civil, divulgou um vídeo repudiando “a maneira desrespeitosa e truculenta” como foi feita a abordagem. Ele pediu respostas à Secretaria de Segurança Pública (SSP), ao governo do Estado e ao Comando da BM. A GZH, Ortiz destacou:

— A gente espera que sejam proibidos os abusos. Os policiais tinham todas as condições de fazer a identificação de uma maneira mais tranquila, ele apontava onde estava a documentação. E é a prerrogativa do policial andar armado, ele estava trabalhando, fazendo a abordagem de um criminoso com ficha extensa de crimes — disse. 

Leia mais
“Talvez agora eu recupere a minha liberdade”, diz vítima sobre pena de 25 anos para homem que a violentou em Porto Alegre
Cabeleireira encontrada morta em porta-malas de carro enviou a sobrinho áudio com ameaças do ex-companheiro

A Associação dos Delegados de Polícia do Rio Grande do Sul (Asdep-RS) também publicou nota de repúdio. “O Escrivão de Polícia desenvolvia discretamente sua missão constitucional quando, de forma criminosa, desrespeitosa, intolerante, desqualificada, despreparada foi abordado por aproximadamente dez Policiais Militares que mesmo advertidos de que se tratava de um Policial Civil, agiram covardemente de forma agressiva, humilhando e algemando o agente policial sem qualquer necessidade.” A nota, assinada pelo presidente da entidade, Fernando Edison Domingues Soares, pede ainda o afastamento dos PMs que participaram da abordagem. 

O comandante do 9° BPM, tenente-coronel Alex Sandre Pinheiro Severo, destaca que o escrivão se identificou como policial, mas não portava documentos. Como uma pessoa armada que, na abordagem, não pode provar sua identificação, foi submetido a um procedimento padrão, segundo Severo, colocado contra a parede e desarmado. 

— Não podemos deixar uma pessoa que não sabemos quem é armada durante uma abordagem — justifica o comandante.  

Severo afirma que, “de maneira sumária”, não identificou nenhum erro na abordagem. Mas, em razão das reclamações, vai ser aberto um procedimento de apuração para verificar toda a ação de abordagem. 

De acordo com a SSP, “esse episódio é absolutamente isolado e já está sendo apurado e solucionado no âmbito das próprias instituições vinculadas, Polícia Civil e Brigada Militar". Por meio da assessoria de imprensa, a pasta também defendeu que o ocorrido “em nada altera a premissa de integração que tem marcado a atuação das forças de segurança, fator essencial para as reduções da criminalidade que se comprovam nos indicadores divulgados”.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros