Homem apontado como autor do primeiro homicídio de 2022 em Porto Alegre foi morto minutos depois - Polícia

Versão mobile

 
 

Na Restinga 04/01/2022 | 15h16Atualizada em 04/01/2022 | 15h16

Homem apontado como autor do primeiro homicídio de 2022 em Porto Alegre foi morto minutos depois

Os dois assassinatos registrados na Capital neste ano até o momento ocorreram na Zona Sul

Homem apontado como autor do primeiro homicídio de 2022 em Porto Alegre foi morto minutos depois Polícia Civil / Divulgação/Divulgação
Foto: Polícia Civil / Divulgação / Divulgação

Com a mesma idade, 29 anos, dois moradores do bairro Restinga, em Porto Alegre, tiveram desfecho trágico idêntico: foram mortos a tiros no primeiro dia do ano. Ao entardecer de 1º de janeiro de 2022, Claiton Souza foi alvejado no meio da rua e não resistiu. Já Willian da Silva Luz foi executado minutos depois, a poucos metros de casa. Teria sido morto, segundo a Polícia Civil, por um grupo criminoso local em represália por ter assassinado Claiton.   

O cenário do primeiro homicídio do ano registrado na Capital foi a esquina entre as ruas Salem e Malvinas, no bairro da Zona Sul. Os dois estariam conversando na rua, por volta das 18h de sábado, próximo a um campo de futebol, quando teriam se desentendido. Willian teria sacado uma pistola e atirado duas vezes na direção de Claiton.   

Leia mais
Em sete cidades da Grande Porto Alegre, Polícia Civil fez 1,5 mil prisões em 2021 durante investigações de homicídios
Homem procurado por homicídio é preso em Caxias do Sul após tentar se passar pelo irmão
Santa Maria tem dois assassinatos e oito tentativas de homicídio no final de semana

— Eles estariam ali há um bom tempo, conversando. Se conheciam. Houve essa discussão entre eles e, do nada, o Willian teria puxado a arma. As razões, as motivações, ainda estamos apurando — detalha o delegado Rodrigo Pohlmann Garcia, titular da 4ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Capital, que investiga ambos os casos.   

Atingido no pescoço e nas costas, Claiton tombou no meio da via. Sem tempo de ser socorrido, morreu ali mesmo. Logo após o crime, Willian teria escapado em direção a um beco próximo, cercado de casebres de madeira, onde residia com parentes.   

— Teria pedido ajuda para familiares, para tentar fugir porque havia matado uma pessoa — relata o delegado.   

Ao sair da residência, Willian teria sido chamado por outros três homens. A poucos metros de casa, chegaram a conversar por alguns instantes, antes de ele ser alvejado repetidas vezes. Os criminosos utilizaram pistolas de calibre 9 milímetros. Foram recolhidos pelo menos nove estojos do armamento no beco onde aconteceu o crime. 

— Ao que tudo indica, foi morto em consequência do crime que ele cometera poucos minutos antes. A primeira morte aconteceu próximo de um ponto de tráfico. Essa ação de cobrança com o Willian, por algo que ele fez, parte já de um grupo com mais capacidade de armamento e de movimentação de pessoas — analisa Pohlmann.   

Para o delegado, a apuração realizada até o momento indica que Willian teria sido mesmo o autor do assassinato de Claiton, de acordo com relatos obtidos logo após os crimes. Mas o motivo ainda não está claro.   

— Os dois foram vistos juntos conversando e ele pediu ajuda para fugir porque havia matado uma pessoa. Só houve um crime ali antes disso. Vamos ouvir familiares deles para buscar entender o que pode ter motivado essa desavença entre eles — diz o delegado.   

Investigação   

A polícia busca identificar também quem foram os bandidos que executaram Willian. Os três seriam vinculados a um dos grupos criminosos que atua na região. 

Uma das características da Restinga é que diversas quadrilhas exploram o tráfico de drogas no local, numa espécie de “colcha de retalhos” do crime. A suspeita é de que o jovem tenha sido morto como forma de represália, por ter cometido o crime sem autorização do grupo local.   

— Sabemos qual grupo atua ali e estamos concentrando a investigação em cima disso. Vamos identificar quem foram os autores desse segundo homicídio — afirma Pohlmann.   

Leia mais
Mulher é morta a tiros pelo namorado na véspera do Ano-Novo, em Imbé
Testemunhas dizem que professora morta em Lindolfo Collor não tinha inimigo

As armas utilizadas no crime também não foram encontradas até o momento. Quando os atiradores foram até a casa de Willian, teriam também tentado recuperar a pistola usada por ele. No entanto, a arma não teria sido localizada pelo grupo. Os dois mortos tinham passagem pela polícia pelo crime de tráfico de drogas, conforme o delegado.  

O tráfico é justamente o pano de fundo da maioria dos assassinatos investigados pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) em Porto Alegre. Cerca de 80% das mortes apuradas pela polícia têm como contexto o comércio de drogas, seja em razão de disputas de territórios ou desavenças entre os próprios integrantes dos grupos criminosos. Os dois homicídios são os únicos registrados até o momento na Capital no ano de 2022. 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros