Mulher é morta com tiro na cabeça ao deixar condomínio em Canoas - Polícia

Versão mobile

 
 

Região Metropolitana08/02/2022 | 08h39Atualizada em 08/02/2022 | 08h39

Mulher é morta com tiro na cabeça ao deixar condomínio em Canoas

Crime aconteceu no bairro Mato Grande, na manhã desta segunda-feira

Mulher é morta com tiro na cabeça ao deixar condomínio em Canoas Divulgação / IGP/IGP
Peritos se deslocaram até o condomínio em Canoas Foto: Divulgação / IGP / IGP

Uma mulher foi morta com um disparo de arma de fogo na cabeça no bairro Mato Grande, em Canoas, na Região Metropolitana, na manhã desta segunda-feira (7). Segundo a polícia, o crime aconteceu por volta das 11h50min, na Rua Alberto Francisco Berens, no acesso a um residencial. A principal suspeita é de que se trate de um feminicídio, que é o assassinato de mulher em contexto de gênero.

Conforme as primeiras informações da Brigada Militar, a vítima saía do condomínio onde morava quando um homem se aproximou e disparou contra ela. A mulher — que ainda não teve o nome divulgado — morreu na hora.

Após o disparo, o autor do crime roubou o carro de um vizinho que chegava ao condomínio e conseguiu escapar. Até a tarde desta segunda-feira (7), ele não havia sido localizado. A Brigada Militar fazia buscas ao autor.

A polícia suspeita que o crime tenha sido cometido pelo ex-companheiro da vítima, contra o qual ela teria medida protetiva, em razão de episódio de violência doméstica.

Equipes da polícia e do Instituto-Geral de Perícias (IGP) estiveram no local. O atendimento da perícia foi feito pelos departamentos Médico-Legal e de Criminalística do IGP. A cena do crime foi examinada em busca de vestígios que comprovem a autoria. Já o laudo da necropsia deve determinar a causa da morte da vítima.

Feminicídios

Em 2021, o RS teve aumento dos casos de feminicídios, diferente da maioria dos outros crimes. Foram 97 mulheres assassinadas, contra 80 casos registrados em 2020. Em 2022, ainda não foram divulgados indicadores desse tipo de crime no Estado. 

Onde pedir ajuda

Brigada Militar

  • Telefone - 190
  • Horário - 24 horas
  • Serviço - atende emergências envolvendo violência doméstica em todos os municípios. Para as vítimas que já possuem medida protetiva, há a Patrulha Maria da Penha da BM, que fiscaliza o cumprimento. Patrulheiros fazem visitas periódicas à mulher e mantêm contato por telefone

Polícia Civil  

  • Endereço - Delegacia da Mulher de Porto Alegre (Rua Professor Freitas e Castro, junto ao Palácio da Polícia), bairro Azenha. As ocorrências também podem ser registradas em outras delegacias. Há 23 DPs especializadas no Estado
  • Telefone - (51) 3288-2173 ou 3288-2327 ou 3288-2172 ou 197 (emergências)
  • Horário - 24 horas
  • Serviço - registra ocorrências envolvendo violência contra mulheres, investiga os casos, pode solicitar a prisão do agressor, solicita medida protetiva para a vítima e encaminha para a rede de atendimento (abrigamentos, centros de referência, perícias, Defensoria Pública etc), entre outros serviços
 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros