Condenado por morte dos filhos e tentativa de feminicídio faz ameaças à ex-esposa de dentro da prisão - Polícia

Versão mobile

 
 

Insegurança25/05/2022 | 07h00Atualizada em 25/05/2022 | 07h00

Condenado por morte dos filhos e tentativa de feminicídio faz ameaças à ex-esposa de dentro da prisão

Ativista dos direitos das mulheres, Bárbara Penna ingressou com pedido de medida protetiva contra o ex-companheiro

Condenado por morte dos filhos e tentativa de feminicídio faz ameaças à ex-esposa de dentro da prisão Robson da Silveira / Divulgação/Divulgação
No início do mês de maio, Bárbara foi até a 1ª Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) denunciar as ameaças Foto: Robson da Silveira / Divulgação / Divulgação

 Quatro anos após a condenação de ex-marido João Guatimozin Moojen Neto a 28 anos de prisão pela morte dos dois filhos e pela tentativa de feminicídio contra ela, a ativista dos direitos das mulheres Bárbara Penna ainda convive com o medo de uma ação do homem. De dentro da Penitência Estadual de Charqueadas (PEC), Moojen Neto enviou ameaças à ex-mulher gravadas no interior da ala onde está preso.

GZH teve acesso aos dois vídeos que foram encaminhados à Bárbara por uma rede social. No primeiro, o condenado caminha sorrindo livremente pelo presídio. Já no segundo, ele diz “eu te amo” à ex-mulher.

Bárbara revela que as imagens foram enviadas por um perfil que, inicialmente, tinha uma conversa amigável e não aparentava ter relação com o ex-marido. Mas, logo em seguida, encaminhou o material.

— Quando eu vi aquilo, fiquei apavorada. Mal conseguia pensar direito, mas consegui gravar o vídeo para fazer a denúncia — contou.

Penna, que chegou a ocupar uma vaga como suplente na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, acabou bloqueando o perfil e depois, ao tentar localizá-lo para apresentar à polícia, não o encontrou mais na rede social. Com os vídeos gravados, a ativista foi até a 1ª Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) e solicitou uma medida protetiva contra Moojen Neto.

Leia mais
Justiça condena a 28 anos de prisão homem que matou filhos e tentou assassinar a ex em incêndio em Porto Alegre
Homem condenado por morte dos filhos poderá pedir progressão da pena em cerca de cinco anos
"Para mim, foi um herói", diz Bárbara Penna sobre idoso morto ao tentar salvar crianças de incêndio 

— Eu fiz a denúncia, mas sigo com medo. A Lei Maria da Penha é muito importante, mas é falha. Sei que ninguém vai me proteger, mas denunciei ele para as autoridades estarem cientes do que acontece — desabafou Bárbara.

O registro na Polícia Civil foi feito no dia 9 de maio e, conforme a delegada Cristiane Ramos, titular da 1ª Deam, o caso foi comunicado à Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe).

— Infelizmente, esse tipo de situação não é incomum de atender. Muitas mulheres recebem ameaças de ex-companheiros de dentro de prisões, seja diretamente contra ela ou por outros motivos — afirmou.

No entanto, a delegada reforçou que a denúncia precisa acontecer, mesmo que o criminoso já esteja na cadeia. Pois, segundo ela, os pedidos de medidas protetivas são um reforço para que ele não deixe a prisão antes do cumprimento total da pena.

A pedido da Justiça, a Susepe confirmou, por meio de nota, que foi realizado o cumprimento de um mandado de busca e apreensão nas celas da PEC no dia 11. Além disso, o “apenado suspeito de manipular equipamentos eletrônicos na unidade prisional foi colocado em isolamento”.

A nota da Superintendência afirma também que, no dia seguinte, realizaram nova revista na cela de Moojen Neto, mas nada ilícito foi encontrado. No dia 13, o apenado foi transferido para a Penitenciária Estadual de Canoas (Pecan), estabelecimento que possui bloqueador de celular.

Quanto ao uso de aparelhos celulares dentro das penitenciárias, a Susepe ressaltou “que realiza revistas periódicas em busca de apreensão de ilícitos. Além disso, com o recurso do projeto Avançar, está sendo realizada a instalação dos bloqueadores de celular nas unidades prisionais de alta periculosidade.”

A Defensoria Pública, que defende Moojen Neto, informou que foi comunicada sobre a possível ocorrência e está verificando os fatos. No entanto, somente se manifestará nos autos do processo.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros