"Foi um crime premeditado", diz promotor sobre morte de Ronei Júnior - Polícia

Versão mobile

 
 

Charqueadas25/06/2022 | 07h00Atualizada em 26/06/2022 | 13h56

"Foi um crime premeditado", diz promotor sobre morte de Ronei Júnior

Na manhã desta sexta-feira, terceiro dia de júri, promotoria apresentou argumentos de acusação

"Foi um crime premeditado", diz promotor sobre morte de Ronei Júnior Juliano Verardi / DICOM / TJRS/DICOM / TJRS
Promotor Sidou diante dos pais da vítima Foto: Juliano Verardi / DICOM / TJRS / DICOM / TJRS

O terceiro dia do júri do processo que apura as responsabilidades pela morte de Ronei Wilson Jurkfitz Faleiro Júnior começou na manhã desta sexta-feira (24), em Charqueadas.  Os promotores de justiça Anahi Gracia de Barreto e João Cláudio Pizzato Sidou deram início à audiência. Um vídeo de uma câmera de segurança que registrou a briga que resultou na morte foi mostrado pelos membros do Ministério Público.

— Esse foi um crime premeditado — avaliou Sidou.

As imagens mostram que o fato foi rápido, durando 2min30seg. Pessoas aparecem cercando o carro onde as vítimas entraram, batendo no veículo e nas vítimas e jogando garrafas.

Leia mais
"Foi submetida a um intenso sofrimento, é uma violência inominável", diz delegada sobre menina de três anos morta em Alvorada
“Dei duas ou três garrafadas nele”, admite réu durante júri pelo assassinato de adolescente em Charqueadas
Humberto Trezzi: nudes, o flerte que custa caro

O promotor explicou a dinâmica dos fatos desenhando em uma espécie de lousa. De acordo com ele, um dos réus teria dito, em depoimento à Polícia Civil, que passou pelo amigo da vítima e o teria alertado que alguém faria algo com ele, indicando a premeditação.

Conforme o promotor, os depoimentos comprovam que os réus queriam "pegar um cara" de São Jerônimo. É uma referência ao amigo de Júnior, Richard Saraiva de Almeida, que ficou ferido na briga e entrou no carro com a namorada Francielli Wienke, o pai de Júnior, Ronei Faleiro, e o adolescente que acabou morrendo.

Vídeos de testemunhas que prestaram depoimento na fase de instrução foram mostrados pelo Ministério Público. Sidou explicou como o pai agiu para tentar salvar os adolescentes.

— Infelizmente ele não conseguiu salvar a vida do filho. Por quê? Porque ele foi neutralizado — disse o promotor sobre o ataque ao pai da vítima.

Em seguida falou o promotor Eugênio Paes Amorim. Ele descreveu o papel de cada um dos acusados no crime.

— O Vinícius era o comandante da ação — disse Amorim.

Sobre Leonardo, relatou que foi ele quem impediu que o pai de Júnior protegesse as vítimas.

— Se não desse a voadora, o pai conseguiria defender o filho. O Leonardo vem com uma conversa que deu um só chute. Perguntado pelo magistrado, disse que deu uma voadora jogando o pai longe.

Em relação a Peterson, disse que ele teve o papel principal na morte de Júnior.

— O Peterson quebra a garrafa na cabeça da vítima e crava a garrafa na cara da vítima — disse Amorim.

Laudos periciais foram mostrados aos jurados, entre eles, o de necropsia.

— Se ele não tivesse tomado uma garrafada, ele não teria morrido — sustentou o promotor.

Os pais da vítima, que acompanham o júri em plenário, choraram em vários momentos. O promotor mostrou aos jurados uma foto chocante da vítima, já morta, com vários cortes no rosto. Ao final, Amorim abraçou Ronei Faleiro, o pai.

O promotor Eugênio Paes Amorim durante o júri do Caso Ronei, em Charqueadas<!-- NICAID(15131517) -->
Promotor Eugênio Paes Amorim junto do pai da vítimaFoto: Juliano Verardi / DICOM / TJRS

À tarde, os três defensores dividem duas horas e meia para a argumentação. Estão sendo julgados os réus Peterson Patric Silveira Oliveira, Vinicius Adonai Carvalho da Silva e Leonardo Macedo da Cunha. No total, o caso tem nove acusados.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros