Polícia Civil faz operação em condomínio que seria usado por facção para torturas e homicídios no Vale do Sinos  - Polícia

Versão mobile

 
 

Em São Leopoldo02/06/2022 | 07h00Atualizada em 02/06/2022 | 07h00

Polícia Civil faz operação em condomínio que seria usado por facção para torturas e homicídios no Vale do Sinos 

Três pessoas foram presas. Agentes cumpriram ainda 15 mandados de busca e apreensão

A Polícia Civil realizou operação, na manhã desta quarta-feira (1º), em dois condomínios de São Leopoldo, no Vale do Sinos. Os conjuntos habitacionais seriam usados por uma facção criminosa para o tráfico de drogas, e em um deles, teriam ocorrido torturas e homicídios.

Três pessoas — que não tiveram os nomes divulgados — foram presas temporariamente. O líder do grupo, que teria dado as ordens para as execuções, teve mandado de prisão cumprido contra ele dentro da Penitenciária Estadual do Jacuí (PEJ), em Charqueadas, na Região Carbonífera.

Também foram cumpridas 15 ordens de busca e apreensão nos condomínios. Cerca de 60 agentes estiveram em residências do local, conhecido como "ilha do tráfico de drogas", no bairro São Miguel.

— A investigação teve início há cerca de quatro meses, quando um desafeto do grupo, após ser espancado e torturado, conseguiu fugir — afirma o titular da Delegacia de Homicídios de São Leopoldo, André Serrão.

Leia mais
Polícia recupera TVs, notebooks e celulares que haviam sido furtados na Capital
Como agia a quadrilha que sequestrava caminhoneiros no RS
PF sequestra mais de R$ 1,6 milhão em bens de investigados por contrabandear cigarro

Entre os presos, há dois gerentes do tráfico e o suspeito de ter torturado o homem que fugiu. O fato ocorreu em setembro do ano passado e, com vários hematomas e fraturas pelo corpo, a vítima acionou a polícia na época.

A investigação teve início posteriormente, porque os agentes precisavam de mais provas. Com isso, foi feito um monitoramento do local, testemunhas foram ouvidas e a perícia foi acionada.

Além da tortura seguida de tentativa de homicídio, pelo menos dois assassinatos estão atrelados a um dos condomínios, conforme a investigação. No entanto, as duas pessoas ainda estão como desaparecidas, mas Serrão já tem indícios da participação dos mesmos envolvidos.

De acordo com o delegado, todas as vítimas também seriam traficantes que ficaram devendo dinheiro para a facção ou porque perderam carregamentos de drogas.

A operação teve apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil (Core/PCRS) e do Canil da Delegacia de Polícia de Sapiranga. As buscas ocorreram em 11 residências dos dois condomínios de casas: Creta e Malta. Nos locais, foram apreendidos crack, cocaína, maconha, balança de precisão e outros materiais que serão usados como provas para os demais crimes. 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros