Polícia investiga quem encomendou morte de líder dos Bala na Cara  - Polícia

Versão mobile

 
 

Guerra do tráfico20/03/2016 | 13h29Atualizada em 20/03/2016 | 16h50

Polícia investiga quem encomendou morte de líder dos Bala na Cara 

Imagens de câmeras e informações de celular apreendido no local onde Marcos Rogério dos Santos Guedes, o Porcão, foi morto no sábado pela manhã serão investigadas

Polícia investiga quem encomendou morte de líder dos Bala na Cara  Divulgação/Polícia Civil
Porcão era apontado pela polícia como um dos criadores e mentores dos Bala na Cara Foto: Divulgação / Polícia Civil

Os investigadores do Departamento de Homicídios da Capital consideram fundamental as análises das imagens de câmeras de monitoramento do local onde Marcos Rogério dos Santos Guedes, o Porcão, 39 anos, foi morto e outros dois homens foram baleados na manhã de sábado e do trajeto percorrido por eles, em um Civic, desde Charqueadas até a emboscada na Avenida Sertório, Bairro Navegantes, Zona Norte de Porto Alegre. Entre os elementos que serão analisados pela 2ª DHPP há ainda um aparelho de celular apreendido dentro do carro das vítimas.

Leia mais:
Cabeças da facção Bala na Cara estão presos
Guerra do tráfico na Zona Leste de Porto Alegre mata um por dia em janeiro
Morte de jovem foi o estopim do conflito entre facções na Zona Leste

A intenção, de acordo com  o delegado Cassiano Cabral, que abriu inquérito para investigar o crime, é determinar se a morte do homem apontado como um dos principais líderes da facção criminosa Bala na Cara foi encomendada. A suspeita é de que seus algozes tiveram informação exata sobre o momento da sua saída do Instituto Penal de Charqueadas, onde cumpria pena e iniciaria uma saída temporária com o uso de tornozeleira eletrônica.

Carro das vítimas foi atingido por pelo menos 50 tiros de submetralhadora e pistola Foto: Ronaldo Bernardi / Agência RBS

Ainda na tarde de sábado, o Corsa supostamente usado pelos atiradores foi apreendido pela Brigada Militar, abandonado na Avenida João Wallig, Bairro Passo d'Areia. O carro era clonado, com placas de Pelotas. O veículo também deve ser periciado.

— Sem dúvida foi um crime relacionado aos atuais confrontos desta facção. Há uma guerra entre grupos rivais. Trabalhamos para precisar qual grupo foi autor do homicídio — explica o delegado.

Desde o começo do ano mais de 30 pessoas foram assassinadas na guerra do tráfico que teve início entre os bairros Bom Jesus, reduto dos Bala na Cara, e Vila Jardim, de onde surgiu uma aliança de quadrilhas espalhadas por praticamente toda a cidade, que se denominam Anti-Bala.

Pouco tempo depois do crime, um foguetório em homenagem ao Porcão foi ouvido no Bairro Bom Jesus. E a Brigada Militar reforçou a presença nesta região e nos bairros Vila Jardim e Santa Tereza, onde há suspeita de que podem haver represálias pelo homicídio.

Leia mais notícias do dia

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros