Dívidas podem afetar a saúde: faça o teste para avaliar se você está sofrendo com isso e saiba como sair dos buracos financeiro e emocional - Informações sobre finanças, guias e outras utilidades no Diário Gaúcho

DG Ajuda Você05/11/2016 | 10h02Atualizada em 05/11/2016 | 10h03

Dívidas podem afetar a saúde: faça o teste para avaliar se você está sofrendo com isso e saiba como sair dos buracos financeiro e emocional

Pesquisa revela que inadimplentes estão deprimidos por não conseguirem pagar as contas. 

Dívidas podem afetar a saúde: faça o teste para avaliar se você está sofrendo com isso e saiba como sair dos buracos financeiro e emocional Tadeu Vilani/Agencia RBS
Paulo Roberto perde o sono com as dívidas. Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Nos últimos meses, o rodoviário aposentado Paulo Roberto Martins Portugues, 61 anos, tem acordado no meio da noite. Enquanto dormem a filha, Paola, oito anos, e a esposa, Maria Noemia, 52 anos, ele perambula pela casa de alvenaria que construiu no Bairro Formosa, em Alvorada.

Leia mais:
Receita Federal abre terça-feira consulta a novo lote da restituição
Saiba quem o governo convocou para atualizar o cadastro do Bolsa Família

– E não consigo dormir mais. Caminho pela casa me perguntando o que eu vou fazer, sento na sala e fico no escuro. Elas (a filha e a esposa) é que me dão força – desabafa Paulo Roberto, que recebe aposentadoria de R$ 3 mil.

Neste mês, sobraram R$ 1,7 mil para remédios, contas da casa e comida. Quase metade do benefício foi consumida por dois empréstimos consignados que têm muito a ver com o tratamento de Maria Noemia, que sofre de hérnia de disco.  

A angústia dele é comum a muitas pessoas. Levantamento nacional do SPC Brasil e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas realizado com consumidores com contas em atraso há mais de 90 dias aponta que dois em cada três inadimplentes, 65,6% dos entrevistados, se sentem deprimidos, tristes e desanimados por estarem devendo. Faça o teste abaixo e confira se você pode estar nesse grupo.

Encarar é a saída

Para a psicóloga e consultora de educação financeira Vera Rita de Mello Ferreira, a grande dificuldade de quem já afundou nas dívidas e não consegue pagá-las é assumir a situação. 

– Existe uma grande dificuldade para o endividado encarar a própria situação, ele foge disso. E quanto mais tempo demora para se dar conta, mais as dívidas aumentam – adverte.

Mas como ninguém se livra dos carnês da noite para o dia, é preciso, enquanto se ajustam as contas, segurar a onda nos picos de tristeza.

– No momento mais pesado, é preciso, por exemplo, conversar com alguém, um amigo ou um familiar. Fazer uma caminhada, uma atividade física, também ajuda nessas horas – afirma ela.

Dívidas e crises de choro

Aos 20 anos, Aiadny Fraga já sabe que o endividamento além da capacidade de pagar cobra um preço alto da saúde emocional. Sem um controle firme das contas, mergulhou na areia movediça do limite da conta bancária. A partir daí, a bola de neve só cresceu, pressionada ainda mais pelas despesas para criar os filhos Maittê, um ano, e Caique, quatro.

Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

– Eu fico pensando ¿e se eu não tivesse gastado nisso ou naquilo¿. É um arrependimento que vem e me empurra para baixo. Tenho crises de choro, não consigo dormir. O apoio da família é fundamental nessas horas – conta Aiadny, moradora do Bairro Partenon, na Capital. 

Decidida a quitar o que deve e limpar o nome, promete se organizar para não entrar mais no ciclo de inadimplência e depressão. 

– Quero me livrar da dívida no banco e voltar a respirar – torce Aiadny, que faz doces em casa para ajudar nas despesas ao lado do marido, que trabalha em uma lancheria no Centro. 


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros