Bebê que nasceu com má-formação congênita nos pés aguarda cirurgia pelo Sus há quatro meses - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seu problema é nosso13/09/2016 | 08h08Atualizada em 13/09/2016 | 08h41

Bebê que nasceu com má-formação congênita nos pés aguarda cirurgia pelo Sus há quatro meses

A Secretaria da Saúde informou que Manuella deve ser operada até o final deste mês

Bebê que nasceu com má-formação congênita nos pés aguarda cirurgia pelo Sus há quatro meses Arquivo pessoal/Leitor/DG
Djeniffer e Manuella Foto: Arquivo pessoal / Leitor/DG

Manuella Menezes Carvalho, quatro meses, ainda não conseguiu calçar os sapatinhos comprados com carinho pela vovó Ângela Velloso Menezes, 36 anos. A menina nasceu com má-formação congênita nos pés e não movimenta as pernas. Para reverter a situação, Manuella precisa de uma cirurgia ortopédica. Mas a demora para realizar o procedimento pelo Sistema Único de Saúde está preocupando a família.

— Até quando ela vai ficar na fila se essa cirurgia precisa ser feita desde que ela nasceu? Quanto mais tempo passar, mais difícil será — lamenta a avó.

Logo que a menina recebeu alta do Hospital de Alvorada, onde nasceu no dia 10 de maio deste ano, uma consulta com o pediatra foi solicitada em caráter de urgência.

Leia mais notícias da seção Seu Problema é Nosso!

No entanto, após três meses de espera e de angústia por não ter um diagnóstico certeiro, a família resolveu apertar o orçamento e pagar uma consulta particular. Foi então que descobriram que o problema foi originado durante a gestação. Além disso, Manuella não movimenta as pernas porque o tendão está estendido e por isso ela não consegue esticar os membros inferiores. Apesar disso, os médicos garantem, segundo a avó, que a criança tem sensibilidade e há grande chance de melhora por meio da cirurgia.

Manuella nasceu com os dois pezinhos tortos  Foto: Arquivo pessoal / Leitor/DG

Consulta

Ângela, responsável legal pela mãe da menina, Djenifer Menezes Silveira, 17 anos, resolveu insistir no atendimento público. Em Porto Alegre, procurou o Conselho Tutelar para pedir orientação. A solução encontrada foi a jovem mudar-se para a casa de uma tia, na Capital. O primeiro passo foi dado, a menina conseguiu atendimento no posto de saúde Santa Marta, na última terçafeira, mas ainda não há certeza de quando a cirurgia será realizada.

— A cirurugia particular custa cerca de R$ 18 mil. Eu e meu marido somos assalariados, é impossível pagar — queixa-se a auxiliar de limpeza.

Leia mais
Problemas com ônibus adaptados da Soul prejudicam tratamento de menina cadeirante
Família precisa arrecadar R$ 6 mil para menino fazer exames no Exterior

Expectativa de prazo é um mês

A Secretaria da Saúde de Porto Alegre informou que Manuella foi cadastrada no sistema dia 8, às 7h41min. A expectativa é que ela seja atendida até o final deste mês. Segundo a secretaria, a fila de espera para esse tipo de procedimento anda rápido e a paciente mais antiga está esperando há cerca de um mês.


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • edsonnemoto

    edsonnemoto

    edson nemotoNovas regras passarão a valer para trabalhadores com idade até 50 anos https://t.co/YugE6YaqVT via @diario_gauchohá 8 horas Retweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros