Atraso em entrega de medicamento provoca constrangimento para moradora de Porto Alegre - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seu problema é nosso02/11/2016 | 12h37Atualizada em 02/11/2016 | 15h14

Atraso em entrega de medicamento provoca constrangimento para moradora de Porto Alegre

Geneci tem paralisia facial e precisa fazer aplicação de botox a cada seis meses

Atraso em entrega de medicamento provoca constrangimento para moradora de Porto Alegre Leitor DG/Arquivo Pessoal
Foto: Leitor DG / Arquivo Pessoal
Diário Gaúcho
Diário Gaúcho

Ultimamente, andar pelas ruas de Porto Alegre não tem sido fácil para a moradora do Lami Geneci Maria Barela Porto, 48 anos. Há três anos, ela foi diagnosticada com paralisia facial e, por isso, sofre com contrações que repuxam a pele abaixo do olho direito e perto da boca. A situação atrai olhares curiosos que deixam a dona de casa constrangida.

— É muito feio. Todos perguntam o que é, e eu fico com vergonha — confessa.

Isso acontece sempre que ela passa por situações de estresse ou quando fica muito tempo sem fazer as aplicações de toxina botulínica (botox). O medicamento faz parte do tratamento para minimizar os sintomas da doença, que não tem cura.

Leia mais notícias da seção Seu Problema é Nosso!

Geneci realiza aplicações a cada seis meses na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. No mês de outubro, ela passaria por um novo procedimento. No entanto, a demora para a liberação da dose pela Farmácia de Medicamentos Especiais está piorando o estado de saúde da dona de casa.

— Quando eu tento ler, meu olho contrai e não consigo enxergar. Também tenho muitas dores de cabeça — conta.

Mais uma vez Geneci explica que entregou a receita na Farmácia para a avaliação de um perito no dia 14 de setembro, quando foi informada de que a liberação deveria acontecer em até 30 dias. Contudo, sempre que liga para o local, recebe a resposta de que a perícia ainda não foi concluída.

Não é a primeira vez que o atraso da liberação do medicamento pela Farmácia Municipal impede que Geneci dê continuidade ao tratamento. Em março deste ano, ela passou pela mesma situação, e só conseguiu realizar o procedimento em maio – depois que o assunto foi tratado no Diário Gaúcho. Por causa da demora, o médico oftalmologista precisou abrir, de última hora, um espaço na agenda para conseguir atender Geneci.

Leia mais
Família de Guaíba luta na Justiça para quitar mensalidades de menino autista
Moradores de vila de Viamão caminham mais de 1km para pegar ônibus

Remédio, agora, está à disposição

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde (SES), "o processo da paciente foi reavaliado e deferido por consultor técnico da SES, estando o medicamento disponível para atendimento da paciente".

Quanto à rotina de reavaliação, a secretaria informa que "ela é imprescindível para manutenção dos tratamentos, constando em Protocolos Clínicos e sendo exigida pelo Ministério da Saúde. O processo funciona como a rotina de acompanhamento com o médico prescritor da usuária, que, mesmo tendo fechado diagnóstico, continua acompanhando a paciente regularmente."


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • acervo_multi

    acervo_multi

    Acervo Multimídia@dailypitanga Diário Gaúcho - Camila Pitanga VENCEU: https://t.co/NbySFcTSfUhá 37 segundosRetweet
  • acervo_multi

    acervo_multi

    Acervo Multimídia@pitangantonelli Diário Gaúcho - Camila Pitanga VENCEU: https://t.co/NbySFcTSfUhá 1 minutoRetweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros