Escola de Zona Rural de Viamão usa tecnologia para aumentar desempenho dos alunos - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Inovação na sala de aula22/11/2016 | 08h04Atualizada em 22/11/2016 | 09h50

Escola de Zona Rural de Viamão usa tecnologia para aumentar desempenho dos alunos

Robótica e jogos em tablet elevaram Ideb e índice de aprovação de alunos da Zona Rural de Viamão

Escola de Zona Rural de Viamão usa tecnologia para aumentar desempenho dos alunos Bruno Alencastro/Agencia RBS
Com ajuda de jogos interativos em tablets, alunos do primeiro ano aceleram a alfabetização Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS

No interior de Viamão, onde o sinal de celular é ruim e a internet banda larga não tem jeito de chegar, a Escola Municipal de Ensino Fundamental Jerônimo Porto, na Zona Rural de Viamão, conseguiu vencer o baixo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) usando a tecnologia. Aulas de robótica para todos os alunos e com tablet para os que estão em fase de alfabetização transformaram a escola em exemplo no município.

Localizada a 16km do Centro, a escola começou a revolucionar o currículo pedagógico ainda em 2014, ao utilizar sucata para as aulas de robótica do professor de Matemática e agora diretor Eduardo Cruz. Com o material, ele mostrava exemplos práticos do conteúdo teórico. 

Leia mais:
Saiba o que você pode fazer com a nota do Enem e fique ligado se sua prova foi adiada para dezembro
Como uma escola estadual no limite entre POA e Viamão resolveu o problema da falta de materiais
Estudantes do curso de magistério contam por que querem ser professores

Ao mesmo tempo em que a robótica foi inserida no cotidiano dos alunos, o uso da Conecturma – metodologia de aprendizagem adquirida pela prefeitura para 12 escolas municipais, que utiliza livros, plataforma digital e games – em tablets também mudou as aulas da turminha do primeiro ano. 

Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS

Desde o início de 2015, a professora Carine Dias Soares começou a usar personagens, jogos e a interatividade para acelerar a alfabetização da gurizada. A ideia era tornar a escola mais interessante, envolver as famílias e qualificar o aprendizado. Deu tão certo que o índice de aprovação, que chegou a 80% em anos anteriores, pulou para 92% em 2015. Já o Ideb foi de 4,2, em 2013, para 5,6 em 2015 – superando a meta projetada para 2017, de 5,4.

Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS


— Cada um tem um sonho que quer transformar em realidade. Os pequenos montam um trem e querem fazer ele andar, fazem uma casa e pensam em como instalar nela uma campainha — exemplifica a professora Carine. 

O pequeno Gustavo Rohmann Ribas, sete anos, se orgulha em dizer que "lê no tablet e no caderno" e ainda dá uma força para o colega Gabriel Souza Batista, sete anos, que já une algumas letras em sílabas. Enquanto conversavam com a reportagem, poucas vezes desgrudavam os olhos da tela. 

Gustavo orgulhoso que já consegue ler no tablet Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS

Desafios estimulam a curiosidade

Por meio do Conecturma, os alunos não recebem atividades, mas desafios que estimulam a curiosidade e o pensamento crítico. Músicas, como o funk do alfabeto, também compõem o repertório do programa. Com material familiar e inteligente, a criançada se reconhece nos personagens e aprende com leveza:

— As crianças precisam de elementos que interessem elas. Tanto os games quanto a fala do computador. Isso atrai porque eles já nasceram neste universo tecnológico. Aqui, todos sabem o que é tablet. O projeto inclui todos, não deixa ninguém de fora.

Para o diretor da Conecturma, Rafael Parente, o projeto tenta reverter um dos maiores problemas da não aprendizagem, que é a falta de interesse dos alunos, usando a tecnologia, uma ferramenta que aumenta a motivação:

— Com auxílio da tecnologia, os professores podem dar uma atenção individualizada, conhecer melhor cada criança, enquanto a turma toda está engajada na atividade, além de conseguir identificar uma criança que tenha mais dificuldade e tentar entender melhor de onde vem aquela dificuldade. 

Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS


Todos os recursos dos tablets funcionam com cartão de memória offline e não dependem da internet.

— A gente não deixa de fazer nada por falta de internet, mas tudo que a gente faz poderia ser ampliado se tivéssemos banda larga _ compara o diretor. 

"É fantástico ver um aluno aprendendo a ler"


São 30 tablets usados em rodízio pelas turmas. Os alunos são orientados a ter cuidado no manejo do aparelho. A principal regra é não tirá-los de cima da mesa.Sebastião Farias Vieira e Eduardo Santos Silveira, ambos com sete anos, dizem que a aula é muito mais divertida quando usam o tablet. Andrieli Cristina Amorim da Silveira, sete anos, aprendeu a ler com ajuda do eletrônico._ O que mais gosto de fazer é completar as letras que faltam nas palavras _ diz ela, se referindo a uma das atividades.

— É fantástico ver um aluno aprendendo a ler. Eu fico sem palavras — emociona-se a professora Carine. 

Professora Carine acompanha de perto a evolução dos pequenos Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS


Fazendo tanto com tão pouco, a escola do Interior, com 215 alunos, orgulha a secretária de Educação de Viamão, Marcia Culau. Para ela, desafiar mais os professores e investir no pedagógico deu outro ânimo para a instituição:

— A escola é realmente inovadora. Eles fazem um trabalho muito gratificante. Hoje, os alunos pesquisam coisas que são do interesse deles. Isso faz com que o aluno não tenha limite no que quer aprender, porque ele vai atrás.

Leia mais notícias do dia

Sem medo da robótica

Além de ter melhorado o rendimento em sala de aula, principalmente nas disciplinas que envolvem cálculo, os alunos deixaram a apreensão de mexer com robótica de lado para a curiosidade de avançar cada vez mais:

Turma do sétimo ano aprendeu a gostar de robótica e já faz planos para o futuro Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS


—A gente vê dando certo e quer fazer mais – conta Leonardo Azolin, 13 anos, aluno do sétimo ano.Rayane Fabonatto, 13 anos, também do sétimo ano, orgulha-se de ter mudado sua visão sobre o assunto:

— No começo é difícil, assusta, a gente acha que não vai conseguir programar uma placa — admite.Na sala de robótica, um ajuda o outro, empresta um fio, tira uma dúvida e faz um trabalho em grupo dar certo.

— Isso pode ser uma porta se abrindo para o futuro — projeta Eduardo Castro, 14 anos, do sétimo ano.


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros