Manoel Soares revela a última lição que aprendeu em 2016 - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Papo Reto31/12/2016 | 07h05Atualizada em 31/12/2016 | 07h05

Manoel Soares revela a última lição que aprendeu em 2016

Colunista faz reflexão sobre o ano

Manoel Soares revela a última lição que aprendeu em 2016  /
Foto: /

A última lição de 2016 aprendi nesta semana. Parei próximo à Rodoviária de Porto Alegre onde um morador de rua se instalou. Ele é uruguaio e faz pinturas nas pilastras que dão acesso à Avenida da Legalidade. Apresentou-se como Daniel Jesus, um homem que, às 8h de uma sexta-feira, não cheirava a álcool nem tinha os dedos queimados pelo consumo de crack.

Manoel Soares: "Se você está lendo este texto, é porque é um sobrevivente"

Ele varria a frente de sua casa improvisada e pegou dois baldes para que sentássemos para conversar. Quando falei sobre 2017, ele disse que isso não importava, que a contagem dos anos é uma invenção humana para dividir épocas, vidas e pessoas. Disse que quem espera uma vida melhor em 2017 poderia querer antes da virada, ou seja, na lógica dele, Ano-Novo não é só a espera de um momento melhor, mas a permanência em um momento pior enquanto aguardamos.

Manoel Soares: "Ainda tenho muito a aprender sobre direitos humanos"

Quando falamos de fazer o bem, ele disse que vê homens que parecem ser bons passarem pela avenida, mas seus carros potentes soltam fumaça que destrói o meio ambiente, ou seja, de que adianta ser bom se mata o planeta? Respondi que andar e respirar são presentes que tratamos como algo banal.

Respirar e andar são bons pedidos para este novo ciclo. Ouvindo ele, pensei: nunca pedi ar no meu novo ano, talvez, porque sempre tive. 

Leia todas as colunas do Manoel Soares

Sabedoria

Aquele homem não possuía uma casa e tinha pouca comida, mas uma clareza da vida que me despertou admiração e, por pouco, não virou inveja. Na mesma hora, pensei: essa sabedoria é resultado de muita dor. Ele deve ter sentido na pele cada conselho que me deu.

E assim será nosso 2017, cheio de lições das dores de 2016. Cometeremos erros, mas esperamos que sejam novos, pois os de 2016 precisam ficar aqui. Desejo a vocês a certeza que aquele morador de rua tem. Ele não sabe ao certo o que quer, mas soube me dizer tudo que não queria.

Perguntei o que me desejava, e ele disse: "Quero que tudo que você não quer fique longe. Que seus desejos sejam bons para quem estiver à sua volta, que nenhuma porrada seja forte demais para que deseje ser injusto e nenhum carinho te faça refém a ponto de aceitar injustiça. Que o vento no rosto te dê mais prazer do que o ar-condicionado e que esteja pronto para viver por algo que não custe nada, mas seja muito valioso".

Tudo que ele me desejou quero que você também tenha.


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros