Vazamento de esgoto se estende há um ano em bairro de Porto Alegre - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seu problema é nosso23/11/2017 | 09h47Atualizada em 23/11/2017 | 09h47

Vazamento de esgoto se estende há um ano em bairro de Porto Alegre

O esgoto corre a céu aberto e toma quase toda a Rua Tenente Arizoly Fagundes, no bairro Restinga, zona sul da Capital

Vazamento de esgoto se estende há um ano em bairro de Porto Alegre Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Água suja está por toda parte da rua Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

A dona de casa Madga Rejane Soares dos Santos, 33 anos, está grávida de seis meses e convive diariamente com uma situação muito desconfortável: o esgoto que corre a céu aberto e toma quase toda a via em que mora, a Rua Tenente Arizoly Fagundes, Acesso C, no bairro Restinga, em Porto Alegre. 

Leia mais
Força-tarefa do Dmae trabalha para consertar vazamentos pelas ruas de Porto Alegre
Falta de pagamento por parte da prefeitura deixa ruas esburacadas na Praia do Lami
Esgoto é consertado depois de 20 anos em Dois Irmãos, no interior do Estado

O problema, que já acontece há mais de um ano, incomoda todos os moradores da região, que têm que conviver com o mau cheiro e os riscos que a água parada pode trazer. 

— É inaceitável. Estamos há tanto tempo pedindo pelo conserto, mas só recebemos desculpas vazias. Meu filho não pode brincar mais na rua, não pode andar de bicicleta — desabafa Magda. 

A moradora afirma que todas as ligações para a prefeitura são decepcionantes. Ela diz que a falta de equipamento, especificamente da retroescavadeira, era a resposta mais comum que recebia até o mês passado, quando passaram a afirmar que a demora decorria de uma mudança da empresa terceirizada. A promessa era de que, até a segunda quinzena de dezembro, algo fosse feito para reparar o problema. 

— Ter que esperar todo esse tempo e, mesmo assim, não receber uma resposta concreta é muito difícil. Eu estou grávida, o cheiro me dá muita náusea e dor de cabeça, é muito difícil — relata. 

Desamparo 

Magda afirma que não só ela, como vários vizinhos, já entraram em contato com a prefeitura para pedir respostas. Especialmente os proprietários de um restaurante próximo à casa dela, que chegaram a perder clientes em função do mau cheiro. 

Leia mais notícias da seção Seu Problema é Nosso! 

— Afeta todo mundo, e de inúmeras maneiras. O cheiro, a dificuldade de circulação e o perigo de ter esse esgoto a céu aberto — explica a dona de casa. 

Prefeitura não dá previsão para efetuar o conserto

A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSUrb), por meio de sua assessoria de imprensa, informou que, no dia 9 de novembro, o contrato com a empresa terceirizada que prestava serviços de manutenção de águas pluviais foi rompido de forma unilateral. 

A terceirizada alegou para o órgão desconformidade em questões contratuais. O caso está sendo tratado pela Procuradoria-Geral do Município. A SMSUrb afirmou que um novo contrato emergencial está em andamento e deverá entrar em vigor na segunda quinzena do mês de dezembro. 

Portanto, as demandas estão sendo encaminhadas aos setores responsáveis para que sejam feitas vistorias e, posteriormente, a inclusão dos serviços na programação. A administração pública afirmou que a Divisão de Manutenção de Águas Pluviais (Damp, antigo DEP) está trabalhando com pelo menos cinco equipes nos pedidos emergenciais — tais como arredores de escolas, postos de saúde e vias, onde o problema impeça o tráfego de veículos. 

Ainda não há uma previsão para o conserto do problema na via de Magda. 

*Produção: Leticia Gomes 

Leia mais notícias da seção Seu Problema é Nosso! 

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros