Menina tem fixador externo removido depois de seis meses de espera - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seu problema é nosso01/12/2017 | 10h43Atualizada em 01/12/2017 | 10h43

Menina tem fixador externo removido depois de seis meses de espera

Um mês após a história de Kauany ter sido contada pelo Diário Gaúcho, ela está em casa, se recuperando da cirurgia de remoção, que foi feita no dia 14 de novembro

Menina tem fixador externo removido depois de seis meses de espera Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Kauany se recupera da cirurgia em casa Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Kauany Cardoso, cinco anos, moradora de Viamão, nasceu com neurofibromatose congênita, doença que provoca tumores no cérebro, na medula espinhal e nos nervos. Ela tem facilidade em quebrar os ossos do pequeno corpo. 

Leia mais
Em Alvorada, paciente sofre com falta de ambulância para transporte
Água escura e falhas no abastecimento preocupam moradores de Porto Alegre, Canoas e Viamão
Morador de Alvorada espera por cirurgia desde 2015

Para tentar contornar o problema, a menina passou por uma cirurgia para colocar um fixador externo no dia 23 de agosto de 2016. Porém, o momento de retirar o equipamento demorou mais do que o previsto: meio ano a mais. 

Hoje, um mês após a história de Kauany ter sido contada pelo Diário Gaúcho, ela está em casa, se recuperando da cirurgia de remoção, que foi feita no dia 14 de novembro. 

Mãe da menina, a vendedora desempregada Janaína Cardoso, 28 anos, conta que, após a publicação da reportagem, o Hospital Universitário de Canoas e a Secretaria de Saúde de Viamão entraram em contato com a família: 

— Marcaram uma consulta e, nela, falaram que o fixador já deveria ter sido tirado. No outro dia, ela fez os exames de sangue. Uma semana depois, o fixador foi retirado. 

Após a cirurgia 

Após o procedimento, a menina logo foi para casa. Agora, Kauany se recupera bem e não sente dor, mesmo com o gesso na perna. A cirurgia trouxe alívio para a mãe, já que, com o fixador, a menina corria risco de ter infecções.

Entretanto, a retirada do fixador não definiu o fim do tratamento da menina. A preocupação com o futuro da filha aflige a mãe, que relata uma falta de esclarecimentos por falta dos profissionais de saúde. 

Sem o fixador na perna direita, Kauany já está voltando a ter uma vida normal de criança: brincando, sem dores. 

*Produção: Eduarda Endler

Leia mais notícias da seção Seu Problema é Nosso!   


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros