Prefeitura promete novo muro e calçada, mas para obra no meio e prejudica moradores, em Viamão - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso10/05/2018 | 09h37Atualizada em 10/05/2018 | 09h40

Prefeitura promete novo muro e calçada, mas para obra no meio e prejudica moradores, em Viamão

Segundo a administração municipal, as obras fazem parte do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) Augusta, uma parceria da prefeitura com o governo federal

Prefeitura promete novo muro e calçada, mas para obra no meio e prejudica moradores, em Viamão Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Novo espaço está sem calçada prometida e deixou moradores sem saber como agir Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

O porteiro Paulo Edgar Silva da Silva, 57 anos, morador da Avenida Plácido do Carmo, na Vila Augusta, em Viamão, é um dos afetados por uma obra que era promessa de expansão da calçada e pavimentação da via. 

Leia mais
Família está há seis meses sem receber aluguel social, em Porto Alegre
Paciente aguarda há três anos por cirurgia bariátrica, em Canoas
Jovem espera há cinco anos por tratamento para doença nas articulações, em Gravataí

Em janeiro de 2018, o porteiro aceitou o pedido da prefeitura e cedeu dois metros de seu terreno para a revitalização do local. 

— Não recebi nenhuma compensação, eles afirmaram que era para o nosso bem, para a melhoria da avenida. Agora, estamos desamparados. 

Em fevereiro, agentes do município foram até o terreno de Paulo começar a obra. O primeiro passo, e único até o momento, foi a construção de um novo muro. A estrutura metálica dele foi instalada na parte da frente do terreno. 

— Eles começaram a fazer o muro, mas, em março, saíram daqui com todos os equipamentos e materiais. Até hoje, não recebemos nenhum retorno da prefeitura — conta Paulo.

A obra afetou também a construção de uma segunda casa no terreno. O porteiro conta que a nova residência seria usada por uma de suas filhas. 

Espera 

Paulo explicou que o poder público prometeu erguer uma nova estrutura para compensar a perda do imóvel que já estava estabelecido. Entretanto, o acordo não foi mantido: 

— Eles ergueram somente novas paredes, mas a estrutura que tínhamos já estava com telhado e piso. Ou seja, saímos com um certo prejuízo. 

Obra da prefeitura passou por casa que estava sendo construída no terreno de PauloFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Além do terreno de Paulo, outra residência foi afetada pela obra. A dona de casa Débora Bastos Pereira, 44 anos, também cedeu parte de seu terreno e afirma que a última visita dos agentes da prefeitura foi em 24 de fevereiro: 

— Eles vieram aqui e colocaram o alicerce do muro. Depois disso, nunca mais tive notícias. 

Débora é vizinha da família de Paulo e, assim como ele, ficou bastante preocupada ao ver que a estrutura metálica estava muito abaixo do nível da rua. A dona de casa reclamou com o chefe de obras que, em um primeiro momento, afirmou que a construção estava regular. Entretanto, no dia seguinte, o desnível foi reparado com algumas pedras, como conta Débora: 

— Ficou inviável essa obra. Tivemos mais prejuízos, não sabemos quando vai ser finalizada. A promessa era de melhoria na via, mas, por enquanto, não vimos nada disso. 

 Promessa de retomada em 15 dias 

A prefeitura de Viamão afirmou que a obra tem como objetivo a pavimentação e construção de calçada na via. Explicou que, tendo em vista questões contratuais e de logística da empresa que realiza o serviço, o município entendeu que era interesse público realizar a readequação dos muros. 

A obra, segundo a prefeitura, não foi abandonada. Ela está em pausa, aguardando a compra do restante do material para conclusão e correção de algumas vigas que ficaram abaixo do nível ideal. A administração municipal afirmou que a previsão de retorno depende da chegada dos produtos — o que, acredita, ocorrerá em até 15 dias. 

A construção da casa da filha de Paulo não tinha autorização ou projeto aprovado pelo município. Como a localização da residência impedia o deslocamento do muro, a antiga estrutura será demolida. A promessa é de reconstrução do imóvel. 

Essas obras fazem parte do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) Augusta, uma parceria da prefeitura com o governo federal para a retirada de pessoas de uma área de risco que fica perto de onde moram Paulo e Débora. 

Existem encontros mensais que tratam sobre o projeto, abertos à comunidade. Os próximos serão nos dias 10, 14, 17, 21 e 24 de maio, às 18h, na EMEF Lauro Pereira Rodrigues (Rua Isabel Meridiu, 42, Augusta).

*Produção: Leticia Gomes

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros