"Vou lutar", diz Luiza Brunet após perder processo contra o ex, Lírio Parisotto - Notícias

Versão mobile

 

Na Justiça31/05/2018 | 15h24

"Vou lutar", diz Luiza Brunet após perder processo contra o ex, Lírio Parisotto

Modelo e atriz se manifestou nas redes sociais sobre o não reconhecimento da união estável

"Vou lutar", diz Luiza Brunet após perder processo contra o ex, Lírio Parisotto Caio Duran/AgNews
Foto: Caio Duran / AgNews
GaúchaZH
GaúchaZH

Depois de perder a ação de reconhecimento de união estável que movia contra o ex-marido, Lírio Parisotto, Luiza Brunet se manifestou nas redes sociais e afirmou: "Não vou deixar de lutar jamais". Em seu perfil no Instagram, a modelo e atriz disse que há fatos que comprovam a união estável do casal: "Públicas (só procurar pelo Google). E também as que estão no processo. Como fiz em toda minha vida: jamais, jamais, abriria mão dos meus direitos".

Leia mais
Sem espaço no "Jornal Nacional", Maju Coutinho faz previsão do tempo no Instagram
Menino Brian volta ao Estado e estreia em espetáculo da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil
Após venderem trufas, noivos conseguem realizar sonho da festa de casamento

Em outro momento, Luiza lembrou dos inúmeros casos de violência contra as mulheres, uma de suas bandeiras de luta atualmente. 

"Vivemos num país onde mulheres são violentadas de todas as formas. Como eu fui. Feminicídio altíssimo. Não largarei jamais essa bandeira. Vou lutar pra sempre contra essa situação. Ainda que tenha medo das ameaças que me foram feitas. A que ponto chegamos... Ainda que o preconceito tente distorcer minha luta. Mas eu sou neta de índios, amigos. Meu sangue é de mulher guerreira. E se Deus me deu essa missão e esse propósito, Ele me dará forças para suportar as agressões", falou ela.

O empresário, condenado por agressão a ex-namorada, também usou seu perfil no Instagram para falar a respeito da recente decisão na Justiça que negou a relação entre ambos como uma união estável.

"Acabei de derrubar esta mentira. Uma brilhante decisão de 17 páginas, dada pelo juiz de direito Dr. Leonardo Aigner Ribeiro, qualificou nosso relacionamento como namoro tormentoso, queria entrar no financeiro", escreveu.

Sobre a acusação de agressão, da qual recorre na Justiça, ele declarou:

"Por uma suposta lesão leve, em viagem, fui condenado a um ano de serviço social. Fui enquadrado na Lei Maria da Penha, baseado em laudo indireto do IML emitido por consultório particular. A queixa foi feita 40 dias depois, neste meio tempo o advogado dela propôs ao meu, acerto por uma suposta União Estável de R$ 100 milhões. Não aceitamos. Importante ressaltar que viajou 10 horas carregando suas malas e no dia seguinte estava no Projac/Globo. Gravou na mesma semana uma participação na novela Velho Chico, jogada ao chão pelo personagem Afrânio, depois disto se lembrou que tinha 4 costelas e a cara quebrada e foi atrás dos atestados".

Segundo o Estadão, a modelo pede o reconhecimento da união estável para ter direito a cerca de R$ 100 milhões, equivalentes à metade do patrimônio adquirido pelo empresário durante o relacionamento.

Confira abaixo as manifestações na íntegra:

Foram 5 anos de união estável. Há provas. Públicas (só procurar pelo Google). E também as que estão no processo. Como fiz em toda minha vida: jamais, jamais, abriria mão dos meus direitos. Neste caso, ao meu direito à união estável. Previsto por lei, pela ética e que incomoda a quem não quer ver o mundo mais justo. Ou quem não entendeu que as mulheres vivem um outro momento dentro da sociedade. Eu tenho uma história. Não exercer meu direito seria desonrar minha história. Como posso incentivar as mulheres a lutar se não fizer o mesmo? Jamais! Vivemos num país onde mulheres são violentadas de todas as formas. Como eu fui. Feminicídio altíssimo. Não largarei jamais essa bandeira. Vou lutar pra sempre contra essa situação. Ainda que tenha medo das ameaças que me foram feitas. A que ponto chegamos... Ainda que o preconceito tente distorcer minha luta. Mas eu sou neta de índios, amigos. Meu sangue é de mulher guerreira. E se Deus me deu essa missão e esse propósito, Ele me dará forças para suportar as agressões. Construi minha carreira com muito trabalho. Esse legado estará, em breve, num filme. Mas, sinceramente, eu espero que ele esteja mesmo é na atitude das mulheres agredidas. Que elas denunciem. Façam como eu, busquem todos, todos os seus direitos. Não vou deixar de lutar jamais. Não vamos deixar de lutar jamais! #fhotoofthedays������ #violenciacontramulher #violenciadegenero #instgood #justice #deusnocomando #amor #compaixao #gratidao

Uma publicação compartilhada por Luiza Brunet (@luizabrunetoficial) em

Relembrado velhas Verdades: Fui vítima de 4 acusações. 1) Agressão num barco. Foi o contrário eu que fui agredido, o MP através do Promotor Dr Gaya não deu seguimento a esta acusação; 2) Lesão grave num dedo. Absolvido pela Dra Juíza Elaine Cavalcante. Mentiras das duas Patranheiras, LB e sua fiel escudeira Tina; 3) União Estável. Acabei de derrubar mais esta mentira. Numa brilhante decisão de 17 páginas, dada pelo MM Juiz de Direito, Dr Leonardo Aigner Ribeiro, qualificou nosso relacionamento como namoro tormentoso, queria entrar no financeiro; 4) Por uma suposta lesão leve, em viagem, fui condenado a um ano de serviço social. Fui enquadrado na Lei Maria da Penha, baseado em laudo indireto do IML emitido por consultório particular. A queixa foi feita 40 dias depois, neste meio tempo o advogado dela propôs ao meu, acerto por uma suposta União Estável de R$ 100 milhões. Não aceitamos. Importante ressaltar que viajou 10 horas carregando suas malas e no dia seguinte estava no Projac/Globo. Gravou na mesma semana uma participação na novela Velho Chico, jogada ao chão pelo personagem Afrânio, depois disto se lembrou que tinha 4 costelas e a cara quebrada e foi atrás dos atestados. Ufa! Tudo documentado. Evidente que estou recorrendo ao Tribunal de Justiça. Nunca agredi ninguém na minha vida. Vou dar ao país e aos enamorados uma jurisprudência: Namoro não dá Direito a União Estável e portanto não gera consequências financeiras. Cuidado, muita beligerância pode gerar custos milionários além de fazer mal à saúde. Vamos namorar sem medo e brigas. Um ano que não falava sobre este desagradável assunto. Prometo não chatear mais vocês por um bom tempo. ��Aqui não tem ninguém bloqueado.

Uma publicação compartilhada por Lirio A Parisotto (@lirioparisotto) em

Leia outras notícias do Diário Gaúcho


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros