Rede entupida causa alagamentos no Beco do Bibi, entre Alvorada e Viamão - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso07/08/2018 | 09h37Atualizada em 07/08/2018 | 09h37

Rede entupida causa alagamentos no Beco do Bibi, entre Alvorada e Viamão

Com as mais recentes chuvas, o nível da água no córrego subiu, alagou a via e chegou às residências, que já sofrem com o retorno do esgoto que deixou de ir para o riacho

Rede entupida causa alagamentos no Beco do Bibi, entre Alvorada e Viamão Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Esgoto transborda, e até ponte improvisada foi construída Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Uma rede de esgoto assoreada desaguando em um arroio raso foi a combinação que não deu certo no Beco do Bibi — via de chão batido no limite entre Alvorada e Viamão. Com as mais recentes chuvas, o nível da água no córrego subiu, alagou a via e chegou às residências, que já sofrem com o retorno do esgoto que deixou de ir para o riacho. 

Leia mais
Menina precisa de cirurgia para poder caminhar normalmente, em Porto Alegre
Rede de esgoto pluvial é consertada depois de três anos, em Alvorada
Buracos e alagamentos nas vias desafiam moradores da zona rural de Viamão

O excesso de terra e detritos nas tubulações também é um dos responsáveis por essa situação. Uma das casas afetadas pelo problema é a do vigilante Rafael Pereira da Silva, 40 anos. 

— Algumas manilhas (tipo de canos de esgoto) colocadas pela prefeitura ficam dentro do meu pátio. Como os canos estão cheios de terra, não escoam a água e causam estes alagamentos – explica o vigilante, que mora no local há três anos. 

Tubulações 

Em certo ponto, o córrego cruza a parte subterrânea da via. E essa travessia é feita por canos de concreto. Entretanto, o assoreamento — presença de terra e detritos — da tubulação fez com que a água subisse de nível e encobrisse a estrada. 

Os moradores pedem auxílio do poder público, conforme relata Rafael. Porém, a localização do Beco do Bibi, no limite entre dois municípios, dificulta os serviços. 

— Em alguns casos, a responsabilidade é de Alvorada, em outros, de Viamão. Então, nunca sabemos a quem recorrer de verdade — conta Rafael. 

Ponte improvisada é a saída para pedestres conseguirem atravessar a viaFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Desde que mudou-se para a região, Rafael tenta mobilizar os vizinhos na cobrança de uma ação por parte das prefeituras. Os alagamentos causado pelo excesso de chuvas não são novidade. A persistência do problema é um dos motivos pelo qual a vizinhança tem insistido na necessidade de uma intervenção no córrego. O vigilante diz que uma residência mais perto do arroio foi colocada à venda, inclusive: 

— A pessoa que morava ali faleceu, e os familiares não têm interesse em permanecer com a casa, que já está com a água quase alcançando a porta. 

Logo que chegou na vizinhança, Rafael recorda de obras estarem ocorrendo, com a colocação das tubulações em alguns pontos da comunidade. Entretanto, ele lembra que os serviços cessaram, deixando parte dos canos expostos, sendo preenchidos pela terra, o que pode ter causado o assoreamento. 

Alvorada assume o desassoreamento 

Na sexta- feira passada, o Diário procurou as prefeituras de Alvorada e de Viamão. O objetivo era entender de quem seria a responsabilidade pela área do córrego. 

Alvorada se manifestou por meio de nota na manhã de ontem. Segundo o texto, uma equipe foi enviada ao local para fazer as obras no arroio. Uma escavadeira hidráulica iniciou o desassoreamento no entorno da ponte para a vazão do arroio. Porém, não há previsão para que o serviço seja concluído. 

A prefeitura de Viamão informou que estava analisando o que poderia ser feito no local, mas não se posicionou quanto aos questionamentos da reportagem.

*Produção: Alberi Neto

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros