Diário Gaúcho te ajuda a entender a marcha de hondurenhos até os Estados Unidos - Notícias

Versão mobile

 

Explica aí25/10/2018 | 08h00Atualizada em 25/10/2018 | 08h00

Diário Gaúcho te ajuda a entender a marcha de hondurenhos até os Estados Unidos

O DG convidou o Colunista de ZH Rodrigo Lopes para dar explicações sobre a situação

Diário Gaúcho te ajuda a entender a marcha de hondurenhos até os Estados Unidos Pedro Pardo/AFP
Pessoas saíram de seus países para tentar uma vida melhor Foto: Pedro Pardo / AFP

Para onde essas pessoas estão indo?
Elas estão indo em direção à fronteira entre o México e os Estados Unidos. São pessoas que deixaram os seus países para tentar uma vida melhor em outro lugar, no caso em território americano. A América Central tem uma das maiores taxas de homicídio do mundo, segundo dados da ONU, e Honduras lidera o ranking global, com 55,5 mortes para cada 100 mil habitantes em 2016 _ o Brasil ocupa a sétima posição, com 31,3 para cada 100 mil. Eles viajam em caravana porque é mais seguro e porque é uma forma de chamar a atenção para o problema.

Leia também
Entenda a relação entre a alta do dólar e as eleições
Diário Gaúcho te ajuda a entender a situação dos venezuelanos no Brasil

Como elas se organizaram?
Elas se organizaram pelas redes sociais. Saíram no dia 13 de outubro de San Pedro Sula, uma cidade no norte de Honduras. Cada vez foi juntando mais gente, chegando a 4 mil pessoas. Eles dizem que estão fugindo da pobreza, do desemprego e da violência, principalmente de uma facção conhecida como Maras. Além de hondurenhos, também salvadorenhos e guatemaltecos se juntaram. 

Elas vão conseguir entrar nos EUA?
Possivelmente não. Em geral, estrangeiros, para entrar nos Estados Unidos, precisam de um documento chamado visto. Essas pessoas não têm esse documento, por isso são consideradas ilegais. O presidente americano, Donald Trump, disse que elas deveriam parar de caminhar e que os governos dos países que ficam no caminho precisam fazer de tudo para evitar que a marcha avance. Não tem adiantado. A multidão cruzou a fronteira com a Guatemala e, no fim de semana, entrou no México, chegando cada vez mais perto do território americano. Foram cenas dramáticas: pais com crianças no colo tentando atravessar uma ponte cheia de policiais, na fronteira entre esses dois países. Muitos só conseguiram chegar nadando ou em barcos precários pelo rio.

Quando elas devem chegar à fronteira dos EUA?
De acordo com a imprensa americana, elas devem levar semanas. Um dos pontos mais próximos onde é possível cruzar a fronteira fica em Brownsville, no Texas, a 1,6 mil km de distância de Tapachula.

O que vai acontecer quando elas chegarem lá?
Não se sabe. Como elas são consideradas ilegais, não poderão passar para o lado americano. Trump já anunciou que pode enviar militares para barrar a entrada. Um dos maiores medos é DE que haja confrontos, com mortos e feridos. Outra possibilidade é que fiquem acampadas do lado mexicano, o que deve gerar também um problema de falta de comida e remédios. Como México e Guatemala não conseguiram evitar que a caravana passasse, o governo dos EUA também ameaçou cortar a ajuda financeira que envia para esses governos.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros