Vencedor do Enart 2017, CPF Piá do Sul busca o bicampeonato - Notícias

Versão mobile

 

PIQUETCHÊ DO DG05/11/2018 | 07h00Atualizada em 06/11/2018 | 17h34

Vencedor do Enart 2017, CPF Piá do Sul busca o bicampeonato

Integrantes da entidade de Santa Maria têm ensaios diários. Final do Enart ocorre entre os dias 16 e 18 de novembro, em Santa Cruz do Sul 

Vencedor do Enart 2017, CPF Piá do Sul busca o bicampeonato reprodução/facebook
Conquista resultado de muito empenho e criatividade Foto: reprodução / facebook

Quem está envolvido neste meio sabe: a final do Encontro de Artes e Tradições Gaúchas (Enart), evento mais aguardado do calendário tradicionalista, está chegando. Será entre os dias 16 e 18 de novembro, em Santa Cruz do Sul. O encontro envolve competições de danças tradicionais, música, chula e outras categorias, mas a grande expectativa é saber qual invernada vencerá o concurso de Danças Tradicionais na Força A, a "elite".

O campeão de 2017 foi o Centro de Pesquisas Folclóricas (CPF) Piá do Sul, de Santa Maria, que já havia vencido em 98, 99 e 2003. Neste ano, o grupo quer repetir a dose. 

– A responsabilidade aumenta. Sabemos que os outros grupos estão trabalhando para ganhar do Piá – diz Lizandro Krum Carvalho, um dos coordenadores da invernada.

Leia mais
Conheça o lutador de MMA 100% gaudério
Luiz Marenco fala sobre sua eleição a deputado estadual

Depois de tantos anos sem títulos do Enart, o Piá do Sul decidiu, em 2017, ao mesmo tempo, voltar às suas raízes e inovar. A invernada chamou de volta o instrutor de danças tradicionais Paulo Chervenski, que já havia trabalhado com o CPF nos anos em que foram campeões. 

– Mudamos a metodologia dos ensaios para focar na harmonia. Na prática, isso significa fazer com que quem assiste consiga enxergar todos os membros como um grupo – explica Lizandro.

Apresentação do CPF Piá do Sul, de Santa Maria, no Enart 2017
Barbosa Lessa (representado ao centro) foi um dos homenageados Foto: Divulgação / Divulgação

A inovação ficou por conta de uma decisão ousada: ao invés de explorar um tema nas coreografias de entrada e saída, e utilizar a mesma apresentação nas eliminatórias e na final, o Piá preparou dois temas. Consequentemente, foram duas coreografias.

– É como se tivéssemos dois anos de trabalho em um mesmo Enart. No sábado, falamos sobre Paixão Côrtes (1927 - 2018). No domingo, homenageamos Barbosa Lessa (1929 - 2002). Não lembro de outro grupo ter feito isso – diz Elizandro.

Para o auxiliar administrativo Rafael Lima, 28 anos de idade e 14 de invernada no Piá, foi uma aposta alta:

– Sabíamos que ou disputaríamos o título ou ficaríamos para trás, que era 8 ou 80.

A ousadia deu certo e o Piá levou o troféu. Superou o CTG Tiarayú, de Porto Alegre (campeão de 2016 que levou o segundo lugar em 2017), o CTG Aldeia dos Anjos, de Gravataí (que já venceu 11 vezes e levou o terceiro lugar naquele ano) e outros nomes fortes. Foi uma explosão de emoção.

– Sempre planejei o que eu faria quando ganhasse um Enart. Mas, quando anunciaram o nosso nome, não consegui falar nada, nem pegar o troféu. Não tem como explicar o sentimento, só vivendo – conta ele, que projeta a expectativa para este ano:

– Vamos enfrentar o pior adversário de todos: nós mesmos. Neste ano, fica mais difícil surpreender, vamos ser comparados com 2017 – diz Rafael.

 SANTA CRUZ DO SUL, RS, BRASIL - 19/11/2017 - Fotos do Enart 2017. CPF Piá do Sul, vencedor do Enart 2017. (Isadora Neumann/Agência RBS)
Troféu para ficar na históriaFoto: Isadora Neumann / Agencia RBS

Foi logo após levantar o troféu, no ano passado, que o CPF Piá do Sul começou a se preparar para o evento de 2018. Mas desde outubro os ensaios, que ocorriam quatro vezes por semana, se intensificaram: agora, a equipe se reúne todos os dias.

– Nesta época, não temos tempo para mais nada além de trabalhar e ensaiar. A gente abdica de todo o resto – diz Rafael.

Os horários precisam se ajustar aos compromissos das prendas e peões: durante a semana, os encontros ocorrem das 22h até a meia-noite. Já nos finais de semana, começam pela manhã só terminam a noite. Os integrantes mantém em sigilo total o tema e qualquer detalhe sobre a apresentação. Mas Rafael dá uma pista:

– O Piá sempre teve por característica fazer coisas diferentes. Posso garantir que nossa apresentação vai ser diferente de tudo o que já viram, mais uma vez.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros