Concurso da prefeitura de Porto Alegre para professores é suspenso por falta de recursos - Notícias

Versão mobile

 

Educação06/12/2018 | 07h00Atualizada em 06/12/2018 | 07h00

Concurso da prefeitura de Porto Alegre para professores é suspenso por falta de recursos

Seleção com 2,4 mil inscritos foi interrompida devido a atrasos em pagamentos à empresa executora

Concurso da prefeitura de Porto Alegre para professores é suspenso por falta de recursos Jefferson Botega/Agencia RBS
Jordana deixou seu emprego para investir na preparação para o concurso Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS

Os 2,4 mil inscritos para o concurso público para professor de Educação Infantil e Anos Iniciais da prefeitura de Porto Alegre aguardam há mais de 60 dias por um desfecho do processo seletivo, suspenso devido à falta de recursos dos cofres municipais. A prova ocorreu em 23 setembro, o gabarito oficial foi divulgado cerca de um mês depois e, desde então, o processo parou.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

A seleção foi interrompida porque a prefeitura de Porto Alegre está com repasses atrasados à Fundação La Salle, contratada para executar o concurso. Em nota, a assessoria de imprensa do gabinete do prefeito Nelson Marchezan confirma que, devido à grave crise financeira do município, ocorreram atrasos em pagamentos à empresa que estavam previstos para serem efetuados nos dias 5 e 19 de novembro. A Fundação La Salle foi contratada para executar o serviço pelo valor de R$ 326,7 mil. Até agora, nenhuma das duas parcelas vencidas, que totalizam R$ 163 mil, foram pagas.

Câmara

A prefeitura informa que o recurso da inscrição do concurso entrou na conta geral do Tesouro Municipal. Cada inscrição custou R$ 144. Também em nota, o gabinete do prefeito reforçou que "todos os esforços neste momento estão sendo direcionados para o pagamento da folha dos servidores", frisando que "só vai ter condições de pagar os fornecedores em dezembro, conforme o ingresso de receitas."

Em clara mensagem à Câmara de Vereadores, o texto afirma que "a melhora da situação do caixa, pagamentos dos servidores e fornecedores e investimentos na cidade só poderá evoluir com a aprovação das reformas propostas e que tramitam no Legislativo Municipal, como a atualização da planta do IPTU". Consultado pela reportagem, o presidente da Câmara, Valter Nagelstein (MDB), afirma que Câmara não aceita aumentar impostos para melhorar a situação financeira do município, posição que foi reiterada em votações no ano passado e neste ano.

Para o encerramento do processo, faltam as etapas de correção da redação, recurso, apresentação de títulos e recurso. Por último é feita a homologação do concurso.

Leia também
Comunidade luta por escola ameaçada pela falta d'água em Viamão
Com apoio do Conselho Tutelar, pais protestam contra o fechamento de escola infantil do bairro Partenon
Alunos de escola da Restinga têm aulas de português e matemática pela primeira vez neste ano

Promessa para suprir falta de pessoal

A realização do concurso público na área da educação é uma das promessas do secretário de Educação Adriano Naves de Brito para suprir a falta de professores na rede municipal em 2019. Ao longo do ano, o problema foi tema de diversas reportagens do Diário Gaúcho, como a que mostrou a situação da Escola Carlos Pessoa de Brum, da Restinga, que ficou até meados de outubro deste ano sem professores de português e matemática. Ao todo, apenas esta escola registrou falta de 19 profissionais.

No edital do concurso, a prefeitura oferece salários de R$ 1.463,61, para quem tiver habilitação de Ensino Médio (Magistério), a R$ 2.658,48 para nível superior. Os vencimentos serão acrescidos de 50% a 100% quando houver convocação para assumir regime suplementar ou complementar com carga horária semanal de 30 horas e 40 horas, respectivamente.

Projeto de contratação emergencial

Candidatos que aguardam o desfecho do concurso, além de temerem pela incerteza do futuro da seleção, ficaram ainda mais preocupados ao saberem que a prefeitura enviou um projeto de lei para a Câmara em 12 de novembro solicitando a aprovação da contratação emergencial de 240 professores para a rede municipal. O contingente é para atender à Educação Infantil, anos iniciais (1º ao 5º ano) e séries finais 6º ao 9º ano) do Ensino Fundamental.

Se aprovadas pelos vereadores, as contratações serão feitas por um ano e podem ser renováveis por mais um, desde que comprovada sua necessidade. No projeto de lei, a prefeitura argumenta que há "sistematicamente", seja pela aposentadoria, pedidos de exonerações, afastamentos ou licenças médicas, faltas de profissionais que "causam prejuízo no atendimento do currículo escolar".

Leia também
Estudantes visitam escolas para passar mensagens de valorização da cultura negra e de diversidade

Outra justificativa do Executivo é de que, até o momento, o número de afastamentos temporários em 2018 (273) já ultrapassa os de 2017 (243). O projeto está em tramitação na Câmara e aguarda parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Segundo o presidente da Câmara, há condições de aprovação do projeto. O plenário deve apreciar o tema até 15 de dezembro.   

"Fiz um remanejo de vida  para conseguir passar"

Entre os candidatos que aguardam um desfecho do processo seletivo, o sentimento é de descaso. Professora de Educação Infantil há 15 anos, Jordana Braga, 34 anos, deixou o emprego em uma escola particular no final de 2017 para se dedicar exclusivamente à preparação para o concurso público. Na época, a prova ainda nem tinha data para acontecer, mas, como a validade do concurso anterior já estava por vencer, Jordana apostou na preparação para a prova seguinte:

– Fiz um remanejo de vida para conseguir passar neste concurso. Mudei de vida para isso e estou decepcionada. Mas ainda tenho esperança de que serei chamada e de que meu esforço será compensado.

Ao longo deste ano, Jordana fez cursinho preparatório e estudou oito horas por dia para a prova que ocorreu em 23 de setembro.

– A prova foi bem difícil, embora eu estivesse bem preparada. Foram cem questões, mais redação, para cinco horas e meias de prazo para concluir.

Jordana começou a estranhar a demora do andamento das fases do concurso já no atraso para a divulgação do gabarito oficial que, segundo ela, só veio a público mais de um mês após a prova. Sem perspectivas, voltou a trabalhar em escola privada em outubro.

– Até hoje estamos esperando edital com as próximas datas do concurso – afirma.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros