Samba no trem agita viagem entre Porto Alegre e Novo Hamburgo - Notícias

Versão mobile

 

Dia Nacional do Samba02/12/2018 | 16h49Atualizada em 02/12/2018 | 16h57

Samba no trem agita viagem entre Porto Alegre e Novo Hamburgo

Para comemorar o Dia Nacional do Samba, uma festa sobre trilhos marcou o trajeto entre Porto Alegre e Novo Hamburgo, na manhã deste domingo (2)

Samba no trem agita viagem entre Porto Alegre e Novo Hamburgo Jefferson Botega / Agência RBS/Agência RBS
Cerca de duzentas pessoas participaram do evento, fora outros passageiros que foram surpreendidos pela festa Foto: Jefferson Botega / Agência RBS / Agência RBS

A Estação Mercado do Trensurb, em Porto Alegre, virou avenida do samba na manhã deste domingo (2). Assim como um dos vagões da frota, que se tornou uma espécie de carro alegórico, conduzindo cerca de duzentas pessoas numa festa sobre trilhos. 

Leia mais
Conheça o projeto que está transformando vidas na Restinga
Saiba onde comemorar o Dia do Samba neste domingo na Capital
Teatro, Feira do Livro em Gravataí e mais: seis opções de graça no seu fíndi

A junção, organizada pelo Trensurb e animada pelos músicos do Samba do Irajá, foi para comemorar o Dia Nacional do Samba. O "desfile" foi de Porto Alegre a Novo Hamburgo — com direito a ida e volta. A movimentação animada do público durante o trajeto mostrou que, mesmo com o balanço dos vagões, não faltou perna para sambar.

No trem que partiu por volta das 11h30 da Estação Mercado, diferentemente dos passageiros que já estavam cientes da ação, outros usuários do transporte ferroviário foram surpreendidos com a chegada da turma. Entre eles, a professora Juliana Gomes, 25 anos, realizada por conseguir participar do evento pela segunda vez, sem planejar. Enquanto gravava a apresentação da turma ainda na plataforma, ela contou que em outro ano já teve a sorte de presenciar o samba no trem. Na edição deste ano, estava acompanhada do filho, Arthur, três anos.

— É uma inciativa linda. Acho sempre válido divulgarem nossa cultura, levarem o samba para frente — elogia Juliana. 

Mais surpreso ainda ficou o garçom Daniel Gross, 26 anos. Morador de Barra do Ribeiro, ele notou que a lotação do trem não era comum para um domingo de manhã, deixando de lado os fones de ouvido, curtiu o som que animava o trajeto até Novo Hamburgo. O balanço do corpo e das mãos, acompanhando o ritmo dos tambores, pandeiros e outros instrumentos tocados pela banda, demonstraram a aprovação de Daniel ao evento. 

— Podia ter todo dia, ia deixar as nossas viagens bem melhores — brinca o garçom.

Gerações

Carmen (D) trouxe a neta, Raíssa, para a festaFoto: Jefferson Botega / Agência RBS

Moradora do bairro Harmonia, em Canoas, a cozinheira Carmen Lúcia Silva Pinto, 62 anos, frequenta há anos a roda de samba no trem. Para o evento deste ano, trouxe a neta Raíssa Costa, 17 anos. Empolgada com a comemoração do Dia Nacional do Samba, a guria ficou feliz com o convite.

— Nada melhor que já começar o domingo numa roda de samba — diz Raíssa.

Para Carmen, a realização do evento demonstra a importância deste ritmo musical na história do país. Ela espera que nos próximos anos a ação continue se repetindo.

— Esse evento é muito bom, não podemos deixar ele ser esquecido. Temos que divulgar cada vez mais — aponta Carmen.

Quem também trouxe a neta foi para participar da roda de samba foi o mecânico aposentado Gilberto Palmeiro, 73 anos. Junto da pequena Alexia Palmeiro, 12 anos, ele recorda que seu envolvimento com eventos carnavalescos já se estende por mais de cinquenta anos. Gilberto acredita que ações como a do samba no trem são importantes para demonstrar o valor do gênero puramente brasileiro. E trazer as novas gerações para o ato auxilia na continuidade da ideia. 

— Vamos continuar participando sempre que possível, levando o samba para todos os espaços possíveis — diz ele.

Evento foi organizado para comemorar o Dia Nacional do SambaFoto: Jefferson Botega / Agência RBS

Para o percussionista L. Pereira, 31 anos, esse foi o primeiro ano como membro da banda que anima o trajeto. Feliz pela oportunidade de animar a viagem entre a Capital e o Vale do Sinos, Pereira aponta a importância da ação:

— Samba não se faz sozinho, tem que ter banda e público, juntos, conectados pela música. Isso é mais que uma junção, mais que uma festa. É uma expressão cultural da nossa música brasileira.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros