A rotina de verão na Lomba do Pinheiro: encher baldes em caminhões-pipa para superar falta d'água - Notícias

Vers?o mobile

 

Desabastecimento31/01/2019 | 19h39

A rotina de verão na Lomba do Pinheiro: encher baldes em caminhões-pipa para superar falta d'água

Região localizada em área mais alta enfrenta problemas maiores por conta de situação ruim da Estação de Tratamento de Água Belém Novo

A rotina de verão na Lomba do Pinheiro: encher baldes em caminhões-pipa para superar falta d'água Felipe Daroit/Agência RBS
População teve acesso à água depois de posto de saúde e creche serem abastecidos Foto: Felipe Daroit / Agência RBS

Pelo sexto dia consecutivo, moradores da Lomba do Pinheiro, na zona leste de Porto Alegre, enfrentaram falta de água. A reportagem de GaúchaZH percorreu diversos pontos da região na tarde desta quinta-feira (31) entre as paradas 2 e 15. Em todas elas, os moradores relataram falta de abastecimento. Na áreas mais baixas, como nas paradas 5 e 6, a água parou de chegar nas torneiras durante a tarde. No entanto, em pontos mais altos, como nas paradas 14 e 15, a população ouvida disse que o desabastecimento é permanente.

Enquanto o restabelecimento não ocorre, moradores formam filas para encher baldes e galões em caminhões pipa do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae). Às 15h, um deles, com 8 mil litros, foi estacionado na parada 14 da avenida João de Oliveira Remião. Em poucos minutos, ele estava rodeado de pessoas.

Leia mais
Falta de água em Porto Alegre foi prevista em 2011: "Obra nunca foi feita", diz diretor-geral do Dmae
Saiba onde é possível encontrar bebedouros disponíveis na área central de Porto Alegre
Moradores de Porto Alegre e Região Metropolitana voltam a enfrentar falta de água 

– Na minha casa não vem nenhuma gota de água desde o fim de semana. Eu, minha esposa e os dois filhos estamos sem banho. É horrível - disse o segurança, Fabiano Moreira, que aproveitou para beber a água potável direto da torneira do caminhão.

Os veículos foram solicitados por moradores. No entanto, eles dizem que é preciso mais.

– Abastecemos um posto de saúde, uma creche e agora colocamos aqui para a população. Só que é muita gente sem água. Precisamos de mais uns três caminhões - disse Marcelo Avelino, morador que, com vizinhos, tem organizado manifestações reivindicando uma solução ao problema.

O Dmae informou que a demanda de caminhões com água potável está sendo atendida, conforme orientações do Centro de Relação Institucional Participativo e por Conselheiros Tutelares do bairro.

De acordo com o órgão, a Estação de Tratamento de Água Belém Novo, em Porto Alegre, voltou a apresentar problemas na madrugada desta quinta-feira (31). Segundo o Dmae, houve turbidez (coloração) da água captada, fazendo com que fosse necessário reduzir a vazão (produção da água). Isso provocou novamente falta de água em partes da Lomba do Pinheiro, abastecida pela estação Belém Novo.

Sem água, moradores formam filas para encher baldes e galões em caminhões pipa na Lomba do Pinheiro.
Segurança Fabiano Moreira aproveitou para beber a água potável direto da torneira do caminhão-pipaFoto: Felipe Daroit / Agência RBS

Ainda segundo o Dmae, em geral, o abastecimento não está ocorrendo no período entre 15h e 23h. Depois disso, o fornecimento voltaria a ocorrer.

– Não é bem assim. Mora eu, minha mãe, minha sobrinha, uma inquilina e a filha. Estamos tendo que comprar água, que é cara. Louça, banho e tudo mais, não estamos fazendo. Há seis dias não vem nada de água. Nem de madrugada. As torneiras ficam com barulho de ar - contou a moradora Andreia Heredia.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros