O Diário Gaúcho te ajuda a entender a onda de violência que atinge o Ceará - Notícias

Vers?o mobile

 

EXPLICA AÍ10/01/2019 | 07h00Atualizada em 10/01/2019 | 07h00

O Diário Gaúcho te ajuda a entender a onda de violência que atinge o Ceará

Quem explica a situação é o repórter Rafael Divério, que acompanha a situação diretamente do Ceará 

O Diário Gaúcho te ajuda a entender a onda de violência que atinge o Ceará André Ávila/Agencia RBS
Ônibus estão entre os principais alvos Foto: André Ávila / Agencia RBS

O Ceará vive, desde 2 de janeiro, uma onda de ataques realizados por facções criminosas em repúdio à posse no secretário estadual de Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque. O Diário Gaúcho convidou o repórter Rafael Divério, que está no Ceará, para explicar a situação.   

O que está acontecendo no Ceará?
Desde 2 de janeiro, o Ceará vive sob uma onda de ataques contra prédios públicos, transportes coletivos, comércios e até em pontes e viadutos. Foram mais de 150 casos registrados. Até o momento, não há registro de mortos, mas um homem ficou ferido com gravidade após uma explosão. Lojas fecharam mais cedo alguns dias e a população mudou sua rotina, evitando circular pelas ruas à noite.

Leia mais
Dados periciais reforçam hipótese de que ex-prefeito de Estância Velha matou a namorada
"Procurei fazer a diferença olhando para a vítima e para os servidores ao meu lado", diz nova chefe de polícia

Por que está acontecendo?
A violência começou após o governador Camilo Santana (PT) anunciar que Luís Mauro Albuquerque seria o secretário de Administração Penitenciária do Ceará. Ex-policial, Albuquerque adota o estilo linha-dura e ficou famoso por ser o secretário de segurança que conteve a rebelião na prisão de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, em 2017, quando presos foram mortos e mutilados. Na época, ele afastou alguns líderes das galerias e enviou outros para presídios federais, além de adotar medidas como bloquear sinal de celular e fazer pente-fino nas celas. Em seu discurso de posse no Ceará, prometeu repetir algumas ações. Contrariadas, facções iniciaram a série de ataques.

força nacional do ceará
Força Nacional chegou ao Estado no dia 5 de janeiroFoto: José Cruz / Agência Brasil

O que as autoridades estão fazendo para conter os ataques?
A Força Nacional chegou ao Ceará para socorrer a polícia militar. São 406 agentes que monitoram os alvos potenciais, como pontos turísticos e terminais rodoviários. Policiais de outros Estados, como Bahia e Piauí, também reforçam o efetivo. Até o momento, mais de 180 pessoas foram detidas. Segundo a PM cearense, 30% são adolescentes. A vigilância deve aumentar nos próximos dias, e o governador garantiu que não recuará da decisão de atuar com firmeza nas penitenciárias. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros