Após seis meses sob nova gestão, Hospital da Restinga registra aumento no número de procedimentos - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Saúde pública21/02/2019 | 07h00Atualizada em 21/02/2019 | 07h00

Após seis meses sob nova gestão, Hospital da Restinga registra aumento no número de procedimentos

Moradores da região ainda aguardam a construção de uma maternidade, mas ela não está prevista no contrato

Após seis meses sob nova gestão, Hospital da Restinga registra aumento no número de procedimentos Fernando Gomes/Agencia RBS
Há seis meses, instituição de saúde é administrada pela Associação Hospitalar Vila Nova Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Em seis meses à frente da gestão do Hospital da Restinga e Extremo Sul, a Associação Hospitalar Vila Nova (AHVN) tem atingido as metas de atendimento e já negocia com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Porto Alegre o reajuste do valor do contrato. 

O diretor-executivo do Hospital da Restinga, Paulo Scolari, afirma que os gastos mensais da instituição superam entre 15% e 18% a quantia que é recebida. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Atualmente, o valor repassado pelo SUS para a gestão do hospital é de R$ 3,7 milhões. A quantia é rateada entre União, Estado e município. Para continuar mantendo os serviços, Paulo afirma que precisaria de um aporte de mais R$ 500 mil a R$ 800 mil por mês. 

A SMS não dá informações sobre um possível aumento de verbas, mas informa que acompanha constantemente o fluxo dos serviços novos oferecidos pelo hospital. E que o “realinhamento de fluxos assistenciais pode ou não implicar em realinhamento de custos na medida que estas análises são feitas”. 

Ocupação

Até aqui, o hospital, sob a gestão do Vila Nova, tem operado com ocupação de 80% dos 101 leitos de internação e 90% nos 10 leitos de UTI. Até o final de janeiro, foram feitas 1.614 cirurgias, uma média de 269 cirurgias por mês. São realizados procedimentos de baixa e média complexidade, entre os principais estão vesícula, apêndice e retirada de pequenos tumores. Entre exames de imagem e de laboratório, foram feitos 166 mil no semestre.

Leia também
Fila para consulta com oftalmologista pelo SUS tem mais de 11 mil pessoas em Porto Alegre
Dois meses após operação do MP, como está a situação da saúde pública em Canoas

 PORTO ALEGRE-RS- BRASIL- 18/02/2019- Balanço de seis meses da administração do Hospital Restinga. Emergência lotada nesta segunda-feiral. FOTO FERNANDO GOMES/ DIÁRIO GAÚCHO.
Ocupação é de 80% nos leitos de internação e 90% nos leitos de UTIFoto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Já o Pronto-Atendimento de Traumatologia, inaugurado há quatro meses, fez 3,2 mil atendimentos, média de 800 por mês. O local funciona de segunda a sábado, das 7h às 19h, e recebe casos de média complexidade. Um dos objetivos de Paulo é passar a oferecer cirurgias traumatológicas, serviço que precisa ser pactuado com a SMS. 

Emergência mais ágil

Um dos pontos mais sensíveis do hospital, a emergência passou a atender mais. Foram 21 mil atendimentos nos últimos seis meses da gestão do Hospital Moinhos de Vento, ante 38 mil atendimentos no primeiro semestre de gestão do Hospital Vila Nova.

A demora para o atendimento no setor era uma das principais reclamações dos usuários. A direção afirma que conseguiu reverter a situação. A meta é que nenhum paciente espere mais do que duas horas, mesmo em casos com pouca gravidade.

– Na emergência, chegamos a ter quatro médicos por turno. Isso com a possibilidade de se chamar um quinto médico, se houver necessidade – diz Paulo. 

 PORTO ALEGRE-RS- BRASIL- 18/02/2019- Balanço de seis meses da administração do Hospital Restinga. Emergência lotada nesta segunda-feiral. FOTO FERNANDO GOMES/ DIÁRIO GAÚCHO.
Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Morador da Lomba do Pinheiro, o aposentado José Antônio Arrojo Rodrigues, 66 anos, aprovou a agilidade do atendimento. Com dores nos tendões do braço esquerdo, ele disse que preferiu ir ao Hospital da Restinga e não no Pronto-Atendimento da Lomba do Pinheiro:

– Me disseram que aqui seria mais rápido, então vim direto – afirma ele, que chegou às 8h30min desta segunda-feira e, às 10h30min, estava na sala de medicações. 

Comunidade quer maternidade, que não está prevista

O Hospital da Restinga foi a primeira opção da manicure Fernanda Vieira da Silva, 35 anos, ao procurar socorro para o filho Samuel, nove anos. O menino, diagnosticado com linfadenite (inflamação dos gânglios linfáticos), chegou com dores na quarta-feira da semana passada e seguia internado na segunda-feira, sem previsão de alta.

– Moro na Hípica e é o hospital mais próximo de casa, onde sempre somos bem atendidos – afirma Fernanda. 

 PORTO ALEGRE-RS- BRASIL- 18/02/2019- Balanço de seis meses da administração do Hospital Restinga. Fernanda Vieira da Silva e o filho Samuel que está internado no hospita.l FOTO FERNANDO GOMES/ DIÁRIO GAÚCHO.
Fernanda aprovou o atendimento recebido pelo filho SamuelFoto: Fernando Gomes / Agencia RBS

O conselheiro distrital de saúde da Restinga, Carlos Alexandre Vargas de Andrade, confirma que a comunidade está satisfeita: 

– Temos bom contato e, por enquanto, não há reclamações. A comunidade absorveu muito bem a mudança. Agora, seguimos tentando a abertura da maternidade. 

Com espaço físico reservado para o centro obstétrico, o Hospital da Restinga ainda não conta com o serviço pois não está previsto no atual contrato, e não tem previsão de abri-lo.  A Secretaria Municipal de Saúde informou que a população atendida pelo hospital é insuficiente para justificar a presença de um centro obstétrico. 

A abertura do serviço no local dependeria de uma avaliação conjunta com a Secretaria Estadual de Saúde sobre a necessidade do serviço também em outras cidades próximas à Restinga, o que poderia viabilizar o centro obstétrico no hospital.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros