Tempo médio de espera por próteses dentárias via SUS na Capital é de 424 dias - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Odontologia16/04/2019 | 07h00Atualizada em 16/04/2019 | 07h00

Tempo médio de espera por próteses dentárias via SUS na Capital é de 424 dias

Único Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) da Capital que distribui próteses fica na Zona Norte. Por isso, pacientes de outras regiões não podem obter o acessório via SUS

Tempo médio de espera por próteses dentárias via SUS na Capital é de 424 dias André Avila / Agência RBS/Agência RBS
Jorge desistiu de esperar o atendimento pelo SUS Foto: André Avila / Agência RBS / Agência RBS

O sorriso é o nosso cartão de visita. O batido ditado resume bem como mostrar os dentes para cumprimentar alguém ou expressar felicidade é um exercício importante. Entretanto, há quem se prive desta ação, e não é por escolha própria. 

Leia mais
Prefeitura retira máquinas de ecografia de comunidades e exames serão feitos no Centro
UBS Ramos é reaberta com horário ampliado, na Zona Norte
Falta de medicamentos na farmácia municipal preocupa pacientes de Canoas

Em Porto Alegre, por exemplo, a fila de espera por procedimentos odontológicos acumula 5.948 requerimentos. Deste total, quase 41% — 2.438 pedidos — são para a obtenção de próteses odontológicas. Com o tamanho da fila, o tempo médio de espera para receber o acessório também sobe. No caso das próteses, a média é 424 dias para casos gerais. Ou seja, o paciente que solicitar uma prótese precisa de quase um ano e dois meses de paciência. 

Além disso, só quem mora na Zona Norte pode ter acesso ao acessório via SUS. E isso não é novidade. O Diário mostrou essa situação em 2015, mas o problema ainda segue. A limitação ocorre porque, dos seis Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs) da Capital, somente o que funciona no Hospital Conceição, na Zona Norte, é habilitado para entregar próteses dentárias. Assim, quem não é referenciado para aquela região consegue atendimento no local. 

Com a demora e a "regionalização" da entrega, quem necessita de prótese precisa pagar. Em um dos casos mostrados na reportagem de 2015, por exemplo, a líder comunitária Nelzi Alves, 61 anos, acabou recebendo o acessório por doação de um dentista. 

Desistência

Porém, quem não tem a mesma sorte acaba desistindo da espera. Foi o que aconteceu com o pedreiro desempregado Jorge Henrique Bertott Soares, 39 anos. Sua jornada começou em 2005, quando recorreu à unidade de saúde da Lomba do Pinheiro, onde morava. 

Depois de algumas consultas, as constantes respostas dizendo que estava em uma lista de espera para conseguir a extração de dentes estragados e a colocação de próteses o fizeram desistir. Lidou com o problema como pôde, mas sem ir ao dentista, e a situação acabou piorando. Há mais de dois anos, ele está sem emprego. Sabe que a condição bucal está entre os motivos que o impedem de arranjar um trabalho.

— Eu chego assim nas entrevistas e já vejo que a aceitação diminui. É muito difícil conseguir algo pelo SUS. A gente entra na fila, mas não sabe quando vai sair dela, aí acaba por desistir — confessa Jorge, que, atualmente, divide a casa com a esposa, dois enteados e um casal de filhos pequenos, no bairro Rubem Berta.

Leia também
Estado interrompe circulação de unidade móvel para coleta de sangue no RS
UPA de Canoas está fechada desde janeiro para reforma, mas a obra ainda não começou

A coordenadora de Saúde Bucal da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Caroline Schirmer, diz que a prefeitura pediu, no ano passado, autorização do Ministério da Saúde para produzir mais próteses, e em diferentes pontos da cidade, universalizando o acesso de quem precisa.

— Atualmente, o CEO do Conceição consegue entregar até 60 próteses por mês. Com a liberação do Ministério da Saúde, que esperamos que aconteça neste ano, queremos produzir, no mínimo, 300 próteses por mês — projeta a coordenadora.

Prazos

Mesmo que a prefeitura espere a liberação do governo federal para 2019, ainda não há uma previsão definitiva para que a produção de próteses aumente e chegue em pacientes que moram em outros pontos da cidade.

Outra especialidade que é atendida somente no CEO do Hospital Conceição é a disfunção temporomandibular (DTM). A anomalia pode ser causada por diversos fatores e, normalmente, causa dores crônicas no paciente. Apesar de só 248 solicitações aguardarem atendimento na Capital nesta especialidade, o tempo médio de espera por atendimento é de 482 dias — cerca de um ano e três meses.

— Isso ocorre porque o número de atendimentos disponibilizados por mês para essa especialidade é muito pequeno. Além disso, tem a limitação de termos referência em DTM somente no Conceição — justifica a coordenadora da SMS.

Melhorias no tratamento de canal

Na lista de espera atualizada mensalmente pela SMS, outro gargalo que chama atenção é a endodontia, conhecida popularmente como tratamento de canal. São 1.896 solicitações de atendimento, com tempo médio de espera em 104 dias. Segundo Caroline, o tratamento de canal sempre foi uma fila com grande demanda, ainda mais pela falta de servidores.

— Depois de cinco anos sem novas chamadas, nomeamos 10 profissionais no ano passado. Destes, três foram deslocados para Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs) para atuar especificamente na área da endodontia — explica Caroline.

Alguns pacientes já foram beneficiados pelo acréscimo de novos dentistas focados no tratamento de canal. A jovem Lisandra Queiroz Viana, 19 anos, precisou procurar atendimento via SUS depois que ficou sem trabalho, no ano passado. Moradora da Lomba do Pinheiro, ela foi encaminhada para o CEO do bairro Bom Jesus, também na Zona Leste, onde fez o tratamento de canal.

— Foi bem rápido. No mesmo dia do atendimento fui encaminhada para Bom Jesus e fiz o tratamento. Ainda tenho algumas consultas de rotina lá — conta Lisandra.  

Espera

Já a autônoma Marisélia dos Santos, moradora da Restinga, na Zona Sul, não teve a mesma sorte. Necessitando do tratamento de canal para sanar a dor em dos dentes, ela aguarda há mais de um ano pelo encaminhamento, já que a unidade de saúde da Vila Chácara do Banco, onde mora, não tem dentista.

— Vou de vez enquanto ao posto saber como está o encaminhamento, mas dizem que não tem previsão. Fui orientada a esperar a ligação em casa — conta Marisélia. 

Conforme a coordenadora de saúde bucal da SMS, o que também agravou a situação da demora na endodontia foram problemas com a empresa responsável pela manutenção dos equipamentos odontológicos da rede municipal. Caroline diz que a prefeitura, inclusive, está contratando uma nova responsável por esses serviços, que deve assumir a gestão das manutenções no próximo mês. Mesmo com essas mudanças, a curto prazo, ainda não há uma prazo para que a fila diminua consideravelmente.

— O nosso foco são as próteses. Temos muitas decisões judiciais em relação a isso (entregar próteses para pacientes de outras regiões). E essas situações prejudicam quem mais precisa, pois a decisão judicial se baseia na análise um caso específico, sem levar em conta todos os demais. Por isso, precisamos universalizar a entrega o mais rápido possível — projeta Carolina.

Leia mais notícias do Diário Gaúcho


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros