Como foi o último dia de almoço a R$ 1 no Restaurante Popular de Porto Alegre - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Fim de contrato09/05/2019 | 18h24Atualizada em 09/05/2019 | 18h24

Como foi o último dia de almoço a R$ 1 no Restaurante Popular de Porto Alegre

Cerca de 500 pessoas faziam a refeição no local todos os dias. Prefeitura promete novos estabelecimentos em no mínimo 60 dias

Como foi o último dia de almoço a R$ 1 no Restaurante Popular de Porto Alegre Félix Zucco/Agencia RBS
Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Durante o horário de almoço, o som das conversas e a animação dos frequentadores costumava reverberar pelo ambiente do Restaurante Popular de Porto Alegre, no bairro Floresta. O barulho fazia com que fosse necessário falar mais alto para ser compreendido. Mas, nesta quinta-feira (9), o clima era diferente. Bem mais quietos, os clientes ali presentes saboreavam a última refeição servida no local ao custo de R$ 1. Na data, encerrou o contrato firmado entre a prefeitura e a empresa Mix Refeições Corporativas, em 2015. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Sem saber onde iriam almoçar dali para frente, os frequentadores questionavam os repórteres presentes no local na espera de uma boa notícia, invertendo a lógica da entrevista. Atualmente, qualquer pessoa poderia comer no local, por isso, famílias de baixa renda eram facilmente encontradas na fila. 

Elisângela da Silva Silveira, 34 anos, e o marido, Luciano Ferreira Amaro, 49 anos, por exemplo, moram em uma pensão. Sem emprego, usam o pouco que ganham em doações para almoçar no local e pagar a moradia provisória da família, que ainda é composta por duas meninas, de 10 e dois anos. Com R$ 2, os quatro se satisfaziam. Agora, não mais. 

Leia também
Último restaurante popular da Capital encerra atividades
Único restaurante popular da Capital oferece 500 refeições por dia
Moradores esperam há seis meses por reparos na escadaria do bairro São José, na Capital

– Amanhã (sexta-feira) vou cedo para o Centro, ali pela Praça XV. Vou ficar lá pedindo, para ver se consigo alguma coisa para as crianças comerem no almoço – conta ela. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 09-05-2019: Ambiental do último dia de operação do Restaurante Popular de Porto Alegre. O local será fechado em razão do fim de contrato entre a prefeitura e a empresa terceirizada do local. Na foto, Marisol Rodrigues (FOTO FÉLIX ZUCCO/AGÊNCIA RBS, Editoria de Geral).
Marisol diz que fez amigos no localFoto: Félix Zucco / Agencia RBS

Personagens

Os rostos que frequentavam o local eram conhecidos. Marisol Rodrigues, 47 anos, conhecida como Sol, é uma destas personagens. Sentada em uma mesa perto da janela que dá vista para a Rua Santo Antônio, onde fica o prédio do restaurante, ela esboçou a sensação de almoçar pelo última vez no "bandejão", apelido dado pelos frequentadores.

– Vamos voltar àquela rotina antiga de pedir comida nos restaurantes ou tentar trazer algo de casa, para quem tem uma casa. É triste, conheci muita gente aqui, fiz muitos amigos – lamentava Sol. 

Com a intenção de evitar a volta aos tempos em que pedia comida na rua, Paulo Águas, 41 anos, vai aumentar seu empenho vendendo o jornal Boca de Rua, veículo independente criado e comercializado por moradores de rua. Com o dinheiro da venda, Paulo pretende achar outros locais baratos para almoçar.

– Nunca vai ser tão barato como aqui, mas vou continuar tentando almoçar com frequência – projeta Paulo.

Leia também
Bairro com maior número de casos de dengue na Capital recebe mais uma aplicação de inseticida
Moradores da Vila do IAPI temem o desabamento de cancha de bocha

A pensionista Eloá da Silva, 67 anos, possui renda mensal de meio salário mínimo. O dinheiro é usado para pagar por uma peça onde ela vive, na Vila Taquareiras, na Zona Sul. Com o que sobra, ela almoçava no Restaurante Popular. Agora, Eloá diz que o almoço vasto, com arroz, feijão, carne e saladas, será obtido somente aos finais de semana, quando ela vai em eventos solidários organizados por grupos sociais sob alguns viadutos da cidade. O resto da semana ainda tem cardápio incerto:

– Gosto de comer ovo, então, vou fazer bastante ovo cozido. É o que eu tenho em casa.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 09-05-2019: Ambiental do último dia de operação do Restaurante Popular de Porto Alegre. O local será fechado em razão do fim de contrato entre a prefeitura e a empresa terceirizada do local. Na foto, Paulo Águas (FOTO FÉLIX ZUCCO/AGÊNCIA RBS, Editoria de Geral).
Paulo: "Vou continuar tentando almoçar com frequência"Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Pelo menos 60 dias para reabertura

Conforme a secretária de Desenvolvimento Social e Esporte (SMDSE) de Porto Alegre, Nádia Gerhard, adiantou na edição de ontem do Diário Gaúcho, cinco novos estabelecimentos devem ser abertos pela prefeitura. O edital de licitação deve ser lançado no final do mês. Segundo Nádia, em 60 dias, no mínimo, a prefeitura espera estar com os restaurantes abertos. Porém, os novos modelos devem atender apenas moradores de rua e pessoas que não têm condições de pagar por alimentação. Atualmente, pagando um R$ 1, qualquer pessoa poderia almoçar no restaurante. Recentemente, servidores do município fizeram o cadastro dos usuários do estabelecimento.

Nádia também adiantou que os novos restaurantes não devem ter mais a cobrança de R$ 1. O almoço será servido gratuitamente. As sedes ficarão espalhadas por todas as zonas da cidade, garante a titular da SMDSE.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 09-05-2019: Ambiental do último dia de operação do Restaurante Popular de Porto Alegre. O local será fechado em razão do fim de contrato entre a prefeitura e a empresa terceirizada do local (FOTO FÉLIX ZUCCO/AGÊNCIA RBS, Editoria de Geral).
Frequentadores tinham acesso a uma refeição por R$ 1Foto: Félix Zucco / Agencia RBS


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros