Iniciativa propõe ensino de idioma africano e criação de biblioteca comunitária na Restinga - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Participação27/05/2019 | 05h00Atualizada em 27/05/2019 | 05h00

Iniciativa propõe ensino de idioma africano e criação de biblioteca comunitária na Restinga

Projeto Meninas Crespas, desenvolvido em Porto Alegre, oferece aula de yorubá, idioma de origem africana, e cria acervo com obras que abordam história dos negros


 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL 08/03/2017 - Projeto vai oferecer educação bilíngue (yorubá, idioma africano), para alunos da Restinga. Também estão montando uma biblioteca afrocentrada. (FOTO: ROBINSON ESTRÁSULAS/AGÊNCIA RBS)
Aula de yorubá está sendo ministrada pelo eletricista Gercy Ribeiro de MattosFoto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

Um encontro semanal na Casa Emancipa, na Restinga, extremo sul da Capital, está mudando a consciência e os sentimentos de crianças negras. São ações que fazem parte do projeto Meninas Crespas, criado em 2015 pela professora Perla dos Santos, com a parceria de algumas mães e alunas da Escola Municipal de Ensino Fundamental Senador Alberto Pasqualini, no mesmo bairro.

A reunião do grupo ocorre sempre aos sábados. Agora, para fortalecer ainda mais o laço dos integrantes do projeto – composto em sua maioria por mulheres negras – com a negritude, estão sendo organizadas aulas do idioma yorubá, de origem africana. Além disso, o grupo está criando uma biblioteca afrocentrada, que terá livros nos quais a história do negro será contada por diferentes vieses, não apenas centrada na escravidão ou na visão dos colonizadores europeus.

— Queremos demonstrar para as crianças e também aos demais participantes que o negro tem uma história muito rica e anterior à escravidão. São séculos de reis e rainhas africanos cujas histórias não são contadas nas aulas ministradas nas escolas — explica a professora Perla.

Atualmente, o projeto não tem mais ligação com a rede pública de ensino. As aulas de yorubá, que começaram no sábado, são ministradas pelo eletricista Gercy Ribeiro de Mattos, 61 anos. Chamado de mestre Cica, Gercy é pesquisador da cultura africana e babalorixá da nação Oyo do Batuque no Rio Grande do Sul. O idioma yorubá está na família dele há algumas gerações. 

Leia mais
Coletivo Quilombelas completa um ano de trabalho em prol da representatividade em escola da Restinga
Alunos de escola municipal do bairro Restinga são selecionados para o Festival de Dança de Joinville
Conheça o projeto que está transformando vidas na Restinga

Esforço

Para o mestre, além ensinar as crianças sobre a existência do idioma africano, as aulas são uma maneira de manter a língua viva. 

— Toda a repressão que os negros sofreram no período da escravidão calou essa língua. Mas, o yorubá foi sobrevivendo de geração em geração, graças ao esforço dos nossos ancestrais — conta mestre Cica. 

Uma das alunas da classe é a professora Kátia Flores, 39 anos, que conheceu o Meninas Crespas recentemente. Além dela, as aulas de yorubá contam com a presença de duas de suas filhas, Lívia, sete anos, e Luiza, quatro anos, e também da sobrinha Laura, oito anos, que está há mais tempo envolvida com a organização social. 

— Essas ações são perfeitas para demonstrar as crianças a importância de resgatar a negritude da nossa população — pontua Kátia.

Dificuldade em trabalho escolar motivou a busca por livros

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL 08/03/2017 - Projeto vai oferecer educação bilíngue (yorubá, idioma africano), para alunos da Restinga. Também estão montando uma biblioteca afrocentrada. (FOTO: ROBINSON ESTRÁSULAS/AGÊNCIA RBS)
Inquietação de Helena deu origem ao acervo de livros Foto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

Estudante do Ensino Médio do campus Restinga do Instituto Federal (IFRS), Helena Santos Moreira, 16 anos, foi quem sugeriu à professora Perla a criação da biblioteca. Em um trabalho da escola sobre raças e etnias, a menina resolveu falar da história negra, mas saindo do senso comum.

— Queria contar a história do povo negro antes do período da escravidão. A intenção era fazer um trabalho diferente. Só que eu não achava nada na internet e não conseguia nenhum um livro sobre isso — recorda Helena. 

Ao recorrer à criadora do Meninas Crespas, a estudante pensou que, para que a situação não se repetisse e para que as crianças aprendessem a história negra contada de outro ponto de vista, uma biblioteca poderia ser montada na sede do projeto. 

Mãe de Helena e também uma das coordenadoras do Meninas Crespas, a artesã Lisbet dos Santos Pinheiro, 48 anos, não só apoiou a ideia da filha, como ajuda até hoje na arrecadação dos livros. 

— Pedimos pela internet e também em eventos da cultura negra que participamos. Ainda estamos com um número pequeno, mas o acervo vai crescer — projeta Lisbet. 

Doação

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL 08/03/2017 - José Falero - Projeto vai oferecer educação bilíngue (yorubá, idioma africano), para alunos da Restinga. Também estão montando uma biblioteca afrocentrada. (FOTO: ROBINSON ESTRÁSULAS/AGÊNCIA RBS)
José Falero doou o livro Vila Sapo, de sua autoriaFoto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

No domingo, durante o encontro especial para receber o Diário Gaúcho, o escritor José Falero fez questão de doar ao acervo da recém-inaugurada biblioteca um exemplar de Vila Sapo. O livro, lançado em fevereiro, traz seis contos escritos por José com temáticas plurais sobre a vida na periferia. 

— O que está sendo feito aqui pelas meninas é fantástico. Demonstra a importância da desconstrução de um branqueamento da nossa sociedade. Ajuda a mudar um país, infelizmente, moldado pelo racismo — diz José.

Como ajudar

/// Tanto a biblioteca quanto o projeto Meninas Crespas precisam de doações. Além de livros, materiais pedagógicos e escolares são bem-vindos. 

/// Tecidos e acessórios com estampas étnicas ajudam na construção dos figurinos usados nas aulas e apresentações.

/// O projeto também busca padrinhos. Atualmente, são as próprias mães-coordenadoras que financiam as ações. 

/// O contato pode ser feito pelos telefones (51) 98562-5310, (51) 99621-5867 ou (51) 99641-2346, com Perla, Paula ou Lisbet. 

/// Pessoalmente, o atendimento é na Casa Emancipa, Avenida Vereador Milton Pozzolo de Oliveira, 59, na Restinga (ao lado da quadra da escola de samba Estado Maior da Restinga).

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros