Obras públicas inacabadas afetam vidas das comunidades vizinhas - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Descaso28/05/2019 | 05h00Atualizada em 28/05/2019 | 05h00

Obras públicas inacabadas afetam vidas das comunidades vizinhas

Cerca de 39 mil pessoas poderiam utilizar empreendimentos que tiveram trabalhos interrompidos

Nas últimas três semanas, Diário Gaúcho selecionou 20 obras em Porto Alegre, em Guaíba, em Cachoeirinha, em Gravataí, em Alvorada e em Viamão que se encaixassem na situação de construção pública inacabada. A reportagem verificou a situação de cada uma delas (confira abaixo) e conversou com pessoas que têm as vidas afetadas por promessas nunca cumpridas. O diagnóstico é que as comunidades vizinhas aos empreendimentos se sentem enganadas por não poderem utilizar os serviços desses prédios abandonados

Juntas, as duas dezenas de obras paradas deixam de atender 39 mil pessoas.

Leia mais
De creches a postos de saúde: 20 obras públicas que já consumiram R$ 15 milhões e estão paradas na Região Metropolitana

Na Vila Anair, em Cachoeirinha, Nataly Borba Miranda, 12 anos, anda de patins em uma pista que era para ser um ginásio de esportes.

Patinar pelas estruturas da construção inacabada do Centro de Artes e Esportes Unificados (CEUS), onde foram investidos R$ 600 mil em uma obra que avançou 52%, é o único passatempo da jovem nas redondezas de casa. A avó da menina, a aposentada Célia Alves, 66 anos, não se conforma:

Cachoeirinha, RS, BRASIL, 09/05/2019: Especial 20 obras paradas. 9) Centro de Artes e Esportes Unificados (CEUs) de Cachoeirinha. Rua Estrela, Vila Anair   . CASE: Celia Alves (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)
Célia chamou políticos, mas não adiantouFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

– Já chamei político, vereador e prefeito e ninguém resolve. Ninguém tá nem aí. Antes da obra, era um campo de futebol para a comunidade. Agora, com tudo parado, virou ponto de prostituição, consumo de drogas, tudo de ruim. Fiquei feliz da vida quando anunciaram, disseram que teria biblioteca e até sala de cinema. Me sinto enganada.

Com uma filha de nove meses em casa, o cozinheiro Henrique Franco, 33 anos, se revolta ao ver que as obras da Escola de Educação Infantil Favo de Mel, no Bairro Natal, em Gravataí, que seria construída em terreno bem em frente ao local em que mora, não passaram do alicerce.

A obra parou em fevereiro de 2018 com 9,65% de avanço.

Gravataí, RS, BRASIL, 14/05/2019:  Especial 20 obras paradas. 16) Creche Favo de Mel. Rua Ouro Preto, Vila Natal, Gravataí. Case: Paulo Henrique Franco, 33 anos  (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)
Franco: bebê em casa e creche na frente não passou do alicerceFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

– É revoltante ter criança pequena em casa e ver essa obra parada. Nem tenho esperança que ela retome. Obra inacabada revolta muito porque a gente sabe que é nosso dinheiro que está sendo mal empregado.

Na zona sul de Porto Alegre, a situação é parecida, não fosse o fato da obra da Creche Moradas da Hípicas estar 60% pronta e parada desde 2016. Foram R$ 598 mil já investidos.

O presidente da Associação dos Moradores dos Campos de Ipanema, Leandro Coimbra, 42 anos, explica que pelo menos 60 famílias das redondezas têm crianças que aguardam matrícula nessa escola:

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 08/05/2019:  Especial 20 obras paradas - 4) Instituição de Educação Infantil Morada da Hípica . Rua Elvira Dendena, 156, Hípica . CASE: Leandro Coimbra, 42 anos . (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)
Coimbra: filho cresceu e a creche não abriuFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

– Acompanhamos desde que começaram a limpar o terreno. Foi feita uma obra gigante para nada. Começou quando meu filho mais velho estava nascendo. Hoje ele já está na escola e nunca conseguiu aproveitar essa creche.

Em Viamão, no bairro Jardim Krahe, a obra não só ficou pela metade como também virou um problema. O prédio foi erguido num campo que servia como área de lazer para a comunidade.

Com a obra abandonada desde o final de 2017, o local virou um ponto perigoso, especialmente à noite:

– Esse sempre foi um local em que as pessoas tomavam chimarrão e caminhavam. Acabamos ficando sem a creche e sem nossa praça – afirma a confeiteira Anelise Pacheco, 32 anos.

 Gravataí, RS, BRASIL, 16/05/2019:  Especial 20 obras paradas. 22) UBS São VicenteOnde: Rua Elza Soaress, Bairro São Vicente. CASE: Evanilda da Silva, 44 anos  (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)
Evanilda: posto de saúde pela metade na frente de casaFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

Imagine precisar pegar ônibus para ir até o posto de saúde mais perto, sendo que não há outra opção em seu bairro, sendo que em frente a sua casa há a obra parada de uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

É o que enfrenta a motorista de aplicativo Evanilda da Silva, 44 anos, quando precisa de serviços médicos. Os trabalhos da UBS São Vicente foram interrompidos em março deste ano porque a empresa não cumpriu os prazos contratuais.

A estrutura está 61% pronta e, quando concluída, terá quatro Estratégias de Saúde da Família (ESFs) com capacidade para atender, ao todo, 12 mil usuários.

– Quando a obra começou, fiquei muito feliz que teria um posto de saúde na porta de casa. O mais próximo fica a três quilômetros, na UBS São Geraldo. Sinto uma raiva porque gastam o nosso dinheiro e não terminam a obra – desabafa Evanilda.

 Confira a situação das construções analisadas


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros